• Home

Ciclo 23 - Ennox e Arcoana

Episódios 1600 a 1649 – Período da história: 1200 a 1202 NCG (4787 a 4789)
Data de publicação na Alemanha: 1992 a 1993
Ciclo ainda inédito no Brasil


Experiências hiperfísicas dos arcoana na galáxia Aamelonga, situada a 13 milhões de anos-luz de distância, criam primeiramente no Sistema Solar e depois no aglomerado estelar esférico M-13 as Zonas da Morte, que tornam inoperante qualquer tipo de hipertecnologia. Incontáveis mundos habitados são atirados ao caos, e apenas através da ajuda dos curiosos ennox torna-se possível o contato com o restante da galáxia. Após o fim da crise o ennox Philip informa Rhodan da existência do “Grande Enigma Cósmico”, e para solucioná-lo os galácticos preparam uma expedição para o Grande Vazio, situado a 225 milhões de anos-luz da Via Láctea, no aglomerado galáctico Cabeleira de Berenice.



Desde os dramáticos acontecimentos com a confusa superinteligência “Aquilo” passou-se exatamente um quarto de século. Os efeitos dessa crise são sentidos em quase toda parte, e os arcônidas têm diante de si uma dura tarefa, tendo como mérito do arcônida Atlan a criação do GAFIF. Esse "Grupo Arcônida Pesquisador para Inovação e Desenvolvimento", dirigido por Yart Fulgen, é uma organização secreta nos moldes da antiga USO.

Todos os portadores de ativadores celulares do Sistema Solar celebram o réveillon de 1199 NCG com Perry Rhodan em Terrânia. Durante o “show laser” que marca a passagem de ano, Gucky relata que teve uma visão, que suspeita ser da superinteligência. Em fevereiro de 1199 NCG ele teve uma experiência semelhante em Cuelemaz, e a partir daí ele acredita ser uma pista que o conduzirá aos últimos ilts no setor Yolschor. Ainda no dia de ano novo ele parte com Alaska Saedelaere a bordo do space-jet GECKO para seguir essa vaga pista.

Primeiramente Reginald Bull e Julian Tifflor retornaram em outubro de 1199 NCG de uma importante expedição distante. Em 3 de outubro de 1189 NCG eles foram com as espaçonaves CIMARRON e PERSEUS assim que o primeiro protótipo de uma nova série de construção de naves espaciais distantes, a FORNAX, retornou de uma expedição originalmente calculada de cinco anos cujo objetivo eram as galáxias do Grupo Fornax, distantes exatos 70 milhões de anos-luz do Grupo Local. Os objetivos principais eram as galáxias NGC 1398, NGC 1399 e NGC 1316, pois suspeitam que esse setor é o ponto de um grande Cosmonucleotídeo, denominado Fornax-A.

Na oportunidade também devem medir uma parte do setor Eridanus. Através de 22 milhões de anos-luz, chegam à galáxia NGC 1400, sua primeira importante estação, pois lá já estão fora da esfera de influência do Cosmonucleotídeo Dorifer!

Eles permanecem nas orlas e também esperam encontrar outras superinteligências, porém este não era o objetivo principal da missão.

Já prontos novamente, nada indica a existência de incidentes, que poderiam suspender a missão de cinco anos. Primeiramente em fim de agosto de 1190 NCG a expedição alcança a galáxia anã Rumpelstilz, situada na região de NGC 1400 – e encontra ali seres humanos. Em Ofen, os descendentes de terranos explicam que chegaram ali em 350 NCG com a intenção de estabelecer um escritório hanseático e voltar à Terra em seguida, porém após tudo pronto resolveram ficar. Eles dizem a Bull que estão próximos da espécie predominante em NGC 1400, os aracnoformes aracnóides, com os quais possuem relações pacíficas. Os aracnóides parecem ter um elevado nível técnico, porém os colonizadores de Ofen não querem que a expedição entre em contato com eles.

Forçosamente Bull e Tifflor dirigem a expedição para NGC 1398, e finalmente eles têm um êxito. No território de NGC 1316 eles descobrem um Cosmonucleotídeo de cuja existência já desconfiavam.

Durante o voo de regresso para a Via Láctea anos mais tarde eles retornam a Ofen, porém a colônia foi devastada e eles não encontram nenhum sobrevivente.

Eles acham somente a sepultura de um aracnoide e levam seus restos mortais a bordo. Eles vão à galáxia NGC 1400, uma galáxia espiral com somente 10.000 anos-luz de diâmetro. Apesar da busca intensiva não acham nenhuma pista dos aracnoides, e surpreendem-se com o elevado número de supernovas. A expedição acha finalmente 73 supernovas, sendo que a maioria tem talvez 40 anos de idade. Eles supõem que em torno dos sóis havia um antigo império aracnoide. Em diferentes locais acham também bastões emissores com as misteriosas esferas brilhantes de som. Novamente eles acham um sol gigante vermelho, com aspecto de pertencer igualmente ao império dos aracnoides. Em um cinturão de asteroides desse sistema solar eles localizam uma estação com o último dos aracnoides, porém ele se suicida pulando para fora, antes que eles pudessem contactá-lo. Quando cansam de esperar por resultados começam o voo de regresso de quatro meses para a Via Láctea. Durante o voo de regresso examinam cautelosamente os artefatos, que os aracnoides precisaram por 20 milhões de anos e novamente em 10 milhões de anos antes do radiar da inteligência. Desde cerca de 500.000 anos eles foram então os senhores de sua galáxia.

Em 31 de outubro de 1199 NCG a expedição volta finalmente à Terra. Os artefatos vão ao centro de pesquisa Titan de Myles Kantor, o cientista-chefe terrano, para serem examinados cuidadosamente.

Sato Ambush, que manteve-se consideravelmente afastado do domínio público nos últimos anos, amargura-se com a proximidade da divisão dos novos ativadores celulares, que não considera serem para si. Ele é visto constantemente com o nakk Paunaro, e não é claro para todos onde ambos estão.

Contudo também Perry Rhodan manteve-se ativo nos últimos anos, apesar de sua recusa em aceitar um cargo oficial. No ano 1187 NCG ele foi com a ODIN para uma viagem distante, cujo primeiro objetivo era a galáxia Truillau. O trecho de transmissores de ESTARTU em direção à Via Láctea naquela altura já havia sido ampliado, e ele obteve aprovação para utilizar a estrada de transmissores, o que reduziu consideravelmente o tempo de viagem. Em Truillau novamente os terranos não são bem-vindos e fogem quando ocorrem exacerbadas lutas pelo poder entre os diversos povos, mas os terranos percebem os ganhos que podem ter com o fim da escravidão nessa galáxia. O próximo objetivo da ODIN, alcançado relativamente rápido através da estrada de transmissores, foram as doze galáxias de ESTARTU. Ali a acolhida foi amigável, porém é recusada uma visita a Etustar, a residência da superinteligência ESTARTU. Rhodan não consegue informações sobre o destino de Stalker, e além disso o ophaler Salaam Siin não o encontra.

A ODIN ajusta seu vôo para seu verdadeiro objetivo, a galáxia Norgan-Tur. Em Khrat ele encontra Kesdschan e o Hathor Tengri Lethos-Terakdschan, assim que Jen Salik surge na forma de projeção corporal. Ele fica sabendo dos dois, que ligam-se a ele como a aura de um Cavaleiro das Profundezas, que não poderia fazer aquilo durante o tempo em que viveu. Lethos parte com Rhodan e isso não tem para ele nenhuma consequência por parte dos Cosmocratas.

Rhodan relata a ambos os acontecimentos dos últimos anos bem como as maquinações de TAUREC, porém ambos não podem ajudá-lo, pois está além de seus interesses. Porém Lethos faz uma explanação profética, cujo sentido somente se torna conhecido muito mais tarde:

"Como sempre aconteceu, ele conduz a todos para a solução de um grande enigma cósmico. Ele coloca um segredo não-resolvido no universo, até aqui despedaçado e com isso a organização da resposta para a Terceira Pergunta Fundamental está muito próxima".

Jen Salik também completa que as últimas providências de “Aquilo” têm um profundo sentido.

Poucos dias mais tarde a ODIN inicia o voo de regresso para a Via Láctea.

Nas últimas semanas do ano 1199 NCG ocorrem alguns acontecimentos que têm ligação de alguma forma com o hiperespaço. Aparelhos apresentam problemas ou não funcionam como deveriam. Todos esses acontecimentos são considerados de pouca importância, porém o nexialista Boris Siankow apresenta a tese de que todos esses acontecimentos têm como causa o exame dos artefatos dos aracnoides em Titan. Porém ninguém, nem mesmo o próprio Myles Kantor, acredita nele, pois dizem-lhe que são apenas inofensivas aranhas. A exploração do legado dos últimos aracnoides do sistema do sol gigante vermelho traz novos conhecimentos. Conforme os aracnoides foram tornando-se pacíficos após um período de expansão, surgiu uma estranha raça humanoide que os aniquilou quase que completamente. O último sobrevivente vivia discretamente, até que um grupo de terranos que foi a Ofen o descobriu. O aracnoide era de opinião que esses homens pertenciam ao mesmo povo humanoide que extinguiu seu povo e começou sua campanha de vingança, sacrificando toda a população de Ofen.

