Prothon da Mindros

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Mindros

O mascant Prothon da Mindros por Stefan Lechner

Dados pessoais

Data de nascimento: 19 de abril do ano 1212 NCG

Idade: 81 anos

Altura: 1,92 m

Peso: 82,5 kg

Cor dos olhos: vermelho

Cor do cabelo: branco

Local de nascimento: Árcon II

Nacionalidade: arcônida

Pais: Philsus da Mindros e Minor da Mindros

Estado civil: viúvo

Esposa: Theranie (Terza) da Mindros (+ 12/dez/1285 NCG)

Filhos: Carba e Suri da Mindros (+ 12 de dezembro do ano 1285 NCG)

Posto: mascant e comandante da 6ª Frota de Cristal

Condecorações

– Suril Famag (o melhor da classe) em 1231 NCG

– Dhakat (medalha por realizações especiais) em 1245 NCG

– Estrela Vermelha (condecoração para alcançar um comando) em 1246 NCG

– Medalha de Zoltral Primeira Grau (condecoração por uma operação) em 1251 NCG

– Medalha de Zoltral Segundo Grau (condecoração de comportamento especial em ação) em 1253 NCG

– Medalha de Zoltral Terceiro Grau (condecoração por comandar várias unidades) em 1255 NCG

– Estrela de Árcon (medalha pela nomeação de almirante e comandante de frotas) em 1268 NCG

– Estandarte do Imperador (condecoração rara para os melhores almirantes da frota) em 1275 NCG

Currículo

Prothon da Mindros nasceu em 1212 NCG em Árcon II, filho do rico e influente do Khasurn da Mindros. Ele frequentou as melhores escolas e se graduou no ano de 1227 na Academia de Oficiais da Frota Bark-N’or em Iprasa. Ali também encontrou Gaumarol da Bostich, que estava estudando na mesma época na Academia Galactonáutica. Com 19 anos ele tinha completado sua formação e recebeu a honrosa distinção “Suril Famag” – O Melhor de sua Classe.

Nos três primeiros anos, ele foi destacado para várias funções administrativas subalternas do Comando da Frota, antes de assumir seu primeiro comando como oficial de navegação no couraçado MINTEROL em 1234 NCG. Ali ele ganhou rapidamente respeito e estima entre seus companheiros.

Após a luta no sistema Daakurr em 1245 NCG, onde se lutou contra colonos rebeldes, ele foi promovido a primeiro-oficial da MINTEROL, e assumiu o comando depois do fracasso do comandante e dos principais oficiais e conseguiu retardar o inimigo até reforços conseguirem intervir na luta.

Por este desempenho ele foi condecorado com a Medalha de Dhakat neste mesmo ano.

Depois que ele foi designado para um curso de liderança de seis meses e em seguida recebeu, depois de uma excelente conclusão, o comando da LOLANDES, um couraçado tênder da classe TERMON.

A LOLANDES era especificamente utilizada em áreas de crise e fronteiras do Império de Cristal. Nos anos seguintes Mindros resolveu situações de conflito, como levantes de colonos, rejeição dos imigrantes ilegais e controles afins.

Distinguia-se principalmente por seu tipo calmo e frio, e nunca perdia a tranquilidade. Sua autoridade como comandante era incontestável. Ele também era conhecido por sua crueldade durante as lutas, pois para ele só contava a vitória. Qualquer meio era válido para ele, mas ele também era honrado e justo com os inimigos derrotados, desde que estes capitulassem no momento correto. A partir do ano 1250 NCG ele foi transferido para as operações do Serviço Secreto. Ali ele foi responsável por missões de reconhecimento e espionagem na LTL e no Fórum Raglund. Houve grande satisfação pela realização destas missões. Seu maior sucesso foi o desmantelamento de uma missão de espionagem da LTL, onde destruiu impiedosamente cinco naves especiais a serviço da Liga que deviam construir uma rede de agentes no sistema Árcon. Por este desempenho ele foi condecorado em 1255 NCG com a Medalha Zoltral Terceiro Grau.

Após esse sucesso, ele fora transferido de volta ao comanda da frota como oficial de ligação com o Tu-Ra-Cel no posto de um thek’pama1.

Então em 1258 NCG ele conheceu Terza, de 38 anos de idade em Árcon. Ele se apaixonou imediatamente por ela e se casaram em outubro do ano 1260 NCG. Nos anos seguintes seu principal interesse foi o combate a IPRASA, que ele considerava com uma traição vergonhosa a Árcon e ao Imperador.

No final do ano 1267 NCG, ele iniciou no sistema fronteiriço Don K’abur uma armadilha perfeita em que a IPRASA caiu. Caíram e foram destruídas sem piedade mais de 1.000 unidades da organização rebelde. Em consequência, a liderança da IPRASA recorreu a ações individuais e ações do serviço secreto.

Foi conferido a Mindros por isso no ano 1268 NCG, uma das mais altas medalhas de Árcon: a Estrela de Árcon. Paralelamente à condecoração ele foi nomeado para almirante e comandante da IV Frota de Cristal. Mindros agora pertencia aos almirantes mais poderosos do Império de Cristal. No ano 1275 NCG ele recebeu como reconhecimento por seu trabalho “grandioso” e “heroico” em prol de Árcon o Estandarte do Imperador, que só era muito raramente concedido. Sua mulher deu à luz em 1276 NCG a um filho que foi chamado de Carba. Este foi o orgulho de Prothon. Apenas dois anos depois eles tiveram outra criança, uma filha, que chamaram de Esrana.

Prothon já tinha planejado a vida de seus dois filhos. Esrana devia entrar para a política, enquanto Carba seguiria carreira na frota. Para marcar o 25º aniversário de casamento em outubro do ano 1285 NCG Terza desejou uma viagem de cruzeiro na nova nave espacial de luxo LONDON. Prothon concordou, e queria viajar com ela e os dois filhos, mas no último minuto teve que cancelar porque havia problemas com a IPRASA. Assim Terza, Carba e Esrana viajaram e Mindros ficou sozinho, e morreram em 9 de dezembro do ano 1285 NCG no naufrágio da LONDON.

Isto significou para Prothon o fim de todas as suas esperanças. A partir de então ele já não foi ele mesmo, todos os seus pensamentos e sua energia conheciam apenas um objetivo: vingança pela perda de sua família.

1 Nota do revisor: O thek’pama e o oficial responsável pelo trabalho burocrático, e está sob o comando do Ark’Thektran que é o comandante da Central de Comando Ark’Thektran, do mundo da Guerra Árcon III.

Imprimir