PR1408 - Uma Gota na Eternidade

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

c1408

"Eles vivem no mundo das trevas – e pertencem à 18ª geração"

Ciclo: Os Cantaros (21º)

Título Original: Ein Tropfen Ewigkeit

Autor:Ernst Vlcek

Dirceu Alvir Rudnick

Revisor: Projeto Traduções: Marcos Roberto Inácio Silva

Artista da capa alemã: Johnny Bruck

Conversão da capa brasileira: José Antonio

Publicação na Alemanha: 16/08/1988

Publicação no Brasil: Agosto/2014

Época: Maio de 1143 NCG (4730 d.C)

Personagens principais: Julian Tifflor, Bolder Dahn, Crude, Nim, Monka, Vuin.

Curiosidades:

Visão Geral

Resumo

Crude correu pelo túnel da morte, mantendo o pequeno pacote pressionado aquecido. Ele tinha conseguido roubar uma criança da câmara da morte antes de chegar a agulha. Sua esposa Nim e ele queriam um filho há muito tempo. Seus pedidos de reprodução foram sempre rejeitados. Mesmo depois que o regulador tinha vindo e esterilizado Nim, seu desejo de ter o próprio filho acabou – só crescera. Agora era a hora, O pequeno ser foi chamado de Bomaz. Mas ele tinha calculado mal, o regulador estava em seus calcanhares, embora ele tenha se refugiado profundamente na Zona da Morte. Apenas uma casca fina o separava do vazio.

O regulador chegou mais e mais perto. Crude tinha escondido Bomaz em um nicho do túnel escuro, esperando que o pequeno ficasse calado. De repente, ele sentiu o duro cano de uma arma nas costas, o regulador tinha rastejado silenciosamente até ele. Crude tinha ouvido dizer que os agentes de segurança especiais tinham trajes com os quais podiam se proteger perfeitamente e também podiam ver no escuro. Quando o regulador acionou sua lâmpada, procurando Bomaz, Crude interveio. Sua mão bateu no capacete do opressor, no pescoço. O regulador virou com um gemido, sua cabeça oscilou sem apoio sobre o pescoço.

Crude primeiro acalmou a criança, aquecendo-o contra o frio cortante que prevalecia na zona exterior. Ele sabia o que tinha que ser feito. Despiu o regulador e escondeu seu corpo. Crude vestiu o traje do regulador, sob a proteção da viseira do capacete ele não precisava se esgueirar através do gueto, mas poderia subir oficialmente em seu caminho.

*

Monka se vestiu com cuidadosamente. De manhã, aquele ritual era sua preparação meditativa para o dia de trabalho. Ele entrou em seu uniforme e fechou todos os fechos, verificado o conteúdo dos sacos e colocando no seu cinto. Tudo estava em seu lugar. Por fim, ele colocou o capacete e ligou o cabo na bateria. Para seus dois colegas, Carol e Dirng, provavelmente era uma rotina entediante, mas Monka dava muita importância que equipamento funcionasse.

Ele ligou as funções de capacete. A visão virtual dentro da viseira do capacete mostrou seus arredores, catalogadas por números, letras e colunas. Não havia nada em seu ambiente que não tenha sido localizado e discriminadas por dados. Ele ainda era capaz de ver através das paredes, ele era capaz de localizar fontes de baixa temperatura de energia através de paredes, se não tivessem isolamento especial. Não que isso houvesse um isolamento térmico notável em sua área de trabalho. A Zona da Morte, o terreno em que os invisíveis vegetavam, não tinha isolamento e na paisagem do inverno, lá viviam 1.777 párias, apenas as cabines residenciais, os poucos lugares miseráveis de entretenimento e o feio edifício de escritórios com o escritório de registro e o departamento de reabilitação foram protegidos termicamente. Só a terra do sol, o distrito interior em que viviam os 777 cidadãos, tinha alguma proteção que pudesse interferir com a localização de seus sensíveis sensores.

Ele entrou em seu escritório. Havia três postos de trabalho, um para cada regulador. Os cidadãos e párias pensam que há, pelo menos, duas dúzias de reguladores. Somente a Mãe de Todos e seus onze conselheiros sabiam sua identidade. Monka sentou-se em seu terminal e verificou sua caixa de entrada. Ela continha o trabalho mais interessante de sua vida. Dirng foi privado de seu escritório. Monka tinha a missão de eliminar o seu colega e assumir todas as suas missões pendentes.

