Atlan 23 - O Bárbaro Misterioso

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Atlan23capa(148)

O Príncipe de Cristal e Rá – lutando contra as armadilhas de um mundo ermo

Título Original: Der geheimnisvolle Barbar

Autor: Peter Terrid

Tradutor: Delgado

Revisor: Marcos Roberto

Artista da capa alemã: Johnny Bruck

Publicação na Alemanha: 05/08/1974

Publicação no Brasil: Agosto/2014

Época: 29 Prikur a 5 Coroma de 10.497 da Ark (8.023 aC)

Local da ação: Xiros

Personagens principais: Atlan da Gonozal, Rá, Fartuloon, Corpkor, Eiskralle, Sarn Lartog, Ipraha, Grahn Tionte

 

Resumo

A bordo da KARRETON os dois tenentes, Sarn Lartog e Ipraha experimentam para escapar do tanque de suporte vazio, no qual toda a equipe de 43 tripulantes foi presa pelos rebeldes de Kraumon. Os dois homens manipulam um projetor que normalmente emite um campo de compressão que comprime a massa de apoio e seu volume é comprimido. O projetor destrói a estrutura da parede do tanque por uma fracção de segundo. Um jato de chamas sai dele e queima o cabelo de Grahn Tionte. O comandante vaidoso corre contra Sarn Lartog e choca-se contra a parede do tanque de suporte vazio. Conforme planejado, a parede cede. Tionte cai no corredor quatro metros abaixo, coberto com cerca de 60 kg de pó de metal altamente comprimido.

Na central de comando, Eiskralle suspeita ouvir ruídos estranhos. Um exame pelo vídeo mostra que os animais de Corpkor foram mortos em suas celas. Como causa do massacre, só a tripulação cativa da KARRETON entra em questão. Dois homens foram vítimas dos animais.

Corpkor distribui paralisadores. Rá também recebe uma arma cuja operação não é um problema para ele. Fartuloon tenta chegar ao centro de controle de reserva da KARRETON enquanto Atlan, Corpkor, Eiskralle e Rá arranjam-se para defender o centro de comando. Num primeiro momento, é possível eliminar seis dos invasores. De repente, Rá coloca sua arma de lado e mexe na tampa dos postos de controle o acionando. Fartuloon se anuncia. Ele é assediado pela antiga tripulação da KARRETON. Conhecedor, Rá manipula e demonstra conhecimento sobre os inúmeros cabos e controladores. Ele conecta o regulador do campo do poço antigravitacional ao aparelho de rádio. Quando os homens aparecem no poço, eles são agitados no ritmo dos sinais de rádio.

Grahn Tionte lança um ataque contra a central de comando. Bombas de gás são colocadas em ação e causam um efeito eufórico, no entanto, não só os para os defensores, mas também para os atacantes. Os reatores da usina da espaçonave começam a ficar fora de controle. Com presença de espírito, um tenente dispara o alarme. Atlan ativa o climatizador, de modo a extrair o gás. Ao mesmo tempo ele redireciona o excesso de energia para os motores. A KARRETON acelera com valores insanos. Só então ele envia energia para os reatores neutralizadores de pressão. Os membros da tripulação ainda capazes assumem as estações na central de comando e tentam estabilizar a espaçonave. Mas a situação torna-se cada vez mais ameaçadora. Com uma curta transição, os homens tentam se livrar do excesso de energia dos reatores.

Os danos à KARRETON podem ser resolvidos apenas num planeta. Para evitar que a radiocomunicação, Eiskralle pega um componente importante do transformador de impulsos do aparelho de rádio, por si só. A tripulação original e os rebeldes de Atlan não têm escolha senão cooperar. O desembarque no único planeta de um sol vermelho pálido insignificante é preparado. O planeta está envolto por uma atmosfera fina, mas ainda respirável. A gravidade é de 0,6 gravo, as temperaturas médias são determinadas a 17 graus. Na aterrissagem, descobre-se que o reator que explodiu lançou radiação radioativa, que tornou a comida e água improprias para o consumo.

Pouco antes da aterrissagem na superfície do planeta, os propulsores antigravitacionais falham. Três colunas de pouso não resistem ao violento impacto, e a KARRETON começa a inclinar. A fuselagem bate no chão e amassa. Buracos são rasgados no costado, bicos motores ficam pendurados em fios na protuberância anelar. Um monte de trabalho para os homens no futuro.

Rá sai em busca de água e logo encontra uma fonte. Pouco tempo depois, ele retorna com um animal caçado de volta para o local de pouso. Ao preparar a caça sobre um fogo aberto, o Bárbaro manuseia habilmente com seu machado de mão. Enquanto a carne é assada, Rá começa um canto tristemente sonoro. Até agora, ele só havia se comunicado por gestos de braços e resmungos.

Os trabalhos sobre a KARRETON continuam em ritmo acelerado, apesar da fina atmosfera. Os projetores antigravitacionais em breve estarão de volta em boas condições de funcionamento, e a KARRETON pode ser erguida. Novas colunas de pouso puderam ser instaladas. Fartuloon se dá conta de que Rá entende como lidar habilmente com seu machado de mão, encontra perfeitamente um regulador de pressão ausente no caos do armazém e pode facilmente localizar e integrá-los com certeza instintiva e rapidez nas colunas de pouso, como se o Bárbaro realiza-se esta atividade todos os dias.

O dia da partida se aproxima. Sarn Lartog e Ipraha fazem contato com Grahn Tionte a apresentam o seu plano para despistar Atlan e seus amigos. Eles pegaram um decodificador, que liga o depósito de mapas com a positrônica. Assim, a KARRETON ficará desorientada. Junto com seis homens, os dois tenentes deixaram a espaçonave e escondem-se bem longe na paisagem desértica. Eles esperam que Atlan os seguirá, para assim, terem sucesso em dominar os rebeldes restantes a bordo e partir com a espaçonave.

Atlan é realmente forçado a seguir os oito homens. Uma vez que os planadores foram inutilizados, deve fazê-lo a pé. Rá o acompanhou e prova ser um excelente rastreador. Os dois homens têm que procurar proteção contra uma tempestade de areia se aproximando. Lá, Rá queima rapidamente com o desintegrador uma cavidade precisa nas rochas, onde Atlan e o Bárbaro se protegem. Ele lida de forma extremamente hábil com armas. Atlan já suspeita que Rá pode recuperar informações, quando necessário, o que pode ser derivado a partir do conhecimento de seu povo. O uso de equipamentos sanitários a bordo da KARRETON, por exemplo, Atlan precisa explicar. Com sistemas complexos, no entanto, Rá entende como lidar excelentemente.

As dunas de areia ameaçam enterrar os dois homens. Rá utiliza o radiador de impulsos. O redemoinho resultando varre os grãos de areia para distante. Atlan segue o exemplo do bárbaro. Quando a tempestade finalmente acaba, eles continuam sua busca por Sarn Lartog.

Dschebe Noion, um pássaro de Corpkor, pousa na frente das pernas dos homens e traz uma mensagem de Corpkor. O pássaro se destina a servir como um mensageiro. O treinador de animais consegue com sucesso levar Dschebe Noion a ajudar na busca por Lartog pelo ar. A ave leva Atlan e Rá novamente mais para perto de Lartog. Eles entram em um vale de floresta. Em uma clareira coberta de areia, jorra uma fonte. Atlan se aproxima da fonte e começa a afundar na areia movediça. Rá dá a ele uma corda trançada a mão e puxa o Príncipe de Cristal lentamente da armadilha mortal. Rá apoia os esforços de Atlan com os movimentos de natação. A corda enrolada em volta do braço o fere profundamente em sua carne. Usando as últimas forças, Atlan é libertado.

Dschebe Noion observou os eventos principalmente a partir do ar e voltou para a KARRETON. Ele leva a Corpkor a notícia da suspeita de morte de Atlan. Os companheiros estão consternados. A tripulação da KARRETON ouvia pelo intercomunicador e ataca violentamente a central de comando. Fartuloon, Corpkor e Eiskralle são presos e amarrados em suas cabines. Grahn Tionte retoma o comando sobre a sua espaçonave.

Atlan e Rá chegam ao acampamento de Lartog. Apenas dois homens permanecem com ele. Com Rá dando cobertura com sua arma, Atlan examinou os três homens. Em Sarn Lartog ele encontra o decodificador insubstituível. Agora começa o árduo retiro para a KARRETON. Uma vez lá, eles descobrem que Grahn Tionte é novamente o comandante da espaçonave. Rá paralisa Ipraha, Lartog e o terceiro homem da tripulação, agarra o decodificador consigo e foge da espaçonave. Tionte envia seus homens atrás do bárbaro. Atlan aproveita a oportunidade e foge através de uma eclusa aberta para bordo da KARRETON. Ele dominou o guarda de Eiskralle antes e libertou seu amigo. Também Corpkor e Fartuloon em breve são libertos de suas algemas. Na central de comando, uns poucos homens observam como Rá é rastreado. Surpreso, Tionte e seus homens podem ser dominados sem resistência. Fartuloon chama Rá de volta nos alto-falantes externos a bordo. O decodificador é instalado no depósito de mapas. Mas nada se move. Após a montagem e desmontagem repetidamente do dispositivo, Atlan verifica surpreso que uma pequena placa de circuito com os controles está ausente. O Príncipe de Cristal pede ao tenente Lartog para vir na central de comando. Ele entra sorrindo superior na sala de comando.

Toda a persuasão e até mesmo o uso da força bruta por Rá não podem persuadir Lartog a dizer onde está a parte que falta. Apenas quando eles se oferecem para reparar uma das naves auxiliares para o tenente, Lartog devolve a plaqueta. Mas o depósito de mapas não desperta novamente à vida. Atordoado Lartog olha para as telas pretas. Com esse resultado, ele não contava.

Tionte e seus homens deixam a KARRETON. Um aparelho de rádio, uma nave auxiliar e alguns robôs são deixados para eles. Também Lartog e Ipraha estão entre eles.

Atlan e seus três amigos partem com a KARRETON. Com dificuldade, a espaçonave decola do solo. De vez em quando os propulsores falham. Com movimentos ondulantes violentos a espaçonave alcançado depois de 30 minutos a uma altura de dois quilômetros. Como o propulsor funciona corretamente por alguns minutos, a KARRETON alcança o espaço sideral.

Atlan programa um curso sem um deposito de mapas, usando as coordenadas astronômicas. Os geradores de salto não exatamente operacionais começam a rasgar a espaçonave no hiperespaço. O descarregamento e a rematerialização são tão poderosos que mesmo Rá é afetado. O monitor panorâmico mostra um sol branco-azulado sem planetas, que realmente não havia sido escolhido por Atlan como alvo.

Eiskralle localiza um cruzador medindo 500 metros, uma típica nave esférica arcônida com protuberância anelar. A espaçonave voava sem propulsão em alta velocidade através do espaço. A KARRETON adapta a sua velocidade com a da espaçonave desconhecida. Alta rastreia altas doses de radioatividade. Com um desintegrador, Eiskralle abre um buraco na fuselagem, por onde Atlan penetra na desconhecida espaçonave arcônida. No caminho para a estação de controle, ele encontra seguidamente corpos de arcônidas. Atlan sucede em ligar um reator, que fornece energia para os projetores gravitacionais e de iluminação. No centro de comando da espaçonave de carga, ele encontra o depósito de mapas e o decodificador que está faltando na KARRETON. Ele pega a parte mais importante, e abandona da forma mais rápida possível a mortal espaçonave radioativa. A KARRETON fica longe do cargueiro, que desaparece com a explosão do reator reativado.

Depois de instalar o cartão decodificador capturado, o depósito de mapas da KARRETON funciona perfeitamente. Completamente amigável, Rá dança gargalhando através da central de comando. Os amigos estão subitamente de volta no jogo.

Nota: No livro o local de ação Xiros não é mencionado.

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir