• Home

Christian Montillon – O homem da série

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

christianmontilloonChristian Montillon – pseudônimo de Christoph Dittert – nasceu em 1974, em Rockenhausen, na Renânia Pfalz. Com a idade de 16 anos ele comprou seu primeiro romance de Perry Rhodan, em uma banca em sua cidade natal, Winnweiler, “Solo para um Androide” (Solo für einen Androiden), de Ernst Vlcek. Ele rapidamente se tornou um grande fão do autor, e parece que desde então pôs na cabeça seguir seus passos...

Inicialmente, estudou língua e literatura alemã, literatura geral e comparada, e obteve um mestrado em 2001. Depois de se formar, ele começou um doutorado em pesquisa de cânticos literários, que apesar da concessão da Comunidade de Pesquisa Alemã (Deustsche Forschungsgemeinschaft), não concluiu, porque começou sua própria atividade como autor. Para seu pseudônimo, Christian Montillon, ele emprestou o nome de solteira da esposa, Rahel.

A carreira começou em 2003, com os primeiros romances da série “Coco Zamis”, com base no clássico “Demônios Assassinos” (Dämonenkiller), série que surgiu a partir da década de 1970; escreveu também para as séries “Professor Zamorra”, “Jerry Cotton”, “Maddrax”, e outras. Ernst Vlcek tinha as bases da série, e o autor vienense também escreveu para “Coco Zamis”. Pouco depois, Dittert entrou em uma série diferente, na editora Bastei, na qual ele contribuiu com inúmeros títulos.

Segundo suas próprias palavras, ele leu aproximadamente 1.000 livros de Perry Rhodan, e até agora Ernst Vlcek é seu autor favorito.

Em 2004 ele se atreveu a chegar mais um passo perto de seu ídolo, Ernst Vlcek, e entrar para a redação de Perry Rhodan. Primeiramente ele escreveu quatro romances para a série Atlan, e pouco tempo depois fez sua estreia como autor da equipe de Perry Rhodan, com a dupla 2346 e 2347.

Desde então ele está entre os autores mais populares da série. O que ele acha mais fascinante em Perry Rhodan, são “as diferentes perspectivas sobre os mesmos eventos, e o número de autores totalmente diferentes”.

Ele se preparou para o próximo salto: concebeu para a faixa 2700, em parceria com Hartmut Kasper – que escreve com o pseudônimo de Wim Vandemaan – os exposés de Perry Rhodan. Assim, ele define as bases para a maior série de ficção científica do mundo, segundo seus colegas que escrevem os romances. Ainda assim ele quer continuar a escrever romances para PERRY RHODAN NEO porque ele gosta demais desta série.

“Sim, eu sou um homem das séries”, admite Montillon. “Na televisão eu não vi praticamente nada, exceto Star Trek e Friends, ou com minha esposa, ‘Plantão Médico’ (E.R.), cujo sangue, no entanto, sempre me deixa mal, embora nos meus textos volta e meia haja sangue derramado, no ‘Plantão Médico’ é real... ou poderia ser real.”

Christian Montillon vive com sua esposa e seus três filhos, Tim, Silas e Noah, em Wattenheim. “E não importa o que o futuro traga”, ele promete, “vou permanecer fiel aos leitores de Atlan e Perry Rhodan.” Ate o volume 50 ele escreveu para a série Perry Rhodan Neo os episódios: “Utopia Terrânia” (volume 2), “Sob a Luz de Vega” (volume 10), “Final para Ferrol” (volume 16), “Refúgio Atlântida” (volume 23), “Refúgio dos Sábios” (volume 30), “A Conspiração Stardust” (volume 37) e “A Crise Gênese” (volume 47).

Imprimir Email

Você não tem permissão para comentar. Faça seu login no site ou se registre, caso não tenha um login no site.

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.