PR0466 - A Cidadela e a Espaçonave

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

PR466

“Eles são adversários – o segredo mortal de Leffa encontra-se entre eles.”

Título Original: Die Stadt und das Raumschiff

Autor: Hans Kneifel

Tradutor: Ayres Carlos de Sousa

Artista da capa alemã: Johnny Bruck

Publicação na Alemanha: 24/07/1970

Publicação no Brasil: 1989

Época: Janeiro de 3438

Local da ação: Gruelfin, planeta Leffa

Personagens principais: Perry Rhodan, Schekret, Joaquim Manoel Cascal, a Echidna, Ras Tschubai, Ovaron, Gucky, Marceile

Visão Geral

Resumo

A MARCO POLO pode novamente encher os tanques de água no planeta Leffa, em uma ilha em frente à cidade de Opus Mil. O último trabalho de manutenção é executado.

Leffa é um planeta secreto dos takerer. Ele é, portanto, equipado com armas. Enquanto a espaçonave terrana estiver com o campo defensivo os takeres não podem atacar com armas para destruir a MARCO POLO, sem pôr em perigo o planeta. Mas, uma vez que a espaçonave decolar para o espaço e estiver longe o suficiente de Leffa, inevitavelmente seria atingida. Há um impasse entre os terranos e takerers.

Os takerers enviam uma nave-correio sem os terranos poderem intervir em seu curso. Portanto, a MARCO POLO deve se apressar antes que uma frota takerer possa bloquear o planeta.

Negociações iniciais entre Perry Rhodan e comandante takerer Schekret são inconclusivas. Os takeres ordenam a decolagem da espaçonave. No entanto, Perry Rhodan só partirá se Schekret garantir uma partida suave. Ambos os lados podem e não querem confiar um no outro.

Como primeira medida depois de conversar com Schekret, Perry Rhodan fura um poço de 40 km de profundidade com uma broca na proteção do campo paratron. Na borda do núcleo líquido são depositadas bombas de Árcon com dispositivos de ignição via rádio. Depois disso, o poço é tampado. A ação é transmitida com comentários para os takeres.

Na próxima conversa com Schekret, Perry Rhodan promete desarmar as bombas quando a MARCO POLO não estiver mais na área. Schekret e os seus oficiais estão convencidos de que o terrano vai detonar as bombas em qualquer caso. Portanto, as negociações falham.

Na noite seguinte, em Opus Mil, as missões dos mutantes tem início. Ras Tschubai se teleporta para as oficinas e armazéns. Acontece que há muito poucos takeres vivendo lá. Opus Mil não é uma cidade, mas um enorme complexo industrial, onde são montados máquinas e equipamentos de outras partes de Leffa. Parecem ser partes de naves espaciais.

Diferentes equipes percorrem a cidade com o teleportador. Entre outras coisas, Ras Tschubai encontra um comunicador dakkar – um aparelho de rádio. Quando Tschubai e Ovaron roubam quatro unidades de uma linha de montagem, a fábrica aciona um alarme. Porém Schekret não acredita que os terranos estão envolvidos na questão. Em outro lugar Ovaron saqueia uma biblioteca científica. Entre outras coisas, ele descobre o plano de um sensor de semiespaço takerer. Outra tecnologia que indica para Ovaron que Leffa é o local de produção para os pedogoniômetros. Eles também podem capturar um dispositivo codificador de rádio dos takeres.

Depois de observarem todos os dados capturados, fica provado que Leffa está produzindo um pedogoniômetro takerer. A condição das fábricas só permite a conclusão de que não será o primeiro pedogoniômetro a ser construído em Leffa. É cada vez mais claro que a invasão dos takeres não será feita com uma frota, mas usando os pedogoniômetros. Um duro golpe para os terrano de Perry Rhodan que estão procurando há meses em Gruelfin por uma frota de invasão.

No entanto, com estes resultados, é ainda mais urgente a fuga de Leffa. Ainda assim, há um impasse entre a MARCO POLO e Opus Mil.

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir Email

Você não tem permissão para comentar. Faça seu login no site ou se registre, caso não tenha um login no site.

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.