Nos primeiros dias do ano 1200 NCG o clone Voltago esboça inesperadamente reações novamente, após ficar imóvel desde os decisivos dias do ano 1174 NCG no bangalô de Rhodan.

Em 7 de janeiro noticia Roi Danton, aliás Michael Rhodan, seu rápido retorno para a Terra, após ficar por vários anos no império dos linguiden.

Ocorrem mais experimentos com a desconhecida técnica dos aracnoides, porém paralelamente a isso ocorrem estranhas perturbações no hiperespaço. Estrelas brilham bruxuleantes e parecem estar prontas a apagar-se, e Rhodan recorda-se da velha profecia de que todas as estrelas se extinguirão quando o último Cavaleiro das Profundezas morrer.

Na noite de 9 de janeiro fracassa um experimento com a técnica dos aracnoides. Perry Rhodan começa em 10 de janeiro às 05h00 horas com a ODIN a observação dos estranhos hiperfenômenos no Universo, porém às 05h33min ocorre a catástrofe sobre eles. De um momento para o outro a ODIN cai do hiperespaço, e todos os aparelhos que trabalham com técnica pentadimensional não funcionam mais. Na Terra ocorre o caos.

De um segundo para o outro a técnica terrana involui profundamente: aparelhos sintrônicos não funcionam mais, bem como poços antigravitacionais, hiperrádio ou qualquer outra forma de técnica hiperorientada. Voos com mecanismos ultraluz são impossíveis, transmissores não funcionam mais. Mesmo Nathan, já há muitos anos com grande base sintrônica, não funciona. Como consequência disso não há mais sobre a Terra nenhum controle climático, e grassam catástrofes naturais. Porém apesar de todos os problemas eles tentam obter algum controle em meio à catástrofe. O provimento de bilhões de terranos com alimento e energia deve prevalecer sobre outras prioridades, e seguramente todos passarão por grandes privações. Aquilo dura semanas, até que no Sistema Solar a situação se consolide. Antiga técnica positrônica é retirada dos museus, para tentar estabelecer uma razoável ordem.

As primeiras medições do fenômeno indicam inacreditáveis resultados. A velocidade da luz, uma das maiores constantes naturais, teve seu valor normal diminuído em torno de nove metros. Isto é realmente um valor irrisório, porém ele tem seguramente grande influência sobre a natureza porque incontáveis outras constantes naturais são baseadas na velocidade da luz. Medições mais precisas ainda são impossíveis. Bull, Tifflor e Kantor tentam coordenar as medidas de ajuda.

A origem da Lentidão-Hiperespaço ou Hiperespaço-Parese (termo grego para “lentidão”), como eles prontamente nomeiam o estranho fenômeno, não pode ser averiguada, pois eles não sabem se somente o Sistema Solar foi afetado ou se maiores regiões da Via Láctea também foram. Boris Siankow, que nesse meio tempo já era levado a sério, torna-se um importante auxiliar de Myles Kantor. No fim de janeiro de 1200 NCG eles têm novamente a situação sob controle, e esperam poder tentar descobrir as origens do fenômeno.

Em fevereiro de 1200 NCG o space-jet GECKO aproxima-se com Alaska Saedelaere e Gucky do ponto no qual Gucky suspeita haver uma pista de seus companheiros desaparecidos. A última vez foi no ano 412 NCG, onde no planeta Mystery estavam os últimos 150 ilts nas mãos de um inescrupuloso saltador. Depois que perdeu sua pista, Mystery foi abandonado.

Em Tramp II, um mundo deserto no setor Yolschor, Alaska Saedelaere, que antes era um cético quanto à busca, se informa melhor. Em uma fita magnética deixada por colonos terranos que estabeleceram uma colônia ali por um curto tempo, eles acham indicações que levam à suspeita de Gucky de que haviam ilts em Tramp II. Gucky acredita que a superinteligência “Aquilo” esteja por trás desse indício.

Novamente em espaço livre, eles assumem posição de espera, e enquanto Gucky reflete, “Aquilo” comunica-se novamente. Eles não conseguem se comunicar com a Terra, porém os tripulantes da GECKO não têm tempo para se ocupar com isso.

Atlan observa a emersão das Zonas da Morte, quando já está no alcance de influência do Hiperespaço-Parese Jimmerin, o asteroide sem atmosfera na região de M-13 que é a central da GAFIF. Dias depois ele já está em Olimpo agrupando forças, porque o antigo mundo dos livre mercadores localiza-se em relativa proximidade das Zonas da Morte mas sem ser afetado por elas. Galors é abatido, pois Nathan não é mais a unidade de coordenação central. Demoradas medições indicam que a Zona da Morte tem formato esférico e diâmetro aproximado de 10.000 anos-luz. Após essas medições, ainda não se sabe se essas atividades hostis são apenas um fenômeno natural. Icho Tolot tem sua chegada anunciada, enquanto Homer G Adams, que estava no setor Norte da Via Láctea, encontra-se provavelmente em alguma parte das Zonas da Morte. Ainda não há nenhum sinal de Sato Ambush, que estava a caminho junto com o nakk Paunaro a bordo da Tarfala em alguma parte da Via Láctea Ronald Tekener e Dao-Lin-H’ay estão há anos ativos em M-13 e Hangay.

Maiores medições revelam novas sensações. A Zona da Morte não é estacionária, ela move-se irregularmente numa média de dois anos-luz por dia na direção do setor Oeste da Via Láctea. Através desse movimento a Zona da Morte empurra o Sistema Solar ao longo do tempo no centro do Hiperespaço-Parese. Todavia, a redução da velocidade da luz tem vigência também fora da Zona da Morte. Ninguém consegue prever o alcance das consequências dessa condição.

Michael Rhodan dirige-se novamente para o setor oriental da Via Láctea, onde passou vários anos no império linguiden, agora insignificante novamente. Seu primeiro objetivo é Rubin, o terceiro planeta do sistema de Roi, porque os quartzos oscilantes que existem em abundância no planeta tornam a Zona da Morte instável. Alguns vingativos antis planejam criar uma situação de tensão, porém a influência da Zona da Morte sobre o hovalgônio leva o plano dos antis a um impasse. Michael Rhodan chega a Rubin acompanhada de Homer G Adams, que com a nave QUEEN LIBERTY quer ajudar um escritório comercial da Organização Hanseática situado neste planeta.

Em fevereiro de 1200 NCG surge no Sistema Solar, surpreendendo a todos, alguém que quase havia caído no esquecimento. Ele é um exótico e gracioso humanoide, que recebeu há 26 anos em Peregrino o nome de Ennox. Philip, como ele se nomeia agora, não é influenciado pelo Hiperespaço-Parese, e ele surge repentinamente com um obscuro companheiro na Terra exigindo de Bull um aparelho que estava disponível em Peregrino durante a entrega dos novos ativadores celulares. Philip declara que, como compensação, ele ajudará os homens a superarem sua imobilidade. Isto não é nenhum problema para seus companheiros chamados para a Terra – mais ennox, como todos dizem prontamente. Sobre seu poderoso modo de movimentação, semelhante a uma teleportação porém baseado em outro princípio, Philip não dá mais nenhuma informação. Os terranos observam que ele não pode transportar nenhuma pessoa consigo, podendo levar somente matéria inanimada que tenha até talvez metade de seu próprio peso corporal. Após longa busca dos extremamente curiosos ennox, eles recebem dos terranos o aparelho procurado, e finalmente os terranos obtém a primeira ajuda.

Registram-se os primeiros dias de março de 1200 NCG quando Ronald Tekener e Dao-Lin-H’ay, os dois bem diversos portadores de ativador celular, chegam a Olimpo. Há mais de vinte anos, no ano 1179 NCG, Dao-Lin-H’ay retornou para Hangay, porque ela tinha esperanças de que nesse caminho conseguisse organizar seus confusos sentimentos. Ronald Tekener acompanhou-a e em Hangay os dois reconhecem seus sentimentos um pelo outro. Em seguida eles agem tanto em Hangay como também em M-33, para cuidar do estabelecimento de relações pacíficas nas duas galáxias, pois para todos os revoltosos vennok foram a causa dos problemas em Hangay. Porém ambos conseguiram finalmente solucionar este problema, bem como aquele existente entre os kartanin de Hangay e os de Pinwheel. Eles tiveram êxito com os dois povos, possuidores de estruturas sociais rígidas, consistindo de matriarcado em Pinwheel e patriarcado em Hangay. Próximo de sua viagem de regresso para a Terra eles conseguem tranquilizar-se, pois há somente um povo kartanin, que contudo anexou os reinos Diadochen no tempo dos Séculos Sombrios quase sem exceção.

Com sua chegada em Olimpo eles informam-se sobre os últimos acontecimentos, que estão em coerência com o surgimento da Zona da Morte. Em suas primeiras cenas públicas, eles não fazem mais nenhum segredo de que sua relação vai além da simples amizade.

Na Terra surgem pouco a pouco mais ennox, chamados por Philip para ajudá-lo. Deste modo, eles conseguem com a ajuda dos ennox contactar a ODIN, que saiu do hiperespaço nas proximidades de Alfa Centauro. Ali seres com mecanismos subluz alcançam somente 75% da velocidade da luz, o que fará com que a chegada a esse sistema dure seis semanas. Digno de nota é o encontro entre Voltago e o ennox Philip. Voltago diz posteriormente que o ennox de certo modo “regressa”. Rhodan desconfia que Voltago sabe mais sobre os ennox do que aparenta saber.

Um cientista do povo dos blues, conhecido por suas experiências perigosas, examina a região da orla da Zona da Morte. Suas medições chegam a um perturbador resultado: conforme seus cálculos indicam, a Zona da Morte é criada artificialmente e tem origem em algum outro ponto do universo.

No início de abril de 1200 NCG surgem em Olimpo cada vez mais ennox, que provocam uma situação caótica com sua penetrante curiosidade. Contudo com a ajuda dos ennox, que não são influenciados pelo Hiperespaço-Parese, os terranos conseguem uma razoável troca de informações entre a Terra, a ODIN – localizada em Alfa Centauro – e Olimpo. Em combinação com Atlan, Perry Rhodan organiza a bordo da ODIN um encontro de Voltago com Ariane, um ennox. O rosto de Voltago aparenta dissolver-se, como todos que estão próximos já podem observar, em fases peculiares de grande esforço. Como resultado imediato, surgem cabeças de seres estranhos, cujas imagens levaram a Voltago a recordação de Ariane. Com os limitados recursos a bordo da Odin ninguém consegue reconhecer os povos estranhos, porém Atlan envia o registro da imagem por registro positrônico. A bordo da ATLÂNTIDA todos esperam que esse registro permita a averiguação de algum povo conhecido, e que essa eventual informação indique de que região do universo os ennox são naturais.

Torna-se mais claro que o movimento exterior dos ennox ocorre através do Movimento Absoluto, o misterioso tipo de movimento do qual os terranos encontraram sinais ao longo dos séculos. De acordo com as declarações de Philip, Atlan suspeita que o período de vida dos ennox deva situar-se entre 350 e 400 anos.

Na metade de abril de 1200 NCG Atlan aguarda com ansiedades novas notícias da Terra, enquanto os ennox penetram maciçamente em Olimpo.

Também no Sistema Solar é grande a quantidade dos ennox já chegados, e no meio de abril sérias avaliações indicam haver quatrocentos dos extremamente indagadores humanoides, que levam à intranquilidade e a caóticas condições. Eles levam ao Sistema Solar os demorados pos-bis, que preocupando-se com o perigo da escassez de seus modernos elementos sintrônicos, desejam afastar-se da Zona da Morte. No fim de abril desaparecem quase de um segundo para o outro todos os ennox do Sistema Solar – seu ponto de encontro parece ser Olimpo.

No entanto, após medições minuciosas confirmarem a natureza artificial da Zona da Morte, Atlan suspeita que os ennox sejam responsáveis pelo seu surgimento. Outros também suspeitam dos ennox por eles terem sido os primeiros a surgirem logo após a aparição da Zona da Morte. Para investigar este assunto, Atlan planeja uma ação especial da GAFIF.

No início de maio de 1200 NCG começa uma conferência em Olimpo, para incentivar todas as divididas forças a discutirem as averiguações relativas à Zona da Morte. Como era de se esperar, as várias centenas de ennox demonstram grande interesse, e com isso a GAFIF, sob o comando de Yart Fulgen, espera revelar mais alguns dos segredos dos obscuros alienígenas.

Philip, o suposto líder dos ennox, descobre por acaso que Rhodan conseguiu, através de Atlan, divulgar uma cópia dos rostos estranhos de Voltago para que sejam feitos maiores estudos. Ele reage a isso com uma ameaça a Atlan, dizendo-lhe que eles não os ajudarão se tentar enganar os ennox novamente.

Em 13 de maio um experimento da GAFIF alcança sensacional êxito. Embora eles não consigam examinar os ennox como queriam, eles conseguem cercá-los com uma manta protetora peculiar. Através de uma ligação remota com um filtro ela altera-se. O corpo dos ennox parece ser quase igual ao dos homens, após a disposição dos órgãos internos ser observada. Porém é descoberto um órgão suplementar, com o tamanho de meio coração, que recebe o nome de “Rede Solar-Psi”. Ao que parece, esse órgão é responsável pelo movimento semelhante a teleportação dos ennox.

Porém os ennox rapidamente tomam ciência dessas experiências. Philip surge perto de Atlan e lhe diz que houve quebra de confiança, estando o trabalho conjunto imediatamente terminado. Antes que ele desapareça novamente, diz o ennox: “Você carrega a culpa de que ele assim deve ir, como ele agora vai”.

Dentro de uma hora todos os ennox desaparecem de Olimpo, como se eles nunca tivessem existido.

No meio-dia de 15 de maio de 1200 NCG os acontecimentos tomam um novo rumo, pois a Zona da Morte começa a pulsar. Seu diâmetro aumenta repentinamente em cerca de mil anos-luz, mas poucas horas mais tarde ela retorna novamente para seu diâmetro anterior. As pulsações fazem com que Olimpo fique por pouco tempo na influência da Zona da Morte. Porém nos últimos minutos de 15 de maio acontece o que quase ninguém teve esperanças de arriscar: a Zona da Morte desaparece definitivamente e não surge novamente, tornando a Terra novamente acessível. Tudo indica que os ennox foram responsáveis pelo surgimento da Zona da Morte. Porém então surge de surpresa um ennox na ATLÂNTIDA e pergunta se os galáticos já o alcançaram. Pouco mais tarde o ennox desaparece sem deixar rastros.

Gucky, Alaska Saedelaere e seu companheiro astronauta do space-jet GECKO exploram depois de alguns dias de inatividade os mundos próximos no setor Yolschor. Inesperadamente surge uma figura feminina a bordo da espaçonave e dá algumas indicações confusas a princípio. Gucky e também os outros estão convencidos de que a superinteligência “Aquilo” está envolvida na busca. A indicação finalmente é interpretada e leva a um setor relativamente pobre de estrelas da nuvem Yolschor, onde há somente sete estrelas. Em um dos poucos planetas existentes eles descobrem uma colônia dos blues, que encontram-se numa situação de risco que ameaça suas vidas. Questionados por Gucky, os blues explicam que há meio ano grande parte dos habitantes foi atacada de loucura. Eles conduziram os doentes para Rabkung, um mundo distante desse setor. No começo de fevereiro eles começam a explorar mais planetas, porém durante um voo ultraluz ocorre um incidente, que termina em um voo de dilatação. As primeiras medições indicam que entretanto registra-se o fim de março de 1200 NCG. Pouco mais tarde eles ouvem a fita magnética achada em Tramp II e descobrem que também lá os colonos foram atacados de loucura, e que pouco puderam fazer para defender-se contra isso.

Quando eles finalmente voam com destino a Rabkung, uma nova medição indica que entretanto registra-se o dia 2 de maio de 1200 NCG, e que com isso eles perderam cerca de três meses durante o involuntário voo de dilatação.

Em Rabkung eles acham uma medoestação provisória dos aras, e também quatro dos antigos colonos de Saira que estiveram antes em Tramp II. No meio de maio a GECKO começa a ir em direção à Terra tendo a bordo os quatro colonos de Saira, debilitados mentalmente, e eles têm esperanças de que eles sejam curados em Mimas, para conseguirem pistas sobre este enigma.

Na Terra e em todos os outros perplexos mundos todos começam a trabalhar para reestabelecer a ordem, após o súbito desaparecimento da Zona da Morte. A ODIN retorna imediatamente para a Terra e Nathan ativa-se novamente, porém a correção dos estragos feitos dura meses. Na mesma época o trabalho é intensificado, no sentido de se chegar a conclusões sobre a natureza da Zona da Morte, cujas medições indicam não ser um fenômeno natural. As primeiras análises demonstram – combinado aos trágicos acontecimentos ligados ao retorno da espaçonave LIATRIS SPICATA – que as alterações de algumas constantes naturais, entre elas a velocidade da luz, mantém-se como antes. Em toda a Via Láctea há rupturas e fraturas na estrutura 5-D, especialmente no aglomerado estelar esférico M-3. Ali parece haver um fenômeno que concentra gigantescas hiperenergias. O centro é chamado de Atrator Hiperdim por Myles Kantor, e esse gigantesco corte no contínuo espácio temporal parece tornar-se cada vez maior.

Ali alguém ajuda os cientistas terranos fornecendo informações suficientes sobre a região, indo logo após procurar a pista do nakk Paunaro e de Sato Ambush, perdidos há muito tempo no caminho da Via Láctea. Icho Tolot e o halutense anão Lingam Tennar revelam estar prontos para ir em busca dos dois desaparecidos. Seu primeiro destino é Akkartil, o mundo-culto dos nakken situado próximo. Em um abismo eles descobrem a abandonada espaçonave de uma estirpe saltadora, que deseja apropriar-se de um vigiado legado dos nakken. Pouco tempo mais tarde os dois halutenses descobrem uma dobra espácio temporal, que torna possível a passagem para um outro universo. Através da dobra espácio temporal oblíqua eles chegam a um estranho planeta e encontram ali ao todo 85 saltadores, que Paunaro deslocou no ano 1196 NCG através da dobra espácio temporal. Eles encontram-se desde então – neste estranho mundo somente poucas semanas se passaram para os saltadores – em constante luta com os insectoides glamartaxers, originários com suas espaçonaves de um outro universo e que estão encalhados no mundo sem nome na dobra espácio temporal. Os dois halutenses ajudam os saltadores a regressar para sua espaçonave e os glamartaxers procuram uma parte sobressalente para sua espaçonave, para também conseguirem regressar ao seu espaço vital. Além disso os dois halutenses acham um dado de Sato Ambush, onde ele revela que a recusa da imortalidade a ele por “Aquilo” o afetou muito, e que, para esquecer, ele juntou-se ao nakk para percorrer seu caminho e para ir ao fundo dos grandes segredos do universo. Seu primeiro objetivo foi próximo a uma região no espaço vazio intergalático fora da periferia ocidental da Via Láctea, a 40.000 anos-luz de distância da Terra. Após alcançar essa área os dois halutenses descobrem também ali uma dobra espácio temporal. Muitas sondas de medição são enviadas à dobra espácio temporal, mas somente uma delas retorna. Depois Sato Ambush gravou uma informação, na qual ele explica que ele e Paunaro encontram-se em perigo e que não podem regressar ao universo normal com seus próprios recursos. Com a HALUTA os dois halutenses penetram então na dobra espácio temporal e conseguem salvar os dois. Paunaro estava escravizado desde a penetração na dobra espácio temporal no ano 1198 NCG por uma entidade espiritual chamada de SINTA. Ele descobre que SINTA deseja utilizar a ponte dimensional para invadir o universo normal e ampliar ali seu poder. SINTA também já tem tropas auxiliares, os maanva, comandados por ele na dobra espácio temporal, e que devem apoiá-lo no seu projeto de construir bastiões. Somente através de uma arriscada missão a HALUTA e a TARFALA conseguem voar através da dobra espácio temporal, pois os maanva, seres inseto semelhantes a centopeias, têm 5.000 naves espaciais foiciformes nas proximidades da passagem. Com o regresso bem-sucedido, Paunaro está livre novamente e pronto para analisar os problemas relativos à Zona da Morte.

Através da pesquisa dos artefatos dos aracnoides em Titan, os terranos descobrem mais sobre estes misteriosos seres. Eles chamavam-se de arcoana, e foram praticamente exterminados devido a conflitos com os chamados riin ou sriin. Os artefatos revelam a sua história:

No passado distante e durante milhares de anos, os aracnoides levaram morte e pilhagem à sua galáxia natal Noheyrasa, deixando um mundo devastado após o outro. Contudo, com o passar do tempo, eles desenvolveram uma alta maturidade espiritual e reconheceram a sua falta de respeito para com a vida e a criação. Desde então o seu trabalho passou a ser a reparação dos danos causados. Eles possuem a capacidade natural de manipular processos pentadimensionais mentalmente, e a utilização deste poder levou à construção de uma civilização altamente desenvolvida. Porém, surgiram inesperadamente os riin, um povo que desejava utilizar as capacidades dos arcoana para a satisfação de sua extrema curiosidade.

Os sensíveis arcoana sofrem um duro golpe com a opressão dos riin, até que eles fingem um suicídio coletivo através da explosão de 73 sóis e fogem para a distante galáxia Aamelonga. Lá, no planeta Dadusharne no sistema Sheokor, eles começam uma nova vida, longe da opressão riin.

Porém os riin, que não são outros senão os próprios ennox, não desistem. Eles seguem a pista dos aracnoides, porém este povo resiste de uma outra forma à investida. Surge o Macciunensor (também conhecido como Andarilho), um aparelho cujas influências impedem o Movimento Absoluto dos ennox. Assim, o problema riin parece estar resolvido para os arcoana.

Na Via Láctea surge uma segunda Zona da Morte, com 5.000 anos-luz de diâmetro e cujo centro localiza-se no sistema Árcon. Os galáticos sob comando de Perry Rhodan conseguem localizar a posição do mundo natal dos ennox, apesar da grande resistência deste misterioso povo.

No planeta Mystery no sistema Enno, os terranos descobrem que os ennox são na realidade seres de energia que assumiram a forma corpórea. Sua capacidade de Movimento Absoluto é permitida pelo Órgão Andarilho (ou Rede Solar-Psi), que tem capacidade para seis ou sete saltos, necessitando ser recarregado em seguida. Este órgão só pode ser recarregado em Mystery. Os ennox, que chamam a si próprios de veego, trabalham num gigantesco modelo do universo em seu mundo natal. No céu noturno do planeta são visíveis constelações desconhecidas, sendo isto uma parte do trabalho de mapeamento de todo o universo.

Durante suas pesquisas, eles descobriram uma região do cosmos na qual o Movimento Absoluto não existe. Este foi o motivo de seus contatos com os arcoana, pois o grande conhecimento possuído por eles em assuntos 5-D parecia ser capaz de resolver este problema.

Na Via Láctea, a situação política começa a deteriorar-se, com o início da expansão do Novo Império de Árcon e as crescentes ações terroristas dos aconenses e de seus grupos terroristas Flecha Azul e Serpente Azul. Yart Fulgen, o chefe dos Comandos Anti-Terror (ATK) da GAFIF, tenta controlar a situação.

Nos últimos meses do ano 1201 NCG mais problemas são resolvidos. O modelo do cosmos construído pelos ennox (também chamados de Cartógrafos do Universo) está ligado à Terceira Pergunta Fundamental. Philip recebe um ativador celular, e os ennox juntam-se aos galáticos.

Também o enigma das duas Zonas da Morte é solucionado. O Hiperespaço-Parese foi provocado pelo trabalho do Macciunensor. Com seu desligamento na galáxia NGC 6503 (Aamelonga), a situação normaliza-se na Via Láctea.

Gucky finalmente encontra os dois seres que devem receber os ativadores celulares reservados por “Aquilo”. Eles são Nadja e Mila Vandemar, duas gêmeas nascidas em 28 de janeiro de 1171 NCG no planeta Zwottertracht, sendo filhas do vincraner Spyke e de Saira Vandemar. Quando Nadja distancia-se mais de um quilômetro de Mila, esta perde o contato com a realidade, e consegue “ver através do espelho”. Elas também são imunes contra qualquer tipo de influência hipnótica.

Em Peregrino, Gucky recebe de Ernst Ellert a informação de que “Aquilo” não está mais em Peregrino, encontrando-se numa importante missão.

Philip diz a Rhodan que no Setor Coma Berenices, situado a grande distância da Via Láctea, localiza-se o Grande Enigma do Universo, que é tão importante quanto a Terceira Pergunta Fundamental.

Perry Rhodan está fascinado com a ideia de começar uma expedição a Coma Berenices, mas não consegue apoio no Galaktikum, devido ao grande custo da reconstrução dos inúmeros mundos afetados pela recente crise. Ele também não tem esperanças de que a Organização Hanseática ou a LFT darão sinal verde para a expedição, que deve ser feita com a BASE como nave portadora. Contudo, na órbita de Olimpo, toda a tripulação da nave se reúne e faz os preparativos para iniciar a viagem. Quase todos os portadores de ativador celular acompanham a expedição. Somente Adams, Tifflor, Tekener e Dao-Lin-H’ay retornam para o Grupo Local.

A partida da BASE é marcada para 1º de agosto de 1202 NCG, e ela deverá ser acompanhada pelas seguintes naves: a FORNAX, a ODIN, a ATLÂNTIDA, as naves halutenses HALUTA, CLERM, TRAYM e FORN, a nave triangular de Paunaro. No fim de julho, o arcoana Colounshaba, para a surpresa de todos, chega ao Sistema Solar e pede para acompanhar a expedição. Também dois Fundadores da Paz dos linguiden vão a bordo da BASE.

Poucos dias antes da partida, o ennox Philip surge e dá a Rhodan as coordenadas de um pulsar localizado no Grande Vazio. A BASE deve estar em suas proximidades no ano 1206 NCG, quando Philip deverá encontrar-se com ela.

No dia determinado para o início da expedição, a BASE parte de Olimpo. O voo deve durar três anos e meio, se não ocorrerem maiores problemas.

Veja abaixo os detalhes em nossos resumos!

Não há artigos nesta categoria. Se há subcategorias mostradas nesta página, elas podem conter artigos.

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.