Como Dirng perdeu o emprego, todos os links de comunicação dele foram transferidos para Monka. A linha que era usada geralmente por informantes chamou. Uma voz feminina anunciou-se exigindo o cumprimento do contrato por Dirng, ela sabia que Dirng teria sido bem-sucedido, e ela queria ter seu pacote. Monka virou-se rapidamente, Dirng foi obviamente envolvido em negócios complementares escusos. Houve complicações, ele respondeu à desconhecida que teria que definir um novo local de troca. A mulher concordou em encontrá-lo à noite na rampa da expiação, onde ele a reconheceria pelo perfume Seyna.

Monka verificou o registro de chamadas. A chamada veio do distrito mais interno. O interlocutor era, portanto, uma das cem superiores, cujo privilégio autorizava a permanecer anônimo. Quando ele passou os últimos dias de registros, ele descobriu na mensagem 'exposto à morte', a nota 'criança desconhecida roubada da câmara de morte'. Ele seguiu a atividade recente de Dirng, seu colega tinha levado uma criança ilegal até a câmara de morte, deixou ser registrado, então, voltou de forma anônima e havia roubado a criança antes que ela pudesse ser morta. Depois disso, ele havia descoberto oficialmente o fato e partiu em busca do ladrão.

Enquanto isso, oito dias se passaram, nos quais Dirng não tinha aceitado nenhuma ordem e não havia voltado ao escritório. Levou uma hora, então ele encontrou o cadáver de Dirng no túnel frio. Seu traje estava ao lado do cadáver. Monka tinha uma boa ideia da sequência de eventos. Um pária qualquer dos guetos havia terminado com a vida de Dirng e fez uma série de consumos com o seu crédito. Ele levou o cadáver para a câmara da morte e deixou-o para o robô de autópsias.

Monka estava em trajes civis ao pé da rampa de expiação e esperou pelo interlocutor desconhecido. Enquanto passava, ele olhou para os robôs em ambos os lados da rampa, fingindo que se preparava para a sua confissão diante de Illu. Pelo canto do olho, viu uma grande mulher em um casaco com capuz subindo a rampa. Quando ela passou por ele, pôde sentir o cheiro do perfume da flor Seyna. A alguma distância, ele seguiu até a cabine de confissão. Não se tratava de confronto. Ele, obviamente, não era o que ela esperava. O nome dela era Anrina, e ela era uma prima de primeiro grau da Mãe de Todos Illu, e, assim, a segunda mulher mais poderosa do mundo. Anrina fez um contrato com Dirng para levar seu próprio filho a câmara da morte, a fim de registrá-lo, porque Illu nunca permitiria que sua prima tivesse um possível herdeiro do trono. Depois de registrá-lo, Dirng deveria roubar a criança de volta antes que ela fosse morta. Foran neste momento, como previra, que o pária havia matado Dirng.

*

Menos de 24 horas se passaram desde o funeral de Waringer. Foi realizada uma reunião na CIMARRON. Houve a distribuição de tarefas. A velocidade com que as informações eram recolhidas tinha que ser aumentada. Decidiu-se não realizar, até nova ordem, mais tentativas de penetrar na Via Láctea. Eles nomearam como Fênix-1 um ponto 185 anos-luz de Satrang como um ponto de encontro fixo para a frota. Perry Rhodan com a CIMARRON investigaria a situação em M30 e pediria ajuda aos porleyters. A SORONG seguiria curso para a Grande Nuvem de Magalhães e se encontraria no mundo de livre comércio dos gurrados, Ayshran-Ho, com a CIMARRON. A PERSEU finalmente foi para Ponto Siragusa para ver o que tinha acontecido com a base Hanseática no buraco negro.

*

Monka tinha verificado todos os passos que o assassino de Dirng tinha tomado com o traje de regulador. Ele também determinou o lugar onde o estranho tinha parado a maior parte do tempo. Então, ele tinha tropeçado em Crude e Nim – anteriormente abastados cidadãos que tinham sido rebaixados porque a mulher tinha tendências rebeldes. Monka disfarçou-se como pária e mudou-se para um cubículo no bloco de apartamentos em que os dois moravam. Assim que ele descobrisse onde eles esconderam a criança, ele atacaria.

*

Crude e Nim cuidavam alternadamente do pequeno Bomaz em seu esconderijo. Eles tinham que ser ainda mais cuidadoso agora, já que o novo vizinho havia se mudado. Crude não confiava nele. Quando ele foi convidado por Monka na sala de bomba, ele foi com relutância. Então Monka tentou embebedá-lo.

*

Quando Monka deixa o bar com Crude, o derruba em um túnel escuro. Ele vai até o apartamento de Crude e Nim e tenta a batida secreta, que ele tinha ouvido. Quando ninguém responde, Monka força a entrada na habitação. O apartamento estava vazio. A criança não estava ali. Quando ele sai do apartamento vê Crude, o mesmo rasteja para a parede oposta, através de uma abertura secreta. Crude mal tinha desaparecido, Monka subiu atrás dele. Ele encontrou os dois em uma pequena área. Quando ele perguntou pela criança, Nim ameaçou matar o pequeno.

Monka foi pego em um dilema. Se ele não levasse a criança viva para Anrina, sua vida estaria acabada. Mesmo que ele obtivesse sucesso em oprimir os dois para não serem capazes de fazer mal ao pequeno, não tinha certeza de que ele sobreviveria ao próximo encontro com a prima da Mãe de Todos. Se Anrina não o matasse, então certamente a Mãe de Todos o faria, porque ele havia participado de uma conspiração contra ela. Só havia uma solução, ele teria que se juntar ao homem invisível, que vivia na Zona da Morte, com Crude e Nim.

*

A PERSEU chegou ao ponto Siragusa em 18 de maio de 1143 NCG. Eles descobriram apenas três das anteriormente oito estações. Estas tinham irregularidades, o que se poderia supor destruições em grande escala. Julian Tifflor deu ordem para que fossem enviadas equipes de reconhecimento aos três destroços. O rendimento foi baixo. Eles encontraram uma boneca de brinquedo cantaro que foi feita em 480 NCG, e uma gravação privada de um membro da tripulação. Depois que as estações de Siragusa foram desocupadas em 24 de Agosto de 448 NCG, havia kartanins por perto. A localização da PERSEU tinha descoberto uma bala perdida. Um asteroide com um diâmetro de 30 quilômetros, a vinte e um anos anos-luz do buraco negro em direção à Pequena Nuvem de Magalhães.

Tifflor voou para o pedaço de destroços junto com Fellmer Lloyd e Ras Tschubai em um Space-Jet. Quando eles orbitaram o bloco, Tifflor sabia o que ele estava vendo. Era a parte da frente da NARGA SANT, cerca de um quinto do navio gigante, com o qual os kartanins e os seus povos irmãos vieram uma vez de Tarkan à procura de ESTARTU. A tentativa de usar o buraco negro de Siragusa para atingir a Via Láctea havia partido a nave.

Quando eles entraram no pedaço de destroços, eles encontraram condições terríveis. Na falta de recursos, tinha sido desenvolvida uma ditadura orientada para administração dos recursos, que fez alguns viverem no luxo, enquanto a massa dos descendentes dos sobreviventes passava fome. Quando os galácticos obtiveram acesso ao armazenamento de dados ainda existente, eles aprendem que os kartanins queriam entrar na Via Láctea para ajudar os povos ameaçados pelos cantaros. A bordo da NARGA SANT havia originalmente um milhão de kartanins e muitos robôs de Ctl. Como não conseguiram penetrar a barreira ao redor da Via Láctea, eles tentaram penetrar na galáxia através do buraco negro de Siragusa. Isto levou ao desastre. O que tinha acontecido com o resto da gigantesca nave permanecia desconhecido. Os registros também mostraram que as estações de pesquisa do buraco negro foram explodidas pelas tripulações, depois que elas as abandonou.

Foram transferidos da PERSEU tantos suprimentos quanto possível e prometeram enviar mais ajuda. Em seguida, a PERSEU partiu para Fênix-1.

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir Email

Você não tem permissão para comentar. Faça seu login no site ou se registre, caso não tenha um login no site.

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.