PRNeo0068 - Luta por Ker’Mekal

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

c neo68

Título Original: Kampf um Ker’Mekal

Autor: Uwe Voehl

Tradutor: Delgado

Artista da capa alemã: Dirk Schulz / Horst Gotta

Publicação na Alemanha: 08/11/2013

Publicação no Brasil: fevereiro de 2017

Época: ano de 2037

Local da ação: Central de controle Ker’Mekal na lua Sertai de Bhedan – ZARAKH VII

Personagens principais: Atlan da Gonozal, Novaal, Ihin da Achran, Sergh da Teffron, Enban da Mortur.

Curiosidades:

Visão Geral

Resumo

Atlan da Gonozal, Ihin da Achran e Novaal se encontram para uma reunião na GES’PATACH, na Frota Privada do Regente. O plano de derrubar o Regente toma forma concreta. A oportunidade de iniciar a operação é favorável. Sergh da Teffron, a Mão do Regente, está ocupado buscando o ativador celular. Sua assistente, Theta, já não é mais controlada pela khestan e persegue seus próprios planos, mas Coghan, um ativista da oposição, está testando as duas mais novas tecnologias de drone. Esta deve ser capaz de controlar pensamentos. O papel dos mehandors e o comportamento da Mascant Pertia ter Galen, por outro lado, são variáveis desconhecidas na revolta. Do lado positivo estão os aliados naats, que apoiam a derrubada do Regente em troca da garantia de autonomia abrangente e dos direitos civis completos. Também seria útil esvaziar a legitimidade do Regente, provando que ele não é arcônida e que colocou o Imperador fora do caminho. Charron da Gonozal trabalha nisso. Mas uma luta aberta é temporariamente excluída. O plano de ocupar diretamente o Palácio de Cristal é rejeitado, assim como o ataque a Árcon III. A atenção que uma concentração de naves atrairia seria muito grande. Em vez disso, eles concordam com a proposta de Atlan de se dedicar primeiro às instalações militares nas luas de Bhedan. Especificamente, a captura de Ker’Mekal, a central de controle na lua Sertai de Bhedan, é o objetivo desse plano. É neste local que as decisões estratégicas do mundo da guerra são logisticamente implementadas. Um comando deve penetrar em Ker’Mekal e substituir o intendente burocrático leal ao Regente por Atlan da Gonozal. Que então poderá chamar as naves para Bhedan, para que a manutenção seja feita e enviar tripulações para dentro ou para fora das mesmas. Assim, poderão ser reunidas flotilhas pouco expressivas imperceptivelmente as flotilhas tripuladas por naats. Nessas naves, no início da operação, os naats, que geralmente ocupam as fileiras inferiores, assumiriam o controle.

O entusiasmo de Sergh da Teffron por Theta esfriou visivelmente. Ele não pode perdoá-la pelo fracasso relativo a Enban da Mortur. Sua ganância pelo ativador celular é muito grande. Como Lukan Duro, inspetor da frota, ele vai com uma falsa ordem de missão para o cruzador ZARAKH VII, em busca de Enban da Mortur. Logo, Duro, aliás da Teffron, lida com incidentes estranhos. Seu adjunto Coghan prova ser uma miragem. Em qualquer oportunidade inoportuna, Coghan aparece e desaparece. A imagem que Duro expõe é muito irritante. Ele exige que os membros da tripulação procurem o invisível. Então a Mão recebe uma chamada de seu juramentado Granaar. Que apresenta exatamente a sugestão de que Atlan, Novaal e Ihin partiram na GES’PATACH, para assumir o centro de controle Ker’Mekal. Embora o plano seja de um naat, ele é bom e chega no momento certo. Porque recentemente ele tem uma certeza. O Regente quer se livrar dele. Na audiência com o Regente, Sergh da Teffron percebeu que deveria servir como bucha de canhão, enquanto o próprio Regente se apresentaria como um general brilhante. Um plano que Sergh da Teffron já tentara usar com Novaal e sua flotilha no sistema Tatlira. A Mão deve agir. E se o plano de Granaar falhar, Teffron pode lançar a culpa pelo ataque a Ker’Mekal nos naats rebeldes. Ele, por outro lado, pode dedicar-se a caçar o ativador celular.

Granaar, que vendeu o plano de Atlan para Sergh da Teffron como se fosse seu, é imediatamente enviado por seu mestre para Sertai, para testar a segurança do centro de controle Ker’Mekal, em uma missão oficial para a Mão do Regente. O que a Mão não sabe é que os naats renunciaram a sua fidelidade desde a missão de Novaal. Granaar mantém contato com o antigo reekha. Quanto mais profundamente Granaar observa a estação, maiores são suas dúvidas. Aparentemente vulnerável do lado de fora, Ker’Mekal prova ser por dentro uma fortaleza, profundamente enraizada na lua, com múltiplos e seguros links de comunicação. Mas a parte mais difícil é o estreito vínculo de confiança entre Burech Enyer e seus funcionários, que também desenvolveram um alto nível de experiência em seus trabalhos. Isso pode tornar uma troca quase impossível. Após uma refeição com a família de Enyer, Granaar anuncia a chegada de mais quatrocentos naats para fortalecer a prontidão defensiva de Ker’Mekal. Burech Enyer promete cuidar disso.

Theta, ainda cortesã e assistente de Sergh da Teffron, parece uma bêbada nos últimos dias. Contra seu hábito, ela visita várias vezes um clube moderno para se divertir. Ela quer conhecer o misterioso Coghan com quem acaba na cama. Ao longo de tudo, ela não consegue tirar a sensação de que Coghan pode ler sua mente. E acaba por confirmar isso. Theta o atordoa e amarra. Coghan admite sob tortura que só aparentemente pode ler e manipular pensamentos. Ela utiliza um vírus técnico. Assim que este infecta alguém, ele pode entrar nos pensamentos da pessoa infectada, que ele precisa conhecer. Ele também pode fazer o vírus passar para outras pessoas e também entrar nas mentes destas. Mas ele não pode manipular os pensamentos delas. Ela deveria ser solta e retornar para seu mestre. Theta passaria o vírus para Sergh da Teffron. Mas este vírus, originalmente desenvolvido por aras para gerar telepatia, funciona apenas por seis dias. Theta também descobre a contratante: Ihin da Achran. Ela então paralisa Coghan e remove o transmissor de sua orelha.

Na ZARAKH VII, os incidentes se acumulam. Todos ao redor de Sergh da Teffron agora parecem ser atingidos por alucinações e aparições de fantasmas. Alguns membros da tripulação atacam a Mão. O caos torna-se insuportável. Sergh da Teffron é preso em uma cela, com o comandante Farik. Calmo, ele conclui que os incidentes devem estar relacionados com Coghan e sua própria pessoa. Pouco tempo depois, Farik, tocado pelo espírito de Coghan, ataca Teffron. Ele o repele. Com a morte de Farik, Coghan desaparece. Theta o informa o responsável pelos incidentes. Mas ela não conta tudo. A Mão do Regente se revela, para controlar o caos na nave. Ele então revela seu verdadeiro propósito para a primeiro-oficial, Samena da Issam. A caça ao perigoso Enban da Mortur. A busca pelo antigo ajudante da Mascant deve ser restrita a duas naves. Primeiro, Mortur consegue se ocultar na USTENTURN com a ajuda do distorcedor de assinatura individual. A ZARAKH VII persegue a segunda nave, a TIRONOR. Lá são encontradas armas contrabandeadas para os mehandors, mas não da Mortur. Em seguida, seus perseguidores detectam irregularidades nas assinaturas individuais dos passageiros. A USTENTURN é parada pela segunda vez. Enban da Mortur espera seu fim.

Sob o nome falso de Serkan da Melan, Atlan aparece como comandante dos quatrocentos soldados naats anunciados por Granaar, que devem prover maior segurança para a central de controle em tempo de guerra. Na verdade, é o comando que deve assumir o controle de Ker’Mekal. Isso se supõe ser o começo do fim do Regente. Assim que os soldados naats chegam aos seus aposentos, chega a ordem de ataque. Enquanto os cem naats restantes na nave, liderados por Atlan e Novaal, obtêm acesso à estação do ponto de pouso, os naats comandados por Granaar atacam de dentro. O esquadrão chega rapidamente ao piso superior, civil. Apenas alguns robôs de combate resistem. Os civis se renderam rapidamente. No entanto, quanto mais eles se aproximam do principal objetivo, o gerador principal, mais organizada e mais forte se torna a resistência. Somente a partir do gerador principal, é possível ativar os campos defensivos. Portanto, os atacantes deixam a central de comando para depois. Quando Burech Enyer percebe a intenção dos rebeldes, ele envia soldados arcônidas fortemente armados. Há perdas de ambos os lados. Finalmente, o esquadrão de Atlan consegue avançar para o gerador. Lá ele ativa o campo de proteção da estação. Ker’Mekal é cortada do mundo exterior. Enyer é paralisado por Atlan quando tenta retomar o gerador. Seus colegas combatentes o levam de volta à sede. Granaar, usando o modo furtivo de seu traje de combate, consegue se infiltrar lá e tenta abrir por dentro a escotilha para os atacantes. Mas ele é descoberto pelo intendente geral e gravemente ferido. À medida que o tempo se esgota para os defensores, Atlan e os naats liderados por Novaal tentam um ardil. Com uma técnica de ataque sofisticada, os naats dão a impressão de que a central de comando cairia em breve. Os lutadores inexperientes comandados por Enyer fogem por uma passagem secreta. À saída do túnel são esperados. Somente Burech Enyer escapa. Atlan sabe onde procurar Enyer. Em troca da garantia de poupar sua família, o thi’athor Enyer se rende.

Sergh da Teffron chama Ker’Mekal. Com gesto de submissão, o gravemente ferido Granaar relata, apesar de a sua imensa dor, a captura da estação. A Mão acredita que seu plano vai dar certo. Ele não mostra pesar pelos naats caídos. Ele até mesmo os apresenta como terroristas. Por isso, Atlan acredita que da Teffron terá em breve uma surpresa desagradável.

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir