PR1402 – O Mundo dos Dragões

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

c1402

"Um planeta intrigante  onde velhos inimigos se tornam amigos"

Ciclo: Os Cantaros (21º)

Título Original: Die Drachenwelt

Autor: H. G. Ewers

Tradutor: Marcel Vilela de Lima

Revisor: Projeto Traduções: Marcos Roberto Inácio Silva

Artista da capa alemã: Johnny Bruck

Conversão da capa brasileira: José Antonio

Publicação na Alemanha: 05/07/1988

Publicação no Brasil: Maio/2014

Época: Março de 1143 NCG (4730 D.C)

Personagens principais: Perry Rhodan, Atlan, Iruna von Bass-Teth, Gucky, Ras Tschubai, Roq Rahee, Qon Shutre, Ando Salas.

Curiosidades:
Sonho zero – Capacidade sarlengort de viajar em sonhos.
Pedocapacidade – Capacidade, semelhante à dos cappins, de assumir o controle de um ser.
FSRS – Frequência de Sexta-Referência Sobreposta – É a constante energética individual irradiada no âmbito hexadimensional por uma mente consciente. Também conhecida como a frequência individual da radiação emitida pela alma do ser. Obs: Nos livros traduzidos pela Ediouro o termo teve vários nomes como constante EHD, constante-UBSEF, constante FRSS, constante UB-SEF, constante ubsef, constante FRESETS, constante UBSEF, constante-ubsef, constante-psi. O Projeto Traduções está padronizando definitivamente a sigla nos livros lançados pelo mesmo como FSRS.

Visão Geral

Resumo

Do campo de destroços no setor PORTA-X, a formação Tarkan voa para o sistema Sandra a fim de investigar a indicação sobre os sobreviventes terranos, dada pelos traficantes de escravos. Depois que os galácticos chegam ao sistema estelar, o examinam pela técnica de radiolocalização e descobrem vestígios de civilização no equador do segundo planeta, ao norte do planeta Bugaklis, e decide-se por uma operação de pouso.

A KARMINA é selecionada e pousa no deserto do norte, perto de um dos assentamentos determinados a partir da órbita; monta-se uma tropa de reconhecimento, formada por Perry Rhodan, Atlan, Iruna von Bass-Teth, Gucky e Ras Tschubai. Num primeiro momento, os galácticos descobrem através de Gucky que só se pode detectar pensamentos superficiais e, através de Iruna von Bass-Teth, que não há uma única constante FSRS capaz de permitir a realização de uma pedotransferência. Os dois teleportadores levam Perry Rhodan e Atlan aos arredores da aldeia. Observa-se uma hauri, movendo-se entre as cabanas. Para Gucky agora está claro porque ele só consegue captar pensamentos superficiais, assim ele percebe que eles caíram em uma emboscada. Os hauris tinham visto sua nave pousar e acharam que eles eram caçadores de escravos. Todos os homens sãos tinham partido com suas caravelas do deserto, deixando para trás na aldeia só as mulheres, crianças e idosos. Os marinheiros dão a volta com seus barcos e aparecem por trás dos galácticos. Os hauris atacam com armas medievais. Eles defendem-se pela força. Então os teleportadores transportam todos para uma das caravelas do deserto, apreendem dois marinheiros hauris e desaparecem.

Os prisioneiros são diferentes dos hauris que os terranos conhecem, são pequenos, de cor amarelada e parecem ter origem a partir de uma cultura pré-industrial. Depois de alguns pequenos desentendimentos, eles chegam em um acordo. Os hauris se apresentam como Roq Rahee e Qon Shutre; eles se chamam tronahaes ou como filhos do deserto, e relatam sobre humanos que vivem nas montanhas e outros que navegam pelos mares e vivem da pesca. Os hauris ocupam-se ocasionalmente de comércio com os seres humanos, e uma vez por ano os hauris e os humanos fazem uma competição conjunta. As competições são iminentes, e os galácticos são convidados a acompanhar o hauris.

Enquanto isso Iruna viaja, em um sonho zero a bordo da KARMINA, sobre a superfície de Bugaklis. Sonha que está presa em uma nevasca. Ela vê destroços de uma caravela do deserto tombada. Preso sob os destroços, há o corpo de um astronauta usando traje protetor. Há um buraco no capacete pressurizado. Quando a aconense tenta extrair informações dos processos energéticos moleculares do sistema nervoso central do morto, de repente ela vê apenas escuridão de onde se encara três órbitas vazias. Serão estes os olhos mortos de Bugaklis, dos quais o caçador de escravos que morreu, Dor-Haran, tinha falado? No voo para se encontrar com os tronahaes, Iruna pergunta se Reginald Bull pode sobrevoar a área do deserto, que ela visitou em seu sonho. Ela encontra os destroços. O morto é um kartanin.

Na manhã seguinte, os galácticos vão para a cidade Metemoa, onde os tronahaes participam das competições, como convidados dos filhos do deserto e viajam na caravela do deserto de Roq Rahees, o QINTARRO. Ao longo do caminho, os viajantes têm uma briga com um polvo do deserto. Nuria Gaih Zahidi atira seis flechas com carga de antimatéria, com sua besta, no corpo do polvo para matá-lo. Quando o polvo morre, Iruna von Bass-Teth tem novamente a visão dos olhos mortos, e Gucky tem dificuldades para se teleportar. Uma tempestade do deserto alcança os marinheiros quando eles chegam no deserto de Metemoa.

Lá, os galácticos visitam o santuário tronahae, que é chamado a Grande Mãe, de acordo com a tradição local, uma estrela que caiu do céu e deu à luz aos filhos do deserto. O santuário demonstra ser o naufrágio de uma espaçonave hauri. Os danos da nave levam à suposição de que os seres humanos e hauris lutaram na área em torno Bugaklis, e ambas as partes caíram no planeta.

Os tronahaes e galácticos chegar ao local de competições. Logo em seguida, a partir dos planaltos próximos, chegam os primeiros montanheses com simples asas-deltas. Embora os locais de batalha estejam sendo preparados, Perry e Atlan aprendem sobre a vida das pessoas voadoras nos vales entre as montanhas e o combate constante contra os dragões semi-inteligentes. O descente da BASE, Ando Salas, fala sobre um “registro de bordo,” que é mantido com a tribo dos Filhos da Terra. Antes que se possa investigar a descoberta, acontece um desastre: Mais uma vez uma tempestade surge sobre as montanhas. No olho do ciclone dragões se reúnem e afastam-se da tempestade em direção ao local de luta para atacá-los. Eles preparam a defesa. Durante a luta os galácticos perdem o controle de sua consciência e levam a cabo um massacre dos dragões. Este surto de violência chocou os montanheses e tronahaes que se afastam dos galácticos. As competições são canceladas.

Iruna tem outra visão dos olhos mortos e obtêm um senso de direção. Para ela, é uma certeza de que há forças psíquicas desconhecidos trabalhando em Bugaklis. Ela pede a Gucky para levá-los para a vizinhança do local. Depois de uma rápida pesquisa Iruna encontra a entrada para uma base camuflada. Nesta base encontra um cavaleiro andante de Naat. Este caiu há muito tempo sobre Bugaklis e foi preso pela estação automática, que se vê como a protetora dos dragões, e é mantido em um sono profundo. Se necessário, ele era acordado, manipulado pela estação e utilizados para seus fins. Após uma breve luta, em que o amplificador psiotrônico de sua pedocapacidade foi danificado, Iruna pode convencer o naat Tavoor das boas intenções dos galácticos. A estação responde à suposta traição do naat e abre fogo. Gucky e Iruna têm sucesso em resgatar o naat gravemente ferido e colocam-no na KARMINA em um tanque médico. A base desencadeia sua autodestruição.

Rhodan e Atlan enviam de volta para a nave todos os outros galácticos. Eles decidem seguir desarmados e a pé os montanheses. Eles querem tentar recuperar a confiança deles e aprender mais sobre o misterioso “registro de bordo”.

Nota: Entre os tripulantes um pouco mais instáveis da formação Tarkan há um aumento na depressão, isso é causado pela perda de quase todos os laços pessoais com sua pátria.

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir Email

Você não tem permissão para comentar. Faça seu login no site ou se registre, caso não tenha um login no site.

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.