PR0465 - Mandado de Busca da MARCO POLO

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

PR465

“A expedição dos oito mil em risco – um esconderijo transforma-se em uma armadilha mortal.”

Título Original: Ein Steckbrief für die MARCO POLO

Autor: Hans Kneifel

Tradutor: Ayres Carlos de Sousa

Artista da capa alemã: Johnny Bruck

Publicação na Alemanha: 17/07/1970

Publicação no Brasil: 1989

Época: Janeiro de 3438

Local da ação: Gruelfin, Planeta Leffa

Personagens principais: Perry Rhodan, Ovaron, Joaquim Manoel Cascal, Geoffry Abel Waringer, almirante Maschyleen, coronel Elas Korom-Khan, Schekret

Visão Geral

Resumo

A fuga da MARCO POLO das proximidades do planeta Oldon não passa despercebida. Flotilhas de espaçonaves dos takeres seguem os terranos, muito rapidamente e com precisão Após fuga bem-sucedida para o hiperespaço, os terranos verificam que as flotilhas dos takeres podem continuar a seguí-los.

Obviamente, os takerers têm um dispositivo que é equivalente ao sensor de semiespaço de produção terrana. As frotas de milhares de espaçonaves podem até mesmo alcançá-los a qualquer momento. Nas próximas horas, os emocionautas usam toda a sua experiência cosmonáutica, mas não são capazes de superar as espaçonaves takeres.

O comandante da frota, o almirante Maschyleen, transmite em todas as frequências, um mandato de apreensão da MARCO POLO. A espaçonave se torna, nesse setor, o inimigo público número 1 de Gruelfin. Além disso Maschyleen aciona uma segunda frota, que também caça a MARCO POLO.

Perry Rhodan e Atlan querem tentar um truque. Joaquim Manoel Cascal recebe a ordem de preparar um space-jet com a ajuda de Geoffry Abel Waringer e o transformar em uma bomba com pilotagem remota instalada.

Na área onde a segunda frota takerer deve intervir, a MARCO POLO mergulha na corona da estrela azul gigante Gelcher Lambda. A espaçonave mergulha tanto quanto possível na atmosfera solar. Ao mesmo tempo, o space-jet totalmente carregado com bombas conversoras do calibre mais pesado é descarregado. O campo defensivo dele foi reforçado várias vezes, para que a pequena espaçonave nas condições difíceis de localização, possa ser confundida na atmosfera solar com a MARCO POLO.

As unidades dos takeres que localizam a espaçonave dispararam imediatamente. O primeiro golpe no campo defensivo desencadeia um sinal que sobrecarrega o sugador hipertron do jet. O campo defensivo incha, três segundos depois as unidades takeres disparam, com os primeiros impactos sobre o campo defensivo, o space-jet explode com todas as bombas conversoras a bordo.

O resultado é uma explosão que deve convencer os takeres de que a MARCO POLO foi destruída. A verdadeira MARCO POLO está tão profunda quanto permite os campos defensivos, entrou na atmosfera do gigante azul e aguarda a retirada das frotas. Todos os membros da tripulação estão com os seus trajes protetores fechados e campos defensivos ligados. Nas profundezas, quase nenhumas localizações são possíveis, a espaçonave está praticamente cega. Só em parte detecções locais podem ser feitas. Por horas a espaçonave puxa sua órbita ao redor do sol. Os campos defensivos são sobrecarregados por protuberâncias solares e repetidamente ultrapassam a marca de cem por cento.

Depois de mais de três horas, ocorre o desastre, os campos defensivos não pode conter toda a energia do sol. Os campos defensivos não desmoronam, mas deixam passar energias. Esta energia afeta todas as moléculas de água desprotegidas e transforma a água em hélio. Todos os tanques de água explodem devido a um súbito aumento da pressão de gás, bem como as tubulações, alimentos desidratados e outras substâncias em que contem água. Os campos defensivos individuais ativados salvam a tripulação do perigo que transformaria até mesmo a água do corpo em hélio.

A explosão faz grandes estragos em todas as partes da espaçonave e naves auxiliares e deixa a espaçonave sem água. A MARCO POLO sai imediatamente do sol. A tripulação observa quando a última unidade inimiga entra no espaço linear. A maioria dos danos pode ser reparada nas próximas horas com as ferramentas padrão, porque todas as explosões foram não energéticas, mas sim provocadas por excesso de pressão.

Mas um problema existencial é a água, que existe apenas nos trajes da tripulação. A água deve ser reposta dentro de 72 horas, caso contrário, a espaçonave estará perdida. Com a ajuda de Ovaron e o Iniciado Shekonu, o planeta Leffa é escolhido; não está muito longe, um mundo desértico, mas com a água na forma líquida.

Durante as operações de limpeza, a espaçonave inicia o voo para Leffa. A situação a bordo é crítica, a escassez de água torna-se rapidamente perceptível. Começam disputas pela água. Apesar da pressa, a MARCO POLO espera na beira do sistema estelar e Perry Rhodan envia três exploradores escolhidos para explorar o planeta Leffa. Os exploradores veem um mundo sem habitantes, deserto – e água em pequenos lagos, sem oceanos. Porque não há outra alternativa a MARCO POLO pousa em Leffa.

Para evitar surpresas, a MARCO POLO voa até 110.000 quilômetros no espaço linear, diminui a velocidade e cai diretamente em Leffa em um lago. A surpresa, no entanto, é perfeita, quando a MARCO POLO em cerca de 45 km de altitude voa através de uma espécie de campo – e um mundo totalmente povoado e industrializado está sob a espaçonave. Uma arremetida não está em questão, a espaçonave pousa em um lago, na frente de uma cidade.

A defesa de Leffa não poderia responder tão rapidamente, a MARCO POLO foi muito rápida e voou muito baixo. Agora, as grandes armas não podem ser usadas sem pôr em perigo o planeta. Sob a proteção do campo paratron os técnicos começam a bombear água para a espaçonave. O processo leva mais de 24 horas. Os habitantes do planeta não dão sinal de vida, a espaçonave é bombardeada esporadicamente, mas não é atacada seriamente.

No entanto, a bordo do MARCO POLO também se está ciente de que a espaçonave não pode decolar. Ela seria abatida pela defesa de solo, quando a distância fosse tão grande que Leffa não estivesse comprometida.

Ao mesmo tempo, o oficial takerer em Leffa, Schekret, considera o dilema. A espaçonave deve ser – dada a importância de Leffa para o império takerer – absolutamente destruída.

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir Email

Você não tem permissão para comentar. Faça seu login no site ou se registre, caso não tenha um login no site.

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.