PR-RP20 - Por Árcon!

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

cRP20(396)

"Eles sonham com o antigo império – e querem Atlan como Imperador"

Título Original: Für Arkons Ehre

Autor: Rainer Castor

Tradutor: Eduardo J. C. Carvalho

Revisores: Marcel Vilela de Lima e Marcos Roberto

Artista da capa alemã: Alfred Kelsner

Publicação na Alemanha: Março de 1996

Publicação no Brasil: Abril de 2016

Época: 2420 a 2421, 2425

Local da ação: Sistema Tarlora

Personagens principais: Krystina Ooyen, Conrad Nosinsky, Tako Kakuta, Atlan, Arno Kalup, Wuriu Sengu, Vergor da Tatolos, Kwan da Arthamin, Perry Rhodan, Gucky, Heske Alurin, Big Ben Especial, dra. Ayala D’Antonelli

Relação: Senhores da Galáxia

Resumo

Primeiro volume da trilogia Temur sobre os antigos transmissores solares dos lemurenses na 103 Tamânia. A ação vai continuar com o PR-RP25 – O Poder do Dourado (PR-TB 402) e PR-RP29 – O Esconderijo da Guarda Estelar (PR-TB 411).

A divisão de história da USO está explorando em 2420, no sistema Tarlora, também chamado de sistema Hidra, os legados dos lemurenses. O sistema parece ter sido em grande parte criado artificialmente. Particularmente notável, são seis pseudomundos, com tamanhos solares, que são aparentemente estabilizados por hipercampos. Em circunstâncias misteriosas, o cruzador de pesquisa LEONARDO desaparece sob o comando da plofosense Krystina Ooyen. Ao tentar alcançar o centro de controle das instalações lemurenses por teleportação, o mutante Tako Kakuta é bloqueado, e desencadeia um alarme geral. O planeta 23, Nihoa, envolve-se em um campo defensivo, há ligações de rádio do computador central e diversas instalações começam a trabalhar.

Isto significa que Atlan tem que interromper suas férias. Juntamente com o professor Arno Kalup ele voa com a IMPERADOR II o mais rapidamente possível ao sistema Tarlora. Usando um manto krish’un, que tinha sido capturado dos senhores da galáxia, e usando uma pulseira alfa de comandos, que era dada a todos os Grandes Conselheiros Tam do Império Lemurense, Atlan têm sucesso em ser reconhecido pelo computador central Taraak como um Conselheiro Tam. No entanto, ele deve chegar à central de comando para obter plena autoridade. Para isso, ele está entrando com um pequeno grupo de ação, que consiste principalmente de ertrusianos e também de Arno Kalup, Wuriu Sengu e o Grande Mestre dagor Vergor da Tatolos. Após várias escaramuças com robôs e sistemas de defesa, Atlan é capaz de convencer o computador com a lógica. Através de um transmissor é permitido alcançar a central de comando principal. Atlan descobre a existência da estação de Temur. Esta parece estar em uma nebulosa escura, perto do sistema Tarlora, como uma estação de controle de um transmissor solar de cinco estrelas.

Atlan descobre que a espaçonave LEONARDO e sua tripulação estão na estação e exige a sua libertação. O computador central lhe diz que há também outras espaçonaves aprisionadas. Suas tripulações foram também colocadas na conservação de energia, e isso envolve arcônidas. Atlan reconhece uma imagem do comodoro Kwan da Arthamin e pede ao computador para também despertar os arcônidas. Em seguida, as memórias tomam conta dele sobre os eventos do ano 10.513 da Ark. Ele revive as batalhas da Guerra do Metano mentalmente, incluindo uma batalha na qual Kwan da Arthamin foi engolida com partes de sua frota por um transmissor solar.

Atlan deixa os campos defensivos dos sistemas lemurenses desativados e envia a LEONARDO através de um transmissor de situação para informar a IMPERADOR II sobre os desenvolvimentos e para pedir à aterrissagem em Nihoa. Em seguida, ele dirige-se, com um outro transmissor, para a central de comando de Taraak, a fim de obter o reconhecimento final de alto escalão.

Enquanto isso, Perry Rhodan voa com o CREST III para o sistema Tarlora. Gucky decide ir até Atlan, por conta própria, através da teleportação. Isto provoca uma imediata reação defensiva de Taraak, que revoga os direitos de herança de Atlan. Os dois conseguem no último segundo, retornar a IMPERADOR II por teleportação. No entanto, são atacados simultaneamente pelas armas da base. Uma vez que a nave pousou em Nihoa, sem defesa ou fuga eficaz possível, a IMPERADOR II deve ser abandonada. Eles conseguem, com o apoio do CREST III, evacuar uma grande parte da tripulação via transmissor. O comandante Heske Alurin morre a bordo da nave capitânia da USO.

O planeta Nihoa é destruído pela explosão de uma gigabomba. Em seguida, os pseudoplanetas, previamente estabilizados artificialmente, começam a reagir. Eles se transformam em sóis que se fundem com a estrela principal. A supernova resultante destrói todo o sistema Tarlora, e as espaçonaves terranas conseguem fugir apenas através do espaço linear. Kalup é deixado com algumas naves de pesquisa no setor, a fim de tentar chegar à estação Temur.

No medoplaneta Tahun, 1.467 antigos arcônidas reanimados são tratados. Atlan os confronta com o fato de que 10.000 anos se passaram, e os esclarece também sobre a história arcônida. Isso os assusta profundamente, e eles começam a adorar Atlan como o imperador eterno e imortal. Atlan deixa os antigos arcônidas sob os cuidados dos psicoterapeutas de Tahun.

Em setembro do ano de 2421, a IMPERADOR III é a nova capitânia a serviço da USO. É um ultracouraçado da classe Galáxia do mais recente projeto, que foi passada a USO pessoalmente por Rhodan como compensação pelos danos. Caso contrário, esta espaçonave provavelmente se tornaria a nova nave capitânia da Frota Solar, a CREST IV.

Em novembro do mesmo ano, os antigos arcônidas, sob a liderança de Kwan da Arthamin, conseguem fugir de Tahun, e eles se escondem em um local desconhecido na Via Láctea. Nos anos seguintes, se têm notícias deles repetidamente sob a alcunha de “imperialistas”.

Em 10 de abril do ano de 2425 Atlan recebe em Terrânia uma mensagem misteriosa: ele chama pelo siganês Big Ben Especial, que atua como um dos seus guarda-costas, e aceita a chamada. Uma voz distorcida diz a Atlan que ele mantém sua atual namorada, Ayala D’Antonelli, sob coação e exige que ele voe sozinho numa rota a ser comunicada com um planador. Atlan obedece para salvar a vida da refém e coloca-se, junto com o siganês, nas mãos dos imperialistas. Ele é transportado para um cruzador de combate de 500 metros, através da utilização de transmissores. Kwan da Arthamin revela seu plano, colocar Atlan como imperador de Árcon e recriar o antigo Império de Árcon novamente. Big Ben Especial é desmascarado lá.

Um circuito transmissor permite que os imperialistas, liderados por Kwan da Arthamin, alcancem com Atlan o Palácio de Cristal em Árcon I. Lá, Atlan deveria ser coroado imperador. Todas as insígnias imperiais – coroa, cetro, mantos, armas – e até mesmo o Refúgio das Decisões, a unidade de comutação com a qual os principais sistemas de Árcon poderiam ser alcançados, foram levados. Atlan vê apenas um caminho que pode prevenir uma crise galáctica: é a renúncia irrevogável de todos os direitos ao trono de Árcon. Além disso, pede a Kwan da Arthamin, profundamente decepcionado, um ritual de duelo dagor.

O duelo ocorre logo depois. É realizado com ornitópteros-libélula. A amarga luta provoca sérios danos em ambos os lados, deixando às aeronaves sem forças por fim levando à luta corpo a corpo no chão. Com um golpe dagor, Atlan arremessa seu adversário para o chão. Ele é assim, perfurado por uma lança de cristal afiada como uma faca. Kwan da Arthamin morre de seus ferimentos. Suas últimas palavras são: “Por Atlan e... Árcon!”. Os imperialistas restantes podem escapar com o seu cruzador e se esconderam. Big Ben Especial, paralisado, foi enviado algum tempo mais tarde, como um pacote especial para Atlan. A mensagem que foi enviada com o pacote: Por ser insuportável, retornado ao remetente...

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir