PR1806 - O Mutante de Cantrell

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

PR1806

"Alaska Saedelaere em perigo – ele descobre a história de Kummerog"

Título Original: Der Mutant der Cantrell

Autor: Peter Griese

Tradutor:

Artista da capa alemã: Swen Papenbrock

Publicação na Alemanha: 04/04/1996

Publicação no Brasil:

Época: Outubro, novembro de 1288 NCG

Local da ação: Espaço intergaláctico, Ponte para o infinito

Personagens principais: Alaska Saedelaere, Kummerog, Kummerogs Haut, Yokanrog, Fasoldog

Curiosidades: 

Visão Geral

Resumo

Controlado pela pele, Alaska entra na nave e sai do Arsenal dos Baolin-Nda. A pele conta a história de Kummerog...

“Estamos na galáxia Brohnder, e a nave se chama CANT. Esta é a nave de Kummerog. Kummerog pertence ao povo dos cantrell, mas é um mutante. Assim como uma serpente, ele consegue trocar de pele, porém esta mantém uma conexão mental com Kummerog, mesmo estando distante dele. Suas peles podem cobrir os corpos de outras pessoas, que depois devem fazer tudo o que lhe for ordenado pela pele ou por Kummerog. Eu sou uma destas peles. Kummerog tem um mau caráter, por isto teve que deixar os cantrell e fundou o grupo dos ‘Assassinos de Brohnder’, um grupo de criminosos controlados pelas peles de Kummerog. O grupo vive no asteroide Klinker.”

Um dia, enquanto viajava com sua nave CANT dentro de Brohnder, Kummerog encontrou uma nave quase destruída. Havia somente uma pessoa lá dentro, que tinha graves feridas e que estava morrendo. Este extraterrestre era o ‘Quarto Enviado de Thoregon’ e queria que Kummerog levasse uma mensagem muito importante a um lugar chamado ‘Arsenal dos Baolin-Nda’. A mensagem era: ‘Goedda acordou e começou sua viagem’. Esta mensagem deveria ir para o computador central do arsenal. Além disso o mensageiro disse que um perigo muito grande ameaçava todos os seres de muitas galáxias. Antes de morrer, o mensageiro deu a Kummerog uma pulseira que se chamava Passantum. O Passantum servia para abrir uma porta de entrada do arsenal. Kummerog não acreditou nesta história, no entanto procurou o arsenal pois achava que poderia haver algo para ser roubado.

Kummerog encontrou o arsenal no espaço vazio intergalático e o Passantum abriu uma porta para entrar nele. Kummerog caminhou por todos os quartos e começou a brincar com as pequenas caixas que continham os produtos. Primeiramente Kummerog levou uma pequena máquina do tempo. Uma caixa continha bombas que causavam fogos atômicos. Kummerog, pensando que se tratava somente de jogos artificiais, pediu uma demonstração. Desta forma ele queimou e destruiu todo o arsenal. Em pânico, Kummerog foi ao domo-cogumelo, entrou nele e se viu numa ponte que se estende ao infinito. Ele deixou somente três de suas peles no arsenal. Uma destas peles sou eu. O computador central do arsenal conseguiu finalmente parar o fogo, mas quase tudo estava destruído.

No outro lado da ponte Kummerog encontrou outro domo-cogumelo, mas o Passantum disse que somente um impulso pentadimensional que ocorresse do outro lado poderia abrir o domo-cogumelo. No outro lado do domo-cogumelo estava Trokan, e não havia vida neste planeta. Além disso, o Passantum não quis ajudar mais Kummerog e cortou sua mão, fazendo com que esta e o próprio Passantum caíssem ao chão. No entanto, Kummerog teve uma ideia. A máquina do tempo podia passar pelo domo-cogumelo, então Kummerog colocou sua mão dentro da máquina e lhe deu as seguintes instruções: a máquina deveria cair em Trokan e aumentar seu tamanho. Depois deveria deixar cair a mão no chão. Deste material orgânico começaria uma evolução e se desenvolveria uma civilização que teria o desejo de abrir a porta para seu deus: Kummerog. Isto seria possível quanto eles possuíssem tecnologia pentadimensional. A máquina do tempo envolveria Trokan num campo de aceleração temporal para que tudo corresse mais rápido. Enquanto isso, Kummerog hibernaria na ponte, esperando que este povo o libertasse”.

Alaska percebe que esta civilização é idêntica à dos herreachs e que a montanha misteriosa é na verdade a máquina do tempo. Os herreachs têm como meta religiosa libertar Kummerog, mas não sabem que seu deus é, na verdade, um ladrão da galáxia Brohnder. Os herreachs foram criados somente para libertar Kummerog. Todavia, a explosão da biblioteca dos ayindis produz um sinal pentadimensional muito antes da máquina do tempo se abrir (a montanha). Kummerog também destruiu o arsenal dos Baolin-Nda. Mas onde está Kummerog?

O Chip Ativador de Alaska o ajuda a dominar a pele de Kummerog. No entanto, já passaram-se muitos dias e a CANT está próxima de Klinker. Alaska decide regressar ao arsenal dos Baolin-Nda com a ajuda do bando de Kummerog.

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir