PR1946 - O Quinto Enviado

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

PR1946

"Crônicas dos gharrianos – eles protegem o portão de iluminação"

Título Original: Der Fünfte Bote

Autor: Uwe Anton

Tradutor:

Artista da capa alemã: Swen Papenbrock

Publicação na Alemanha: 08/12/1998

Publicação no Brasil: 

Época: Julho de 1290 NCG

Local da ação: Sistema Solar

Personagens principais: Mhogena, Cistolo Khan, Atlan da Gonozal, Paola Daschmagan, Vincent Garron

Curiosidades: 

Visão Geral

Resumo

16 de julho de 1290 NCG, Trokan: Os terranos recebem uma visita surpreendente. Uma criatura bastante ferida sai cambaleando do domo cogumelo em Trokan. O recém-chegado se parece incrivelmente com um maahk e se apresenta como o Quinto Enviado de Thoregon. Ele se diz chamar Mhogena e usa um Passantum, um fato que atesta sua credibilidade, pois apenas com um Passantum é que alguém pode cruzar a Ponte no Infinito. Ele diz vir da galáxia Chearth, onde seu povo, os gharrianos, precisam urgentemente da ajuda dos terranos. Segundo a mensagem de Mhogena, os gharrianos estão sendo ameaçados por Guan a Var. Com essas palavras, Mhogena desmaia, exausto.

Os terranos tentam por todos os meios salvar a vida de Mhogena. O gharriano é transferido para uma clínica especial na Terra, onde o ara Murx-Voxia dedica-se ao respirador de hidrogênio. Porém, para a recuperação total de Mhogena, torna-se crucial o tratamento profissional de alguns médicos maahks, que tinham vindo a pedido de Cistolo Khan do mundo diplomático de Maahkora. Pelos outros maahks que acompanham os médicos, os terranos percebem que os maahks também estão bastante interessados no estranho visitante. Apesar da evidente relação entre os maahks e os gharrianos, há algumas diferenças entre as duas raças. Por exemplo, Mhogena é maior e tem os ombros mais estreitos. Os gharrianos estão habituados a uma gravidade inferior, e portanto seu coração e pulmões são significativamente menores. São especialmente notáveis as fortes diferenças no DNA e no padrão de ondas cerebrais. A frequência dos gharrianos é essencialmente mais alta e mostra uma atividade inesperadamente frenética – um fato que os médicos não conseguem explicar no momento.

Enquanto terranos e maahks ficam sabendo os primeiros detalhes sobre o passado dos gharrianos, o adversário político de Paola Daschmagan começa a explorar a aparição do Quinto Enviado em sua campanha eleitoral. Pode-se prever que, em caso de uma derrota de Paola Daschmagan, provavelmente os gharrianos solicitariam em vão ajuda dos terranos. Pelas informações de Mhogena, pôde-se determinar nesse meio tempo a localização da galáxia Chearth. Trata-se da nebulosa estelar NGC 4736, distante 15 milhões de anos-luz.

O “Mutante da Morte”, Vincent Garron, que ainda se mantinha no Sistema Solar e influenciava sugestivamente Solder Brant, começa a perder contato com a voz do seu senhor do hiperespaço. A misteriosa entidade Quotor aparece bem mais raramente que antes. Quando Vincent Garron materializa-se acompanhada da garota blue Tuyula nas proximidades da estação médica em que Mhogena está sendo tratado, o Mutante da Morte percebe impulsos genuínos cuja origem parece ser o Quinto Enviado. Os impulsos afetam Garron de forma assustadora e repulsiva. Em vão, ele tenta desesperadamente entrar em contato com Quotor.

Enquanto isso, Mhogena tem que reconhecer, desapontado, que nem mesmo eventos de importância cósmica conseguem desviar os terranos dos seus esquemas eleitorais. Paola Daschmagan ainda não tinha concordado em marcar um encontro pessoal com o Quinto Enviado. Para Mhogena é difícil compreender como os terranos desconsideram suas prioridades. Informado da chegada do Enviado, Atlan aparece no Sistema Solar. Por causa de sua valiosa experiência em relação aos maahks com conselhos e ações, ele é levado ao local.

Mhogena continua sua narrativa sobre o passado de Chearth. Os terranos ficam sabendo que certa vez os nonggos apareceram para contatar os gharrianos. Os nonggos falaram de uma ameaça cósmica, os vermes solares e Guan a Var, que se alimentavam de energia solar. Isso tinha consequências fatais para os sóis atacados, pois eles tornavam-se novas prematuramente e se consumiam. No final a galáxia inteira virava um aglomerado de estrelas mortas e frias. Os nonggos armaram um plano para poder prender Guan a Var numa armadilha, e pretendiam executar esse plano na galáxia Chearth. Com o Cofre Solar, uma concentração de sóis criada artificialmente, eles conseguiram seu intento e a ameaça cósmica pôde ser banida.

Os gharrianos foram aceitos como quinta raça da coalizão Thoregon e assumiram daí em diante a missão de proteger o Cofre Solar. Depois, quando Mhogena foi nomeado Quinto Enviado e foi-lhe entregue a nave mensageira THOREGON V, os gharrianos descobriram tudo sobre as raízes de seu povo...
Após a fuga dos maahks da Via Láctea, causada pelos lemurenses, um comboio topou com naves halutenses. Os halutenses, que naquela época ainda não estavam pacificados, perseguiram a pequena frota maahk e levaram as naves até um transmissor solar dos lemurenses, até então desconhecido. O transmissor foi imediatamente destruído pelas bestas após a passagem dos maahks, e a frota rematerializou-se na galáxia Chearth, distante 15 milhões de anos-luz. Não se podia afirmar, com certeza, se a concentração de 60 estrelas, das quais foi construído depois o Cofre Solar, funcionava como contra-estação. Os maahks, que agora se autodenominavam gharrianos – que significava algo como “os recém-chegados” em sua língua – multiplicaram-se e desenvolveram-se de modo independente. Ao longo dos séculos, os gharrianos desenvolveram sentimentos e abandonaram a lógica pura. Eles pacificaram a galáxia com a “Filosofia da Areia” e foram finalmente nomeados como Quinto Povo de Thoregon.

Mhogena conta ainda que recentemente aconteceu uma invasão dos algiotes, uma raça nômade do espaço vinda de um setor distante 4 milhões de anos-luz da nebulosa estelar. Os algiotes, que já tinham tido contato com os povos de Chearth diversas vezes, eram seguidores de um culto religioso radical e tinham ocupado com 200.000 naves de combate o Cofre Solar e os sistemas vizinhos. Os gharrianos nada puderam fazer contra essa força toda. Entre os mundos ocupados encontra-se também Thagarum, o planeta em que se situa o domo cogumelo dos gharrianos. Com uma manobra audaciosa, Mhogena atravessou as fileiras dos algiotes e conseguiu chegar à superfície de Thagarum. Sua nave, a THOREGON V, foi destruída com isso, porém o Quinto Enviado conseguiu entrar no domo cogumelo e chegar até Trokan, onde finalmente pediu ajuda aos terranos.

Após a conversa de Mhogena com Paola Daschmagan, vem porém a desilusão. A Primeira-Terrana não dá apoio ao Quinto Enviado através de uma poderosa frota espacial. Mhogena fica chocado. Para ele é completamente incompreensível que um povo da coalizão não preste ajuda a outro. Atlan sugere a Mhogena que voem para Mirkandol para pedir ajuda ao Galacticum, no momento a única alternativa disponível. O desapontamento toma conta de Mhogena.

Enquanto isso, o “Mutante da Morte”, Vincent Garron, que percebe os solmothes como figuras coloridas no seu mundo em preto e branco, resolve partir para Árcon I. Ali, em Mirkandol, os seres aquáticos servem de mediadores entre as facções do Galacticum. Lá ele poderá encontrá-los!

Gostou deste resumo? Participe do Projeto Traduções! Clique aqui para criar uma Conta.

Imprimir Email

Você não tem permissão para comentar. Faça seu login no site ou se registre, caso não tenha um login no site.

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.