PRNeo0071 - O Mundo da Guerra

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

c neo71

Título Original: Die Kriegswelt

Autor: Christian Montillon

Tradutor: Marcel Vilela de Lima

Artista da capa alemã: Dirk Schulz / Horst Gotta

Publicação na Alemanha: 20/12/2013

Publicação no Brasil: março de 2017

Época: 9 e 10 de agosto de 2037

Local da ação: Iprasa, Palácio de Cristal em Árcon I, Árcon III.

Personagens principais: Atlan da Gonozal, o Regente, Pertia ter Galen, Perry Rhodan, Sergh da Teffron, Enban da Mortur.

Curiosidades:

Visão Geral

Resumo

Tinnal Nyem, um dos primeiros arcônidas não nobres a ter o sentido extra ativado, está se aproximando da Iprasa. Ele foi chamado para se apresentar no Instituto Faehrl. Só que dois anos antes do esperado. Por ser o portador P11 das coordenadas da Terra do Arquivo Epetran, ele foi chamado por Jeethar. O naat penetrou na positrônica do Instituto e, em nome de Perry Rhodan, chamou os portadores para Iprasa. Lá, os dados explosivos devem ser retirados pelos taa, os guardiões do arquivo de Epetran, para que Sergh da Teffron não obtenha as coordenadas corretas da Terra. Mal pousa, ele é detido e paralisado por supostos soldados da nave de guerra RANIR’TAN. Ele se recobra nas cavernas dos taa. Lá, a rainha dos insetoides falsifica as coordenadas da Terra na cabeça de Tinnal. Mas, por ter despertado cedo demais, ele ouve as explicações de Rhodan e enxerga uma oportunidade para se livrar de sua depressão, que o afeta desde a morte violenta de sua esposa. Rhodan, feliz por ter salvado a Terra, pois o último portador desapareceu em algum lugar, é trazido de volta à terra por Atlan. Infelizmente, este informa que da Teffron conseguiu fugir durante os combates. E levando consigo Enban da Mortur, justamente o referido P12. Perry Rhodan rapidamente recupera a compostura. Ele decide ir para Árcon I para, com a ajuda de Reginald Bull, Ishy Matsu, Belinkhar e Talamon, tirar da Mortur da Mão do Regente. Ele faz uma ligação com o palácio nas sombras de da Teffron e oferece um acordo. O que sabe sobre o Mundo da Vida Eterna em troca dos recursos da Mão. Uma ligação na hora certa. Para fazer isso, Rhodan tem que ir até da Teffron, algo que o excita. Perry Rhodan, um dos seus inimigos, na sua mão.

Após a rebelião bem-sucedida dos naats e seu controle sobre seu próprio planeta e suas luas, Atlan agora quer seguir para a próxima meta. O controle de Árcon III, a espinha dorsal do Grande Império. Seu plano é forçar o Império a reprimir com dureza os naats. Mas, devido à tomada desapercebida de Ker’Mekal, as unidades da frota que podem ser movidas contra a considerável resistência são apenas as formações ao redor de Árcon III. Para tomar medidas sérias contra Naat, elas devem ser retiradas de lá. Isso é justamente o que querem os rebeldes, para poderem empregar as naves de combate controladas por eles para liderar o ataque ao mundo da guerra. Pertia ter Galen, comandante-em-chefe da frota arcônida, está ciente de que essa revolta naat é diferente das anteriores. O planejamento e a execução não parecem ter surgido do calor usual e da impetuosidade dos naats. Ela acha que um arcônida experiente está por trás disso. Por causa da tentativa de assassinato perpetrada por da Teffron contra ela, ela ainda pensa que ele é responsável. Ela quer ficar à espera, em vez de enviar as restantes formações às cegas para Naat. No entanto, ela recebe a ordem oposta de seu superior, o próprio Regente. Com rapidez e força militar, mas com senso de proporção, ela deve forçar os naats a se dobrarem. Ele acredita que a menor fraqueza interna fará com que os metanitas ataquem o império. E será exatamente isso o que a frota rebelde pretende. A exposição de Árcon III. Atlan, como estrategista e chefe da insurgência, tem um ativo crucial em suas mãos. Os amortecedores de transição em órbita dos planetas do sistema Árcon, cujos códigos também são definidos por Ker’Mekal, foram recentemente controlados pelos insurgentes. Assim, não é possível que as forças de ter Galen se rematerializem após uma transição. As naves seriam destruídas imediatamente e milhares morreriam. Para evitar isso, Atlan envia um aviso secreto ao Comando Central. Uma resposta militar ressonante, no entanto, não é possível para o lado do Regente. As naves só podem se aproximar em voo subluz. A mascant é advertida sobre o aviso por seu substituto na Ark’Thektran, Forgan da Welthar, mas não pode classificá-lo. Ela planeja aproveitar ao máximo da interpretação das decisões do Regente, enviando apenas naves robóticas e aguardando a reação. Por outro lado, é possível que as naves naats passem as defesas de Árcon III, porque elas conhecem os códigos dos amortecedores de transição.

Entrementes, Sergh da Teffron, que está em seu palácio nas sombras no não amado Gos’Khasurn, ainda pensa, apesar de todos os contratempos, em derrubar o Regente e se colocar na cabeça do império. Ele pede uma entrevista ao Regente e recebe o convite para uma audiência na corte do Palácio de Cristal. A revolta dos naats é discutida. Sergh da Teffron pede para obter o comando supremo sobre todas as naves no sistema. O Regente recusa. Ele teme uma carnificina entre os naats, o que não só provocaria uma resistência de séculos dos gigantes, mas também custaria muito soldados ao Império.

A luta começa quando as primeiras unidades de ter Galen voltam ao espaço normal bem diante de Naat. Todas as naves robotizadas, enviadas como vanguarda pela mascant, para testar a reação. Ela não esqueceu a advertência. Aparentemente, o outro lado não está interessado em causar um massacre. Então, ela enviou 169 unidades em voo subluz para Naat e apenas as naves exclusivamente robóticas saltaram para Naat. Quando todas essas unidades ressurgem como sucata brilhante, ela percebe instantaneamente que o oponente está usando os amortecedores de transição contra eles. Ela tenta tomar contramedidas. Inútil. No mesmo instante, Atlan da Gonozal ordena o ataque a Árcon III. Para as naves rebeldes, superiores em força e sem restrições de agilidade, os fortes orbitais e as 10 naves restantes não são um grande problema. Mas um ataque direto ao Ark’Thektran é proibido a princípio. Os recursos de defesa do mundo da guerra são muito grandes para serem capturados sem grandes perdas para ambos os lados. Atlan, na sua nave capitânia SER’TAGON, faz contato com Pertia ter Galen no Comando Central. Equipado com o canhão de conversão, retirado da TIA’IR com a ajuda de Yerum Uskach, e protegido pelos campos defensivos da SER’TAGON, Atlan tenta persuadir a mascant a se render. Cheia de confiança, ela rejeita. Os campos defensivos do Comando Central da Frota resistem a qualquer ataque. Atlan usa o canhão de conversão e acaba com a segurança de ter Galem em segundos. Como Árcon III, e especialmente o Ark’Thektran, estão indefesos, Atlan faz uma oferta irresistível. Para proteger vidas arcônidas e legitimar a derrubada do Regente, e obviamente como Pertia ter Galen não tenha mais como se opor, Atlan da Gonozal propõe apostar a iminente captura do mundo da guerra contra a retirada total dos naats em um duelo dagor contra a mascant. Realmente, o Thi-Laktrote vende a aprendiz dagor. Pertia abandona a resistência. Atlan ainda quer conquistá-la como aliada. Ele informa que o Regente não é arcônida, que ele matou o Imperador Orcast XXII e que sua política prejudica o Império. As dúvidas de Pertia sobre o Regente, que já a atormentavam há algum tempo, ficam grandes demais para evitar que ela tome uma posição. De repente ela recebe uma mensagem que pode mudar tudo. Do Mundo Elísio sai uma nave em busca do Regente, para que ele efetue a peregrinação.

A rede de Ihin da Achran, Timoneira da Frota Privada do Regente, permitem que Bull, Belinkhar, Talamon e Ishy Matsu penetrem despercebidos no Gos’Thanhat de da Teffron, enquanto Perry cai nas mãos da Mão do Regente. A tarefa dos companheiros é liberar Enban da Mortur, o último portador das coordenadas da Terra do Arquivo Epetran. Enquanto isso, da Teffron, após assumir o ativador celular de da Mortur, tenta humilhar Rhodan. Sua excitação o faz subestimar mais uma vez a situação e o seu oponente. Somente quando um alarme soa no palácio nas sombras, ele reconhece o jogo de Rhodan. O alarme foi desencadeado pelos ajudantes de Rhodan. Sua tentativa de libertação acaba com sua felicidade. O encobrimento e a confusão da positrônica não chegaram até a prisão de da Mortur. Enquanto da Mortur sofre choques elétricos, sua pele estoura em bolhas. Eles conseguem fugir com o planador particular de fuga de da Teffron. O alarme também é o sinal para Rhodan tentar a fuga. Só com muita dificuldade ele consegue se safar da Mão e seus robôs, mas ele é finalmente alcançado por da Teffron no pátio do Palácio de Cristal.

Uma impressionante espaçonave azul desce para o pátio e o salva. A nave, semelhante à de Carfesh, veio do Mundo Elísio para buscar o Regente para a peregrinação. O terrano não deixa passar a oportunidade. Aproveitando o espanto de Sergh da Teffron, ele caminha em direção à nave, sendo protegido contra o furioso bombardeio pelo seu campo defensivo. Então ele é levado para bordo por uma criatura que ele reconhece como um congênere de Gucky, um ilt.

Nota: Perry Rhodan recita o poema “Lar sem arcônidas”, do poeta arcônida Wil’ham da Voltzar. Pode ser uma homenagem a William Voltz.

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir