PR0103 - O Monstro de Plasma

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

PRBR 0103

Mais alguns meses e todo o Império Solar seria dizimado...

Título Original: Das Plasma-Ungeheuer

Autor: Kurt Brand

Tradutor: Richard Paul Neto

Artista da capa alemã: Johnny Bruck

Publicação na Alemanha: 23/08/1963

Publicação no Brasil: 1978

Época: 2102

Local da ação: Beteigeuze, Terra

Personagens principais: Perry Rhodan, tenente Harald Fitzgerald, Walt Ballin, Jeff Garibaldi, Vu-Pooh, Reginald Bull, Gucky

Resumo

Na Terra, em junho do ano 2102, Perry Rhodan e Allan D. Mercant discutem se devem ou não informar a população terrana sobre o perigo representado pelos aconenses. Rhodan decide encontrar-se com Walt Ballin, colunista da Europa Evening News que tem sido crítico de suas políticas, a fim de discutir algumas questões importantes com ele.

No mesmo instante, na estação retransmissora Ori 12-1818, perto de Betelgeuse, uma espaçonave saltadora a UG-DVI, é inspecionada pela NILO. O sargento Penter (o capitão da NILO) descobre uma tripulação a beira da morte, aparentemente vítimas de um vírus do endurecimento intestinal. A espaçonave-hospital NH III é enviada para ajudar os doentes.

Enquanto isso uma espaçonave desconhecida, a RETSE-U, surge perto de Ori 12-1818 e continua a sua viagem enquanto aparentemente ignorava os terranos. Logo é revelado que a RETSE-U é uma espaçonave aconense e o alerta é dado na Terra. Rhodan ordena que as naves da frota dirijam-se rumo ao sistema Órion e em seguida embarca na DRUSUS acompanhado de Bull e Ballin.

Em Esfinge, capital do Sistema Azul, a RETSE-U decola em direção a Órion. A tripulação é encarregada de criar uma misteriosa estação no 7º planeta do sistema Betelgeuse transportando com ela o “Mal-Sé”. A tripulação, completamente ignorando a aproximação do NH III, desembarca sem incidentes em Betelgeuse VII, cumpre sua missão em 20 minutos e deixa o local sem ser interceptada pela Frota Terrana que chega pouco depois.

Preocupado com a situação, Rhodan decide pousar a DRUSUS em Betelgeuse VII, a fim de estudar a construção estranha deixada pelos aconenses. Ele não percebe que esses mesmos aconenses também observam-no em Betelgeuse VII diretamente de Esfinge. Assim que os robôs de combate aproximam-se por cem metros da construção estranha em Betelgeuse VII, os aconenses enviam Mal-Sé.

Antes da descarga de energia, Rhodan entende que a estrutura aconense em Betelgeuse VII é um transmissor de matéria e ele imediatamente ordena o retorno dos robôs, bem como a destruição da máquina. No entanto, a destruição do transmissor de matéria ocorre tarde demais.

Ao mesmo tempo, Degen, o médico-chefe do NH III, informa a Rhodan que o vírus que contaminou os saltadores foi fabricado na Terra.

Ao estudar os traços de energia emitida pela espaçonave hostil e do transmissor, os terranos descobrem que os aconenses de fato enviaram algo para Betelgeuse VII, mas o quê?

Horas após o retorno da DRUSUS a Terra (depois de uma escala na NH III para recuperar o frasco do vírus, a fim de estudá-lo), uma misteriosa epidemia se espalha por todo o planeta, assim como na Lua. Ninguém é poupado! A NH III é uma vítima da epidemia e Rhodan entende então o que era o “presente” dos aconenses em Betelgeuse VII.

Koatu, um médico do Centro de Pesquisas Antivirais, descobre a natureza da doença aconense: é um monstro de protoplasma (o Mal-Sé para os aconenses) que ataca albumina. A Humanidade tem menos de três meses para encontrar uma cura ou tudo está perdido e até mesmo o Robô-Regente não consegue ajudá-los. Há apenas um aspecto positivo nesta epidemia: o protoplasma curou o vírus do endurecimento intestinal encontrado na espaçonave dos saltadores.

Ballin e Rhodan falam para todos os terranos, dizendo-lhes para não entrar em pânico. Uma corrida contra o tempo começa...

Em Soisy-on-Seine, próximo de Paris, um agente da Defesa Solar, Jeff Garibaldi, descobre que naquela cidade não há vítimas do monstro de protoplasma.

Rhodan vai para Soisy-on-Seine acompanhado de Bull, Ballin, Mercant e os mutantes Gucky, Ras Tschubai e John Marshall. Lá, graças ao poder de Gucky, eles descobrem uma base secreta dos aras que são os responsáveis pelo vírus do endurecimento intestinal e estavam agora se preparando para espalhá-lo por todo o Sistema Solar. Os terranos descobrem o dispositivo pulsador que detém os movimentos do protoplasma e também descobrem um antídoto contra este mesmo protoplasma e o vírus intestinal. A ameaça de aniquilação total é abolida na Terra, e os aras serão julgados em Árcon pelo assassinato dos saltadores.

Quatro meses depois, toda a população foi curada da moléstia, mas Ballin decide não relatar nada aos habitantes da Terra para que eles não revivam aquelas lembranças ruins.

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir