PR-RP06 - Nave Fantasma CREST IV

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

cRP06(191)a

"Encontro entre as galáxias – terranos seguem os passos dos rrhaals"

"Uma expedição de rotina se transforma em um pesadelo – entre as estrelas cumprido um destino"

Título Original: Geisterschiff CREST IV

Autor: Kurt Mahr

Tradutor: Marcos Roberto

Revisão: Augustus César, Marcel Vilela de Lima

Artista da capa alemã: Johnny Bruck, Dirk Schulz / Horst Gotta (livro de bolso)

Conversão da capa brasileira: José Antonio

Publicação na Alemanha: 04/1979

Publicação no Brasil: 1989

Época: 3437

Local da ação: Homeside

Personagens principais: Perry Rhodan, coronel Kevan Duryeah, major Lennox Hatt, tenente Remo Shah, Miirmit, Nadim Abouzir, Kjaahrl.

Relação: PR 368

Resumo

Em 23 de setembro de 3437 Perry Rhodan emitiu uma instrução especial: A HAMPTON T. sob o comando do coronel Kevan Duryeah, um cruzador de batalha da classe SOLAR com o novo propulsor dimessexta, deverá seguir o rastro da ex-nave capitânia, a CREST IV, depois de sua volta de M-87. A CREST IV, como é de conhecimento, foi abandonada, há mais de 1.000 ano, após a queima de seus conversores lineares, a cerca de 4,7 milhões de anos-luz de distância de M-87, no espaço vazio. A positrônica de bordo recebeu a instrução para acelerar a nave gradualmente a velocidade da luz e se mover na direção da Via Láctea em um voo de dilatação.

O último sinal goniométrico da CREST IV foi coletado há 50 anos, por causa do alto fator de dilatação de um bilhão, significa que um sinal goniométrico da nave a cada 2 segundos, significa um período de tempo de 50 anos. Em 30 de setembro, a HAMPTON T. começa sua busca pela CREST. O major Lennox Hatt e o navegador, o tenente Remo Shah, discutem animadamente sobre como controlar a CREST, cuja posição não pode ser determinada com precisão. Mas em 6 de outubro, há uma primeira localização. O problema é que a massa do objeto situado é demasiado pequena para ser a CREST. São localizados mais é mais objetos em movimento a velocidade da luz, com o mesmo curso, surge o medo de que poderiam ser os escombros da CREST destruída. Shah, no entanto, pode invalidar essa suposição rapidamente, porque a massa dos detritos localizados excede a massa do ultracouraçado.

Remo Shah sugere ir ao planeta Homeside, para fins de investigação e conversar com os pegas. Ele lembrou que naquela época estranhas criaturas de rocha viva, os rrhaals, tentaram tomar posse da CREST. Ele também acredita que os objetos localizados são rrhaals que perderam a CREST e que os rrhaals reduziram a velocidade da CREST e a sequestraram. Na verdade, isso pode ser comprovado por meio de localizações, e a HAMPTON T. segue a trilha da CREST até que ela se decompõe.

Então Duryeah cede e permite definir um rumo para Homeside. O planeta tem o mesmo efeito proferido a partir dos registros do século 25. Dos pegas inicialmente não se tem notícias, mas após uma mensagem em sua língua, eles logo aparecerem em grande número. Um contato pacífico com os presentes ocorre. Para a surpresa dos terranos, um dos pegas pergunta se eles vieram para procurar a “grande nave”. Além disso, hiperimpulsos são localizados, de que se suspeita, seja uma comunicação dos rrhaals. Duryeah pergunta ao rei Miirmit se é possível visitar o local em que os rrhaals concedem a inteligência aos pegas. Miirmit e seu povo entoam a canção de amizade, e há novamente a localização de fortes hiperimpulsos. Um pouco mais tarde eles estão prontos para liderar um grupo de terranos até a Terra da Elevação.

Duryeah parte na companhia de 182 pessoas. Apenas 18 tripulantes, sob o comando de Nadim Abouzir permanecem na nave. Começa um longo voo em planadores liderado pelos pegas. Lennox Hatt expressa a preocupação de que os rrhaals possam ter a intenção de usar os terranos para serem operados como as gralhas, ou seja, para implantar-lhes uma lasca de rocha no cérebro. Portanto Duryeah envia um pequeno grupo de volta para a nave. A tripulação da HAMPTON T. localiza agora um grande enxame rrhaal, aproximando-se da nave do espaço sideral. O comandante ordena, por segurança, a ativação dos escudos energéticos.

O grupo de Duryeah perde na Terra da Elevação o contato de rádio com a nave. Um novo bando de pegas aparece, mas o seu voo é muito “duro”. Os terranos acham que como muitos pegas voam num bando junto com os membros da expedição, isso os torna extremamente suspeitos. Quando um dos pegas tenta agarrar Duryeah, ele dispara neste com um radiador de impacto. O pega cai e acaba por se revelar um robô. Os outros pegas então rompem sua abordagem, enquanto Duryeah ordena a retirada para a nave.

A HAMPTON T. agora é assolada pelos rrhaals. O campo defensivo ameaça ficar sobrecarregado, por isso Abouzir, com o coração pesado, da ordem de fogo para as armas a bordo. Muitos rrhaals são destruídos antes que o ataque seja repelido. Após períodos prolongados de combate o contato por rádio com o coronel Duryeah pode ser restaurado, inicialmente ele está muito irritado por causa do comando de fogo, mas ele percebe que estava errado. Regressando a bordo, Duryeah verifica que o seu grupo avançado está perdido. Ele ordena uma busca, mas são encontrados apenas dois corpos com cicatrizes cirúrgicas sobre o crânio, atrás da qual realmente encontram uma lasca de rocha. Os outros terranos desapareceram sem deixar rasto. Uma estranha mensagem vem de um dos conveses mais baixo, onde um membro da tripulação disse ter visto uma pedra, mas, a mesma se dissolveu em nada.

Vários dias se passam. Dos pegas, bem como das pessoas desaparecidas, não há vestígios, e Duryeah não sabe como prosseguir. Ele que ordenar a partida, mas, são relatados problemas de computador. Em particular, o computador positrônico principal parece insistir no voo para um ponto de coordenadas específico há cerca de 71.000 anos-luz de distância. Uma investigação leva à conclusão de que um rrhaal deve ter se inserido no computador de bordo e o manipulado. Hatt teoriza que os rrhaals desta forma querem fazer contato. Em 21 de outubro, a HAMPTON T. decola e define um rumo para o local apropriado, onde parece existir um buraco negro.

Dez dias mais tarde, chegaram ao setor espacial. Na verdade, o buraco negro está a apenas 30 a 40 anos-luz de distância. A procura pelos rrhaals começa. Depois de algum tempo de busca, eles encontram um asteroide de cerca de 3.500 km de diâmetro, que tem uma massa muito baixa e, portanto, presumivelmente, é oco. A nave auxiliar 1-HAMPTON voa para ele, e uma tripulação formada por Duryeah, Hatt, Shah, Abouzir e um robô pousa no asteroide. Lá, o robô descobre um portão de aço, atrás da qual um túnel está localizado. Depois de atravessar a comporta os terranos alcançam uma grande cavidade com ar respirável. Lá eles encontram os tripulantes desaparecidos em segurança e saudáveis. Eles não conseguem se lembrar de como chegaram até ali.

Uma análise da rocha circundante mostra que ela é constituída do mesmo material que os rrhaals – o asteroide parece ser um grande rrhaal. Provavelmente o rrhaal não têm inteligência individual, mas apenas como um coletivo. Como salienta ainda mais adiante, mesmo o robô terrano atendente é manipulado pelos rrhaals e se oferece para levá-los. Os terrano concordam, e em uma caverna medindo 50 km eles descobrem a CREST IV completamente intacta. A bordo, tudo está impecável.

Através do computador principal, um ser que se chama Kjaahrl, o Solitário, entra em contato e conta a sua história. Ele não é nada mais do que o asteroide que desenvolveu inteligência e consciência após milhões de anos exposto a radiação do buraco negro próximo. Ansiando por um parceiro, Kjaahrl enviou pedaços de si mesmo, os rrhaals, mas não encontrou nada. Kjaahrl considerava os seres humanos semelhantes a ele e seus mensageiros ou as pegas e, portanto, tentou estabelecer contato através da implantação de partes de si mesmo, mas percebeu seu erro. Kevan Duryeah finalmente esclarece o mal-entendido, oferecendo a amizade da Humanidade. Kjaahrl relatou que a luz azul do centro vai matá-lo, mas que ele ainda vai viver milhões de anos. Uma evacuação não é possível, porque ele precisa da radiação do buraco negro para manter a inteligência. Os humanos atualizam os dados sobre a história humana até 2433, que Kjaarhrl assumiu a partir das memórias da CREST, e lhe dá a CREST IV como um presente. Em seguida, eles voam de volta para a Via Láctea.

Gostou deste resumo? Então saiba como participar do Projeto Traduções! Este livro está disponível para leitura na integra. 

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir Email

Você não tem permissão para comentar. Faça seu login no site ou se registre, caso não tenha um login no site.

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.