Atlan 18 - Caça no Hiperespaço

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Atlan18capa(138)

Transição para o hiperespaço – o Príncipe de Cristal procura pela sua consciência duplicada e em fuga.

Título Original: Jagd im Hyperraum

Autor: Clark Darlton

Tradutor: Augustus César

Revisor: Marcos Roberto

Artista da capa alemã: Johnny Bruck

Publicação na Alemanha: 27/05/1974

Publicação no Brasil: Novembro/2013

Época: 10.497 da Ark (8023 aC)

Local da ação: Tsopan, Sketan

Personagens principais: Atlan da Gonozal, Fartuloon, Skagos, Lateran

Resumo

O cientista skine Skagos tem a tarefa de devolver a cópia da consciência do Príncipe de Cristal Atlan para a unidade de armazenamento. A cópia colocou um técnico sob seu controle e fugiu pelo corredor das portas do mundo para os mundos superiores. Atlan deve seguir sua cópia da consciência. O Príncipe de Cristal requer seu pai adotivo e mentor Fartuloon para acompanhá-lo.

Skagos concorda e permite levá-lo ao salão, com o transmissor fictício, de bordo da POLVPRON. Como equipamento, os dois homens tem um tradutor, um pequeno rádio normal e duas armas energéticas manuais. Os amigos entram em um dos tubos de funil do teto abobadado. Skagos ativa o sistema de transporte. Atlan acredita sentir um leve choque elétrico. A área desaparece gradualmente como em um banco de névoa. Instantaneamente o arcônida é puxado para cima e se desmaterializou. Sobre este mundo, portões mantém o contato dos skines com os mundos superiores que são aparentemente incorporados no hiperespaço.

Fartuloon e Atlan se encontram em uma estação de cúpula de novo, suspenso no teto de um dos tubos de funil. Eles chegam a Sketan e são recebidos por Lateran. Na frente deles, chegou um chefe de estação skine desconhecido, que afirmou ter de atender a um grande contrato de investigação e saiu da estação imediatamente.

Os dois rebeldes contra o imperador Orbanaschol III (atualmente eles estão muito longe de sua revolta, que ainda nem começou realmente) continuam a perseguição. Lateran, também aponta para os insetoides brons, que são considerados a curiosidade intelectual e provavelmente do universo vermelho.

Os dois amigos estão a caminho. Eles são forçados a atravessar um rio, mas feito de pedras do tamanho de punhos coloridos em vez de água. Em uma ilha no meio deste estranho rio, Atlan encontra a pegada de um skine em uma gamela cheia de terra.

Na margem oposta Atlan encontra um bron. O Príncipe de Cristal fala com o ser. Do tradutor, entretanto, sem apenas sons, que soam como "druuf" ou "druffe." A forma do bron começa a diluir-se e acaba por desaparecer completamente. Estas desmaterializações não são, aparentemente, nenhum processo deliberado.

Enquanto descansava novamente um bron aparece, solta o enigmático "druuf-druuf" e ataca os dois homens. Fartuloon dispara a arma para a criatura que desmaterializado instantaneamente.

Quando a noite cai, acenderam um fogo que evita os brons e os mantem a uma distância respeitosa. Assim, os dois amigos passam uma noite relativamente calma.

Na manhã seguinte, eles encontram vestígios do skine fugidio. Atlan e Fartuloon saciam a sua sede em um córrego que leva a água normal, e satisfazem sua fome com frutas da floresta próxima. Logo, eles se deparam com uma cidade em ruínas, que foi construída pelos brons. Na azáfama da cidade, os brons podem se materializar e eles se apressam nas casas e executam trabalhos de manutenção.

No centro da vila, eles se deparam com um poço antigravitacional, o que leva para as profundezas. Lá, máquinas formidáveis parecem estar funcionando. Em uma das passagens eles se deparam com o skine. Mas ele escapa em um dos numerosos corredores laterais. Fartuloon e Atlan, portanto, dedicam-se ao estudo das plantas.

Eles chegam em uma sala circular em que brons materialmente consistentes controlam longas filas de blocos de máquinas, agregados e enormes painéis de controle. Nesta sala há brons que conseguem se manter materialmente estável e não vagam, como de costume em torno de pouco tempo em Sketan.

Mas isso também significa um grande perigo para os dois homens. Dois brons abordam despercebidos até eles e desarmam os homens. No interrogatório seguinte, os acusam de querem roubar a rainha por nascer dos brons. Atlan assegura que querem apenas pegar o skine. Os brons desejam procurar o skine, mas mantém os homens ainda sob custódia. Eles devem verificar vários dispositivos para o funcionamento correto. Os brons estão trabalhando em projetores portáteis para produzir campos de materialização. Fartuloon e Atlan e para auxiliar na miniaturização dos dispositivos.

Os dois homens fogem de seus quartos e pegam um dos projetores pesados. Eles pegam seus dois radiadores, que são mantidos em uma caixa desobstruída. Atlan e Fartuloon deixam a sala e, assim, a influência dos campos de materialização. Eles voltam para a superfície do planeta. Os rastros do skine também saem da estação.

Um bron, que usa um projetor direcional focado para si mesmo e, portanto, continua a ser o materialmente estável, vem até os amigos para conversar. Ele aos acusa de quebrar a palavra e pede-lhes para segui-lo de volta para a estação. Irritado Atlan e Fartuloon rejeitam. O cirurgião atira no bron, que deixa cair o projetor e se desmaterializa.

No caminho de volta para a base dos skines vem a Fartuloon a ideia de por que os brons estão tão ansiosos para que eles não entrem na floresta perto da pedra do rio. Ele suspeita que ali o ovo com a rainha em gestação é mantido.

Aproximadamente a trinta metros da base dos skines, eles encontram o fugitivo desmaiado. Ele é investigado. Mas Atlan encontra apenas uma única consciência, a do skine. A cópia de Atlan não existe mais. O Príncipe de Cristal se lembra de uma citação de Skagos de que alguém paralisado não pode ser assumido por uma consciência estranha. Todos os skines da base também são paralisados por Fartuloon e Atlan, que realiza as investigações necessárias. A cópia da consciência permanece desaparecida.

Fartuloon cria um plano para obter a posse do ovo da rainha, a fim de ter um meio de pressão contra o brons na mão para que o bron suspeito de ser o portador da cópia da consciência seja entregue a Atlan.

Mas, na floresta, os brons provam não serem cooperativos. Com os seus projetores, eles permanecem estáveis e atacam Atlan e Fartuloon. O ataque pode ser repelido.

Os dois homens chegam à conclusão de que o ovo não está sujeita às leis do hiperespaço e, portanto, o ovo não se encontra em qualquer lugar na floresta estabilizada de Sketan, mas em algum lugar da estação subterrânea na cidade dos brons.

No caminho para a estação, os amigos chegam a entendimento sobre os seres insetos. Aqui parece haver um campo de estabilização natural. Sob o manto da escuridão Atlan e Fartuloon penetram no assentamento. Em uma praça iluminada por projetores luminosos, fica um edifício guardado por brons armados. Os guardas são paralisados. Na construção os companheiros encontram um ovo marrom, com cerca de 50 centímetros, o grande ovo da rainha. Tão rápido quanto é possível Atlan e Fartuloon saem com o ovo do edifício e também do assentamento. Atlan exige a extradição do bron, que está sendo o portador de sua consciência. Em troca, o ovo sagrado será devolvido aos insetos.

Enquanto Fartuloon permanece com o ovo, Atlan é acompanhado por brons no assentamento. Um bron após o outro está sendo investigado pelo arcônida. Atlan descobre este bron e o leva para Fartuloon. O bron é envolvido com a radiação de um campo de imobilização energético, de modo que a consciência não pode escapar. No entanto, ele assume a rainha por nascer. O ovo é envolto por um campo de imobilização. Agora só resta fugir dos brons se aproximando, fortemente armados.

Os homens chegam a base dos skines. Lateran faz uma ligação de rádio para Tsopan.

Atlan, Fartuloon e o ovo da rainha são recebidos em Tsopan por Skagos. A casca do ovo se parte e a jovem rainha bron desliza. Skagos pega o radiador e desliga o campo de imobilização. Atlan arrebata a arma do skine e a joga a aproximadamente um metro longe, o bron liga o campo energético. Mas é tarde demais. A cópia de consciência já foi à procura de um novo portador e optou por um dos sete skines presentes. Este ativa rapidamente um dos funis, realizando uma operação de transporte e indo para um dos mundos superiores. A jovem rainha dos brons é devolvida ao seu povo.

Depois de uma pausa necessária, Atlan e Fartuloon seguem a cópia da consciência para um novo mundo.

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir