RAS TSCHUBAI - Nave portadora terrana classe SUPERNOVA

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Ras nave1

A RAS TSCHUBAI é uma nave portadora terrana. Foi construída no século 16 NCG em grande parte com fundos privados e supera outras naves de distâncias intergalácticas tradicionais tais como a MARCO POLO e a SOL.

A nave foi nomeada com o nome do lendário mutante terrano, Ras Tschubai. Sua construção e tecnologias foram financiadas por um fundo privado e foi construída e equipada com base em planos originais da LTL. Ela está registrada na frota da LTL com um protótipo de nave portadora da classe SUPERNOVA. Seu identificador oficial na LTL é S.N.C. 0/1-1-10 RAS TSCHUBAI. Apesar da atribuição de uma identificação na LTL, a nave não faz parte das frotas da LTL e também não está sob a responsabilidade das lideranças da LTL. Em vez disso, um comitê separado destinou-se a criar um plano de implantação da RAS TSCHUBAI, que pertencia a particulares como Viccor Bughassidow. A este órgão só é permitido usar a nave para missões em beneficio da Humanidade. (PR 2729, PR 2750)

Do lado de fora, a RAS TSCHUBAI apresenta-se como uma nave esférica com 3.000 m de diâmetro, cujo casco brilha num ynkalkrit azul (material “terrano-blue”) de uma maneira única. Isto é explicado devido ao uso intenso de grandes quantidades do raro cristal salkrit de hiperinquelônio, necessárias para o funcionamento do propulsor de longa distância intergaláctico. Uma protuberância anelar tripla ocorre ao redor do equador da nave, fazendo com que a nave tenha um diâmetro máximo de 3.752 m nesse local. Em ambos os polos também podem ser projetados fusos de 450 m de altura cada, que formam o novo propulsor de longa distância da RAS TSCHUBAI, funcionais com as novas condições de hiperimpedância. Em todo o casco esférico da cúpula esférica há naves esféricas parcialmente afundadas e equipamentos técnicos (armas, etc.) são visíveis. Não há colunas de pouso porque a RAS TSCHUBAI – na sua qualidade de nave portadora – não foi projetada para operações de desembarque (PR 2750)

Construção, equipamento e especificações

Depois de Perry RhodanPerry RhodanDefinição: Administrador-Geral do Império Solar. Desde o final do século XX, Perry Rhodan tem sido reeleito sucessivamente para o cargo, pois foi ele quem, com a ajuda da tecnologia arcônida, unificou a Terra e evitou um conflito nuclear global. Perry Rhodan parou de envelhecer em 1976, quando recebeu do superser Aquilo uma ducha celular....
e Homer G. Adams voltarem do Neuroverso em 1503 NCGNCGDefinição: Novo Calendário Galáctico - Contagem de tempo assumida após a unificação dos povos da Via Láctea sob um único governo. O ano 1 corresponde ao ano de 3588....
eles conceberam em conjunto uma série de planos de contingência para estarem preparados para diferentes e inesperados perigos que poderiam possivelmente ameaçar a Humanidade. Os responsáveis pela implementação dos planos de emergência na realidade eram especialmente Homer G. Adams e sua organização secreta, a Sociedade dos Amigos Ausentes. Em 1514 NCGNCGDefinição: Novo Calendário Galáctico - Contagem de tempo assumida após a unificação dos povos da Via Láctea sob um único governo. O ano 1 corresponde ao ano de 3588....
, por algum tempo, Homer G. Adams esteve trabalhando em uma espaçonave privada “para fins especiais”, portanto, chamada nave-PFE – que deve ser usada exclusivamente para o benefício da Humanidade. Viccor Bughassidow participa do financiamento da nave, por que não podia ser usado nem um único galax dos fundos estatais, com uma soma alta e queria em troca que a nave fosse utilizada, entre outras coisas para procurar mundos escuros – uma sugestão, que Adams enfrentou basicamente de forma positiva. (PR 2729)

Esta nave deveria ser equipada com uma variedade de tecnologias recentemente desenvolvidas e originais que permitissem que a nave-PFE tivesse vantagens tecnológicas tremendas no desempenho das suas funções. A mais importante destas tecnologias foi o Conversor Hipertrans como propulsor de longa distância intergaláctico. A nave-PFE deveria ser tão independente que poderia operar como nave de longa distância e dessa maneira, seria única nave deste tipo no Galacticum.

O canteiro de obras, bem como o estaleiro para produzir a nave, estava escondido nos esqueletos da neo-Ganimedes. O grosso dos planos e um grande número de componentes – em muitos locais – já tinham sido concluídos no final de 1514 NCGNCGDefinição: Novo Calendário Galáctico - Contagem de tempo assumida após a unificação dos povos da Via Láctea sob um único governo. O ano 1 corresponde ao ano de 3588....
, tudo sob o maior respeito pelo princípio da confidencialidade. A gestão de planejamento e projeto mais detalhado para a construção da nave-PFE foram assumidos pela pos-bi Sra Jawna Togoya. Componentes da nave-PFE foram construídos em diferentes lugares da Via Láctea – sob o máximo sigilo – de modo a não chamar a atenção do Tribunal Atópico eles trabalharam com cuidado. Em junho de 1516 NCGNCGDefinição: Novo Calendário Galáctico - Contagem de tempo assumida após a unificação dos povos da Via Láctea sob um único governo. O ano 1 corresponde ao ano de 3588....
alguns essenciais componentes da nave SFE foram concluídos sob sigilo e foram apanhados em lugares diferentes e levados para Ganimedes:

  • O novo motor ultraluz de vácuo combinado librotrônico XXI que o tênder da frota ATLAS tinha pegado no mundo de Ockham – que estava sendo construído em segredo no planeta secreto de pesquisas de Perry Rhodan. (PR 2745)

  • Nichos de suspensão dos pos-bis – Estação Wheeler. (PR 2745)

  • O elemento central do agrupamento de programa de lógica, o semitrônico ANANSI, fabricado no mundo escuro pos-bi Culsu. (PR 2745)

  • Casco de ynkalkrit, também fabricado em partes separadas no mundo escuro pos-bi Culsu e em estaleiros locais. (PR 2745)

  • A área de lazer Ogygia, fabricada em um estaleiro especial sobre Talos no sistema Hefesto. (PR 2746)

A gerente de projetos e então comandante designada, Jawna Togoya, trouxe para o projeto suas preferências pessoais, deixando a mesma compatível com o objetivo e dando a nave-PFE as melhores instalações possíveis. Assim, por exemplo, o projeto da central de comando da nave-PFE corresponde quase que completamente ao da nave JÚLIO VERNE. (PR 2751) É bem possível que Jawna Togoya tenha planejado surpresas (por exemplo, tecnológicas) em outros lugares da nave-PFE o que era praticamente possível devido ao seu próprio componente de sensibilização de consciência positrônica...

Em 16 de dezembro de 1516 NCGNCGDefinição: Novo Calendário Galáctico - Contagem de tempo assumida após a unificação dos povos da Via Láctea sob um único governo. O ano 1 corresponde ao ano de 3588....
as instalações operacionais importantes e instalações de missão crítica foram concluídas e ficaram prontas para a operação, o início das operações da nave-PFE, agora batizada de RAS TSCHUBAI era iminente. Naquele momento, com todos os componentes necessários para conclusão a bordo, a nave em si ainda estava longe de estar concluída. Tinha que ser assumido neste ponto que o trabalho de construção continuaria a bordo ainda por muitos meses. (PR 2750)

Dados técnicos de sua operação (1516 NCG)

Características especiais (1516 NCG)

A nave tem 30 conveses principais, com 100 metros de altura. Cada convés principal está dividida em até 20 andares de cinco metros. Na célula de 600 metros de diâmetro do núcleo da nave há um cruzador de batalha da classe MARTE totalmente funcional é incorporado. O diâmetro da central de comando construída no centro da célula núcleo é de 100 metros e é quase idêntica à central de comando da JÚLIO VERNE. (PR 2750)

Para o tráfego interno são usados transmissores e poços antigravitacionais (apenas 60 unidades percorrem completamente a nave através dos conveses; 100 adicionais estão limitados entre os conveses apenas), faixas deslizantes, esteiras rolantes e sistemas ferroviários tubulares são utilizados para a superação das grandes distâncias internas da nave. Os trens tubulares são movidos por motores lineares de energia eletromagnética normal em tubos de vácuo com uma velocidade máxima de 500 m/s. As cabines comportam 12 pessoas. (PR 2750)

Ao longo da nave há nichos de suspensão instalados, em que a tripulação deve se retirar uma vez que a tecnologia de Conversor Hipertrans é ativada. Para a fauna e flora nas diversas áreas de lazer e no habitat Ogygia há campos especiais para relaxamento profundo neural da fauna durante o voo hipertrans. O anel corredor perimetral (convés 3 a 12) tem uma altura de 1.000 metros e um diâmetro externo de 1.400 metros. Ele abriga os cinco conversores de compensação Hawk-V (uma evolução do conversor Waringer após a hiperimpedância) e o conversor de transições (voltaram a ser usados com aprimoramentos tecnológicos após a hiperimpedância). (PR 2750)

A paisagem recreativa Ogygia (derivado de uma “ilha” na mitologia grega), é uma paisagem circular com cerca de 1.800 metros de diâmetro, alimentada por três sóis artificiais. Quatro Rios dividem o local, que é uma mistura de todos os ecossistemas terranos. A fauna e flora alojada foi geneticamente modificada para serem compatíveis mutuamente uma com a outra. (PR 2746) Numerosas instalações desportivas (incluindo um estádio com cerca de 40.000 lugares) e restaurantes estão disponíveis para os visitantes. (PR 2750) O computador de bordo ANANSI está alojado no convés 16, abaixo do convés 16-06 e 16-07. (PR 2750)

Equipamento Técnico / especificações (1516 NCG)

Especificações: RAS TSCHUBAI (1516 NCG)

Tipo: Nave portadora para múltiplas operações (PR 2750)

Tamanho: diâmetro de 3.000 m, diâmetro com a protuberância anelar 3.752 m, altura (com o fuso Conversor Hipertrans estendido) 3.900 m (PR 2751)

Volume: 15,5 bilhões de m3 (PR 2750)

Construção:

Externa: forma esférica com um casco exterior de ynkalkrit, próximo à protuberância anelar principalmente na construção das calotas há equipamentos, armas, e naves auxiliares parcialmente afundadas. (PR 2750)

Interna: 30 conveses principais de 100 metros de altura, que são divididas em até 20 andares com uma altura padrão de 5 m. Normalmente, a instalação de módulos em cada andar, por exemplo, 800 quartos de grupo pré-fabricados para 40.000 membros da tripulação e áreas comuns. As instalações de lazer em cada convés principal, entre outros medem cada uma 200 m, com uma altura de 100 m com parques e instalações desportivas. (PR 2750) Um grande ecossistema artificial Ogygia com 1.800 m de diâmetro / altura de 50 m e um estádio com uma capacidade de 40.000 visitantes completam as instalações de lazer. (PR 2746)

Massa: cerca de 2,4 bilhões de toneladas (PR 2751; comentário)

Computador de bordo: hiperimpotrônico programa de lógica composta por oito coordenadores de plasma e um semitrônico, com o nome próprio de ANANSI. (PR 2745, PR 2751)

Propulsão subluz: 24 propulsores de empuxo gravotron delta (PR 2756 – comentário), componente de propulsor librotrônico-luz, o Conversor hipertrans em velocidades luz muito baixas (PR 2750)

Aceleração: Gravotron máximo de 300 km / s2; Librotron máximo de 380 km / s2 (PR 2750)

Unidade ultraluz: Voos interestelares: Transições Intermitentes e componentes superluminal do propulsor librotrônico para o voo linear (PR 2750)

Voos Intergalácticos: Conversor Hipertrans com fuso de até 450 m que são estendidos para viagens longas a partir dos polos (PR 2751)

Fator ultraluz: propulsor librotrônico: 3 milhões, aproveitando-se da hipernavegação até 4.5 milhões (PR 2750)

Propulsor intermitente: média de 5,56 milhões, respectivamente, para os primeiros dez minutos, no máximo fator ultraluz de 16,7 milhões (PR 2750)

Conversor Hipertrans: dentro de uma galáxia no máximo 2,5 milhões, fora do campo gravitacional das galáxias até 500 milhões. (PR 2751)

Alcance: Mais de 10 milhões de anos-luz no voo linear por propulsor librotrônico (PR 2750)

Armas ofensivas: 216 plataformas de armas com canhões de artilharia de MHVMHVDefinição: Multi-Variables-Hyperwaffensystem - Sistema de armas ou armamento Multi-Hiper-Variável MHV...
– com uma variação de tiro núcleo máxima de 2.500 mil km; armas subluz MHVMHVDefinição: Multi-Variables-Hyperwaffensystem - Sistema de armas ou armamento Multi-Hiper-Variável MHV...
– Com canhão térmico desintegrador e canhão paralisador de curto alcance e ultraluz – canhões MHVMHVDefinição: Multi-Variables-Hyperwaffensystem - Sistema de armas ou armamento Multi-Hiper-Variável MHV...
de impulsos, canhões conversores CARC. (PR 2751) 80 lançadores de hiperpulso com uma distância de disparo de núcleo de 10 milhões de km. Somado ao campo paratron. (PR 2751) 2 armas de dissonância e 4 projetores de barreira Aagenfelt (impede o voo linear) em cada um dos dois polos, este último com uma faixa central de fogo de 20.000 mil quilômetros. (PR 2751) 70.000 torpedos e minas espaciais e 50.000 drones exploradores. (PR 2751)

Armamento defensivo: 36 conversores paratron (para a construção de uma bolha paratron sob a forma de um campo paratron, uma sombra paratron ou repulsor paratron), também geradores Aagenfelt anulares para gerar uma barreira Aagenfelt. (PR 2750)

Fonte de alimentação: 36 reatores de fusão, 24 geradores Daellian, armazenadores esféricos spharotraf de fusão solar (PR 2750)

Naves auxiliares: 240 corvetas da classe PHOBOS e 120 naves esféricas menores da classe DEIMOS. (PR 2751) 528 space-jets, incluindo 36 unidades LAURIN da classe ROMULUS com proteção contra rastreamento Anti-Laurin. (PR 2751) 300 shifts, dos quais 150 LÚPUS e 150 planadores de combate CYGNUS. (PR 2751) 420 naves ExplorerExplorerDefinição: Tipo especial de naves terranas para exploração da Galáxia, pertencentes ao Comando da Frota Explorer. No início eram veículos inofensivos, equipados apenas com um canhão energético, mas depois receberam também um canhão conversor. Eram tripuladas por cerca de mil cientistas das mais diversas especialidades. Não recebem nome, somente um número após o nome da classe. Dificilmente haverá duas naves da Frota Explorer que sejam iguais....
da classe HALLEY. (PR 2751) Várias pequenas naves espaciais, tais como ônibus espaciais, planadores, cápsulas de salvamento, e sondas espaciais. (PR 2751)

Capacidade transportadora: 8 cruzadores de batalha da classe MARTE (acoplados no casco), dos quais 4 naves como naves-base para 4 batalhões de desembarque e 4 para operações espaciais. (PR 2751) 36 cruzadores da classe MINERVA, dos quais 18 são naves robóticas teleguiadas. (PR 2751) 144 cruzadores ligeiros da classe DIANA e classe MERCÚRIO. (PR 2751)

Características especiais: 4 nichos para batalhões de desembarque, nichos de suspensão (PR 2750)

Tripulação: Um total de 85.000, dos quais 50.000 pos-bis e 35.000 pessoas, onde os últimos representam o núcleo da tripulação.

Núcleo da tripulação: 35.000 pessoas, incluindo 3.000 na tripulação regular, 600 na reserva e 31.400 na tripulação das naves auxiliares (PR 2750)

Tripulação robótica: além dos 50.000 pos-bis ainda 25.000 robôs multiuso e 30.025 robôs de combate TARA (10.000 TARA-VIII-UH, 20.000 TARA-IX-i e 25 TARA-X-T) (PR 2751)

tara x tNota: A adição T significa “portador” as máquinas da série Tara-X-T são modulares. O conjunto de aproximadamente 20 metros de diâmetro pode ser dividido em várias unidades autônomas. A estrutura é variável. Para isso, vários componentes de diferentes tamanhos estão disponíveis, de modo que as diferentes configurações são possíveis de aplicação. (PR 2750) A unidade central é um disco cilíndrico de 13 metros de diâmetro e 6,5 metros de altura. Ele inclui um computador biopositrônico, o TARA-XT é mais rápido do que a luz. A unidade do núcleo em forma de disco encontra-se rodeado por unidades periféricas. Assim, quatro drones de armas ser encaixado na parte superior e inferior do disco. Além disso, o disco tem 12.000 módulos autossuficientes. Os módulos são cúbicos e tem um comprimento de aresta de 50 cm. Cada um desses módulos multifuncionais tem a função de um Vario-1000, incluindo braços e pernas tentaculares e é envolto por 110, também cúbicos, pequenos drones com 10 cm de comprimento de ponta. No geral, o TARA-X-T leva 1,32 milhão desses drones. Ele pode liberar os nanorrobôs programáveis de vários tamanhos. Além disso, 72 robôs de combate do tipo TARA-VIII-UH podem ser acomodados no disco central.

Fabricante: galácticos, incluindo terranos, mehandors e pos-bis.

Tripulantes conhecidos

Os membros da tripulação (1516 NCG)

Equipe de gestão (1516 NCG)

Que ocupam funções na nave (1516 NCG)

tropas de desembarque (1516 NCG)

  • Benner – swoon, um membro da equipe Vênus

  • Bruce Cattai – terrano, um membro da equipe Vênus

  • Tácito Drake – oxtornense, um membro da equipe Vênus

  • Baucis Fender – terrana, membro da equipe Vênus

  • Patrick St. John – terrano, um membro da equipe Vênus

Naves auxiliares conhecidas

naves auxiliares em posição de funcionamento (1516 NCG)

  • RALPH SIKERON, cruzador da classe MARTE RT-M5 (PR 2765)

  • TAMA YOKIDA, cruzador da classe MARTE RT-M8 (PR 2791, PR 2800)

  • BJO BREISKOLL, cruzador da classe MARTE nave base do primeiro batalhão de desembarque (PR 2801)

  • FANCAN TEIK II, cruzador da classe MINERVA (PR 2765)

  • EDMOND PONTONAC, cruzador da classe MINERVA (PR 2768)

  • ECELLU, cruzador da classe MINERVA (PR 2783)

  • ISHY MATSU, cruzador da classe MINERVA (PR 2800)

História

Reginald BullReginald BullDefinição: Terrano, natural dos EUA. Já foi Marechal de Estado e Vice-Administrador-Geral do antigo Império Solar. Nascido em 14/05/1938, é o melhor, mais antigo e mais próximo amigo de Perry Rhodan. É um homem robusto, de ombros largos, com rosto largo. É gordo, baixo, de olhos azul-claros, sardento, com cabelo ruivo, o qual é mantido cortado à escovinha. No ano de 1971, acompanhou Perry Rhodan na histórica expedição lunar a bordo da Stardust. No ano de 1976, recebeu a aplicação da primeira ducha celular prolongadora da vida no planeta Peregrino e, no ano 2326, recebeu um ativador celular. No entanto, o ativador não o protegeu da afilia. Depois de curado da afilia, ele seguiu Perry Rhodan a bordo da SOL. Seu sobrenome foi alterado nos poucos livros da edição americana para Bell e também saiu desta forma na antiga edição da Ediouro. Por questões de compatibilidade editorial, foi mantido desta forma na edição da SSPG. O Projeto Traduções adotou o nome original....
(1516 NCG)

Os onriones receberam em 1516 NCGNCGDefinição: Novo Calendário Galáctico - Contagem de tempo assumida após a unificação dos povos da Via Láctea sob um único governo. O ano 1 corresponde ao ano de 3588....
evidência de que os terranos estavam trabalhando em uma nave-PPE e queriam evitar isso. Com a aprovação do governo da LTL e em colaboração com Arun Joschannan, portanto, uma abrangente manobra de despistamento foi iniciado a fim de permitir a continuação da construção da nave-PFE de forma despercebida. O onrione Shekval Genneryc fez isso involuntariamente uma vez que ele encaminhou-se com uma frota ao sistema Yogul para instalar três estelas do Ordo. Sua frota estava envolvida em uma batalha espacial, quando também passou para a posse da Residência SolarSolarDefinição: É a moeda oficial do Império Solar. Com a fundação do Império Solar, acabou o tempo em que a Terra tinha uma quantidade enorme de moedas diferentes. Em toda a Terra, como também em todo o Império, passou a funcionar uma única moeda — o solar. Um solar possui cem sólis. As cédulas, laváveis, são feitas de um plástico de alta qualidade. Todas mantêm uma cor esverdeada, são retangulares no formato e tanto maiores quanto mais alto era o seu respectivo valor. Todas as cédulas trazem estampada, na frente, a efígie de Rhodan e, no verso, uma imagem da Via Láctea, atravessada por frotas de naves espaciais. Embora a fabricação de notas de material plástico seja bem difícil, é absolutamente impossível falsificar a rede de uma espécie de metal tramado, da grossura de fios de cabelos, que cada cédula recebe, impressa de conformidade com um procedimento secreto. Esses arames são tão finos que é impossível senti-los com os dedos. São feitos com o raro metal-luurs....
, e foi assim desviada. Mais ou menos ao mesmo tempo, Reginald BullReginald BullDefinição: Terrano, natural dos EUA. Já foi Marechal de Estado e Vice-Administrador-Geral do antigo Império Solar. Nascido em 14/05/1938, é o melhor, mais antigo e mais próximo amigo de Perry Rhodan. É um homem robusto, de ombros largos, com rosto largo. É gordo, baixo, de olhos azul-claros, sardento, com cabelo ruivo, o qual é mantido cortado à escovinha. No ano de 1971, acompanhou Perry Rhodan na histórica expedição lunar a bordo da Stardust. No ano de 1976, recebeu a aplicação da primeira ducha celular prolongadora da vida no planeta Peregrino e, no ano 2326, recebeu um ativador celular. No entanto, o ativador não o protegeu da afilia. Depois de curado da afilia, ele seguiu Perry Rhodan a bordo da SOL. Seu sobrenome foi alterado nos poucos livros da edição americana para Bell e também saiu desta forma na antiga edição da Ediouro. Por questões de compatibilidade editorial, foi mantido desta forma na edição da SSPG. O Projeto Traduções adotou o nome original....
se materializou com um modelo de nave-PFE no dodecaedro solar Kharag e a levou lá já esperando o fogo da frota tefrodense que foram delegadas pelos onriones a conquista ou destruição da nave-PFE. Os tefrodenses acreditaram que Reginald BullReginald BullDefinição: Terrano, natural dos EUA. Já foi Marechal de Estado e Vice-Administrador-Geral do antigo Império Solar. Nascido em 14/05/1938, é o melhor, mais antigo e mais próximo amigo de Perry Rhodan. É um homem robusto, de ombros largos, com rosto largo. É gordo, baixo, de olhos azul-claros, sardento, com cabelo ruivo, o qual é mantido cortado à escovinha. No ano de 1971, acompanhou Perry Rhodan na histórica expedição lunar a bordo da Stardust. No ano de 1976, recebeu a aplicação da primeira ducha celular prolongadora da vida no planeta Peregrino e, no ano 2326, recebeu um ativador celular. No entanto, o ativador não o protegeu da afilia. Depois de curado da afilia, ele seguiu Perry Rhodan a bordo da SOL. Seu sobrenome foi alterado nos poucos livros da edição americana para Bell e também saiu desta forma na antiga edição da Ediouro. Por questões de compatibilidade editorial, foi mantido desta forma na edição da SSPG. O Projeto Traduções adotou o nome original....
estava com a nave-PFE e os destruiu. Assim foi garantida que a construção da nave-PFE fosse continuada sem perturbações. (PR 2745, PR 2746)

Voo para Larhatoon (1517 NCG)

A verdadeira nave-PFE, a RAS TSCHUBAI, foi concluída em um estaleiro camuflado como asteroide em Neo-Ganimedes no sistema Sol até 16 de dezembro de 1516 NCG. No mesmo dia em que foi lançada, disfarçada por estruturas de superfície para além do reconhecimento como se fosse um fragmento enorme e quase cúbico de uma nave pos-bi com o identificador BOX-100.000. Na tela de todo o sistema do cristal a destruição da BOX-100.000 foi falsificada por torpedos de espaço linear onriones. Posteriormente, a RAS TSCHUBAI chegou ao Setor Alvorada. Lá, eles se livraram de toda a estrutura de camuflagem e iniciaram agora em seu voo inaugural intergaláctico aproveitando as novas opções de motor para o portal estelar onrione AIKKAUD. (PR 2750) Em seguida, ela voou em janeiro 1517 NCGNCGDefinição: Novo Calendário Galáctico - Contagem de tempo assumida após a unificação dos povos da Via Láctea sob um único governo. O ano 1 corresponde ao ano de 3588....
para Larhatoon onde esperavam encontrar vestígios do desaparecido Perry Rhodan. (PR 2751)

Após a conquista da CHUVANC, Perry RhodanPerry RhodanDefinição: Administrador-Geral do Império Solar. Desde o final do século XX, Perry Rhodan tem sido reeleito sucessivamente para o cargo, pois foi ele quem, com a ajuda da tecnologia arcônida, unificou a Terra e evitou um conflito nuclear global. Perry Rhodan parou de envelhecer em 1976, quando recebeu do superser Aquilo uma ducha celular....
e seus homens se transferiram para a RAS TSCHUBAI na Sincronia. (PR 2799)

Ras nave2

Legenda:

1. Frete e área de depósito entre os setores de encaixe dos 4 cruzadores superiores da classe MARTE (500 m)
2. Anel de posição de armas (4 peças) com um total de 144 unidades (MHVMHVDefinição: Multi-Variables-Hyperwaffensystem - Sistema de armas ou armamento Multi-Hiper-Variável MHV...
subluz e ultraluz e canhão conversor)
3. MóduloMóduloDefinição: Gigantesca estação espacial móvel da Imperatriz de Therm. Ela percorria a área limítrofe entre as concentrações de poder da Imperatriz de Therm e de Bardioc, pesquisando a região e acumulando informações sobre as atividades de Bardioc. A Módulo era tripulada pelos pesquisadores da Imperatriz, como Douc Langur, e seus s-tarviors, os líderes de setor. No ano 3582, Perry Rhodan, cumprindo uma missão para a Imperatriz de Therm, encontrou a Módulo e salvou o Comp. Devido aos constantes ataques de Bardioc, a estação estava desabitada e seriamente avariada. Embora duas Módulos tenham sido construídas, os terranos conseguiram encontrar apenas uma delas....
cúbico de 500 metros para acomodações e áreas públicas (espaço autônomo adequado de emergência)
4. Anel hangar superior (2 peças) para 36 cruzadores ligeiros da classe MERCÚRIO ou classe DIANA (100 m) e 264 space-jets da classe NEREIDE, ROMULUS até a classe VÊNUS, e classe TRITÃO.
5. Convés do hangar da protuberância externa para 36 cruzadores pesados da classe MINERVA (200 m) e mais 72 cruzadores ligeiros e 36 unidades do esquadrão LAURIN (classe ROMULUS com conversor paratron acoplado)
6. Anel do hangar inferior (ou correspondente superior) com 240 corvetas da classe PHOBOS ou classe DEIMOS (60 m) e 120 pequenas naves globulares da classe JANUS ou classe ESCARAVELHO (30 m)
7. Anel hangar (2 peças) para um total de 720 pequenas naves de classes diferentes, como 150 shifts LÚPULLUS, 150 planadores de combate CYGNUS e 420 caças HALLEY (além de carga e pessoal para escaler, planador, cápsulas de salvamento, sondas de vários tamanhos e equipamentos, etc.)
8. Cruzador pesado da classe MINERVA descarregado
9. Cabeça de projeção de um dos 24 propulsores de empuxo gravotron
10. Posição do anel de armas (2 peças) com um total de 72 unidades pesadas (MHVMHVDefinição: Multi-Variables-Hyperwaffensystem - Sistema de armas ou armamento Multi-Hiper-Variável MHV...
subluz e ultraluz, canhão conversor – e lançador de hiperimpulso)
11. Hangar anelar (2 peças) com tubos de lançamento para 50.000 drones exploradores, novas sondas de vários tamanhos e equipamentos, cerca de 70.000 torpedos espaciais e mísseis de cruzeiro, mísseis espaço terra, sondas de interferência, minas etc.
12. Casco brilhante de ynkalkrit “terrano-blue”.
13. Grande reator de fusão (72 peças) para o abastecimento básico de energia
14. Cruzador de batalha atracado da classe MARTE (total de oito)
15. Banco de Zyklotraf no polo inferior, fonte de alimentação secundária
16. Extrator solar hipertron (2 por polo)
17. Fuso conversor hipertrans no modo ativo do motor remoto conversor hipertrans.
18. Estrutura do conversor de transições (incluindo voos de transição pulsante cronometrado)
19. Conversos de compensação do tipo Hawk V (incluindo módulo de concha integrado e esquema DeBeers e minissonda carregadora.) Como propulsor libotrônico subluz e ultraluz combinado.
20. Coordenador de bioplasma (8 peças) variavelmente comutável, rede de mainframe biopositrônica-hiperimpotrônica autossuficiente no programa de lógica de agrupamento com o centro de semitrônica ANANSI
21. Encaixe de calha do setor (8 peças) de um cruzador de batalha da classe MARTE (pode ser inundado para fins de manutenção com uma atmosfera protegida por um campo defletor)
22. Gerador Daellian- (48 peças) para a fonte de alimentação principal em combinação com aos grandes acumuladores globulares spharotraf (72 peças)
23. Esfera do Núcleo (600 m), em uma “célula de resgate” incorporado na forma de um (adicional) cruzador de batalha totalmente funcional da classe MARTE (no centro, com o diâmetro de 100 metros situa-se a esfera da central de comando principal)
24. Ogygia-Habitat, com um parque medindo 1.800 metros, quatro rios e um lago no centro.
25. Propulsor de empuxo gravotron (24 peças)
26. Oficinas, armazéns, abastecimento e plataformas de fabricação.
27. Anel de Memória Zyklotraf (4 peças)
28. Conversor gerador Aagenfelt em formato circular (8 peças) para hiperbarreira Aagenfelt ou barreira Aagenfelt.
29. Canhão polar de dissonância (2 por polo) como uma versão principal extremamente intensiva de energia do modo de ponto de ruptura de agulha do radiador intervalar.
30. Fuso conversor hipertrans no estado retraído

Desenhos: Gregor Sedlag; Textos: Rainer Castor, Tradução: Márcio Inácio Silva

 

RAS TSCHUBAI – Características especiais:

O “centro nervoso” de uma espaçonave: A central de comando da RAS TSCHUBAI

ras int1

A central de comando da RAS TSCHUBAI parece uma sala: É uma espécie de elipse com 40 metros de comprimento e 40 metros de largura. A sua altura total é de 15 metros. Consiste essencialmente da área inferior de comando onde reside, entre outras coisas, o comandante e uma galeria com painéis funcionais. Mas o centro real é um holocubo gigante.

O Ogygia-Habitat: um parque no centro de uma espaçonave

ras int2

No centro do convés principal 19, o Ogygia-Habitat é encontrado com o seu parque. Tem uma área de dois milhões e meio de metros cubicos ou 250 acres – jornalistas considerariam a comparação com 356 campos de futebol ou 71% do Central Park em Nova York. A bela área de lazer é atravessada por quatro grandes rios e numerosos córregos menores; há um lago no centro. Muitos animais e plantas da Terra povoam o habitat.

ANANSI: nenhum computador especial, mas, um “componente”

ras int3

Entre as mais originais estruturas a bordo da RAS TSCHUBAI está os “cérebros” de computação da nave. Os membros da tripulação só veem a bola de oito metros de diâmetro que flutua na central de comando – acima dos níveis de comando. O interior da esfera age como se fosse atravessada por milhares de finas teias de aranha. Em meio a esses segmentos se senta como uma estátua feita de vidro azulado, a forma de uma menina de quatro ou cinco anos de idade que olha curiosa para o mundo com grandes olhos: ANANSI.

O computador em si consiste de uma rede neural sofisticada com estruturas internas altamente regenerativas; ele forma uma personalidade e um personagem real.

As naves auxiliares: A RAS TSCHUBAI como nave portadora

ras int4

A designação oficial para a nave da classe SUPERNOVA de 3.000 metros de diâmetro é RAS TSCHUBAI, é uma nave para ser usada como nave portadora. Ela é única, sem igual na frota da Humanidade.

Entre as “singularidades” está incluída uma frota de naves auxiliares. Ela inclui centenas de corvetas, caças, espaciais, space-jets, pequenas naves globulares e shifts; planadores, cápsulas de salvamento e sondas espaciais. A RAS TSCHUBAI pode operar independentemente a qualquer momento – como um porta-aviões do século XXI terrano – em uma galáxia estrangeira.

Imprimir Email

Você não tem permissão para comentar. Faça seu login no site ou se registre, caso não tenha um login no site.

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.