Ciclo 06 - M-87

Episódios 300 a 399 – Período da história: 2435 a 2437
Data de publicação na Alemanha: 1967 a 1969
Data de publicação no Brasil: 1986 a 1988

Os policiais do tempo e suas espaçonaves vivas atacam o Império Solar, na tentativa de punir os terranos por seus crimes contra o tempo. Perry Rhodan é enviado para a galáxia M-87 com sua nave-capitânia CREST IV e descobre a origem dos halutenses. Os terranos avançam para as Nuvens de Magalhães e conseguem finalmente derrotar os líderes da Polícia do Tempo.



PRBR 0300Na Terra e em todos os mundos habitados por terranos registra-se o ano 2435. As três décadas passadas desde o fim dos senhores da galáxia foram utilizadas pelos terranos para um pacífico trabalho de construção e consolidação interna. Esta época tranquila chega a um brusco fim quando os livre mercadores interestelares de Roi Danton são caçados pelos homens de Rhodan e travam um combate aparentemente real no planeta Rubin. Um robô gigante surge das profundezas do cosmos. O cérebro coordenador do gigante interpreta falsamente os acontecimentos e envia uma frota de ultracouraçados. Começa uma campanha de destruição contra as unidades terranas.

O robô gigante, que recebe o nome de OLD MAN logo após, tem a forma de uma semiesfera com um diâmetro na base de 200 km, com 12 plataformas portadoras com 840 ultracouraçados cada uma acopladas a ela. Pouco tempo depois os terranos descobrem que OLD MAN na realidade foi enviado para eles como um presente que deveria entrar em ação na luta contra os senhores da galáxia. O tênder da frota DINO III, que naquela época foi enviado ao passado para ajudar Rhodan, não se encontrou com ele devido ao salto temporal de 500 anos feito por sua nave capitânia. Apesar de tudo, para ajudar o Administrador Geral, uma parte da tripulação da nave construiu há 52.000 anos atrás, com a ajuda das instalações técnicas de um planeta lemurense, um robô gigante, que deveria ajudar mais tarde a Humanidade em sua luta contra os senhores da galáxia. Em virtude de um erro de cálculo a gigantesca construção atrasou-se para seu encontro e chegou primeiramente ao setor Alvorada, quando já não existia mais nenhum senhor da galáxia.

Antes que a confusa realidade possa esclarecer-se completamente, OLD MAN é guarnecido por hipno cristais. OLD MAN segue viagem e voa para a estrela de Jellico, num setor exterior da Via Láctea Os hipno cristais aumentam sua influência e subjugam em pouco tempo a população do segundo planeta. Os dois últimos homens livres conseguem enviar informações importantes para Rhodan, que levam as naves CREST IV e FRANCIS DRAKE a uma perseguição de pistas semi-espaciais, que as conduz à Grande Nuvem de Magalhães. Os terranos constatam que há povos muito diversos em Magalhães, e lentamente eles descobrem mais detalhes. Os gurrados são homens leão humanoides, que antigamente dominavam as Nuvens de Magalhães, porém então foram atacados e perseguidos pelos generais e perlians e atualmente limitam-se a ações de guerrilha contra seus opressores.

Os perlians possuem um para órgão, com o qual conseguem ver um décimo de segundo no futuro. Como “condicionados em terceiro grau” eles exercem a função de polícia na área da Grande Nuvem de Magalhães. Os hipno cristais. originam-se dos chamados mundos Danger e de lá são extraídos em grande quantidade e transportados para o sistema Modula. Lá os cristais são transformados então em agentes de cristal.

Após muitas lutas na pequena galáxia os mundos Danger são guarnecidos por frotas terranas em uma ação relâmpago. No centro de cada mundo Danger encontra-se um gigantesco cristal-máter. O atacado cristal-máter de Danger-I anuncia-se e transforma-se em hovalgônio puro. Por este processo ocorre uma reação semelhante nos outros cristais. Com isso todos os agentes de cristal situados em Magalhães se tornam inofensivos com um só golpe.

A capitulação dos perlians, generais e agentes de cristal diante dos terranos leva finalmente ao envio de um sinal nas profundezas do cosmos e como consequência um gigante acorda, com a missão de lutar contra os “criminosos do tempo” terranos. O vigilante de vibrações Tro Khon, um condicionado em segundo grau, acorda e parte com seu dolan, uma nave espacial viva. Os condicionados em segundo grau são seres semelhantes aos halutenses, que carregam um parceiro simboflex na nuca, que cuida para que seu portador não se torne infiel às ordens do misterioso Primeiro Poder Vibratório.

Tro Khon é membro da chamada Polícia do Tempo. Ele ataca OLD MAN e assume o controle absoluto do robô gigante. Outros vigilantes de vibrações chegam com seus dolans a bordo da nave-robô. Quando OLD MAN ruma a caminho da Via Láctea, a Frota Solar ataca. Uma batalha espacial de grandes proporções ocorre. Durante o conflito a Crest IV entra na área de influência de uma sinistra arma da Polícia do Tempo e é arremessada para uma desconhecida região do universo. As medições revelam aos tripulantes que eles estão na galáxia esférica gigante M-87, distante 32 milhões de anos-luz da Via Láctea e pertencente ao aglomerado galático de Virgem. A galáxia estranha tem um diâmetro de cerca de 200.000 anos-luz e um peculiar jato irradiador azul, que se origina do centro da galáxia.

Após as primeiras sondagens das regiões próximas os terranos entram em contato com os skoars, a antiga casta de soldados de M-87, que com o passar do tempo degenerou-se. No planeta fazenda Truktan os terranos libertam o Skoarto, um portador da luz azul do centro.

Algum tempo depois os terranos conseguem sequestrar o druis Agen Thrumb, um engenheiro de base. Ele também porta a luz azul. O druis, pertencente também a um povo semelhante aos halutenses, é o senhor absoluto de estações interestelares, que se encontram tanto em planetas como no espaço e que como estações comutadoras fornecem o suprimento de energia da luz azul do centro.

Neste meio tempo surgem na Terra seres belicosos que inspiram o medo nos homens. Os policiais do tempo ameaçam o Sistema Solar, mas os terranos possuem o aparelho REMF, um mecanismo anexo a canhões conversores normais que com sua ajuda conseguem destruir qualquer objeto no interior de um campo paratron. Com isso é possível aos terranos combater os dolans. Os confiantes policiais do tempo sofrem uma pesada derrota. Apenas Tro Khon consegue escapar do inferno e fugir do Sistema Solar. Porém seu dolan é perseguido por uma nave sob o comando de Don Redhorse, que descobre um gigantesco arsenal dos policiais do tempo escondido no hiperespaço. Um outro grupo de ação consegue penetrar em OLD MAN e conquistar o presente para a Humanidade.

Apesar do último sucesso, os terranos contam com o surgimento de uma grande frota de dolans. Os homens organizam uma nova arma secreta: Paladino, um robô dirigido pelo Thunderbolt Team, um grupo de seis siganeses, que se parece exteriormente com um halutense e que é capaz de enfrentar um vigilante de vibrações. Tro Khon consegue se desligar de seu parceiro simboflex. Assim que ele descobre ser controlado por um poder sinistro, ele deserta e abastece os terranos pouco tempo depois com importantes informações.

Neste meio tempo frotas de dolans destroem florescentes colônias do Império. Como resposta os halutenses entram em ação e destroem uma estação incubadora dos parceiros simboflex, situada também no hiperespaço.

Os terranos sabem que o verdadeiro cessar fogo somente chegará quando eles puderem apresentar aos condicionados em segundo grau provas de que os terranos não são criminosos do tempo.

O Marechal de Estado Bull começa uma missão que deve desativar toda experiência com o tempo. Os terranos já sabem as razões de estarem sendo incriminados, pois em Pigell, um planeta de Vega, existe já há 50.000 anos um transmissor temporal, com uma capacidade de alcance máximo de salto de 500 anos. Um abafador de vibrações impede que o Primeiro Poder Vibratório saiba das atividades temporais dos lemurenses e dos senhores da galáxia. Durante o salto da CREST III o abafador falhou e a partir daí a Polícia do Tempo elabora seu plano contra os terranos.

Tro Khon apoia os terranos e facilita a um comando formado por halutenses, pos-bis e homens a possibilidade de se transferir também para M-87 e encontrar a CREST IV e a nave halutense. Lá eles se encontram com os mooghs, uma parte do povo das feras, que preparam uma luta contra os construtores do centro (CdC). Os mooghs possibilitam aos recém-chegados o contato com a CREST IV e Perry Rhodan. Rhodan quase consegue se apoderar de conversores paratron, com os quais o voo de regresso poderia finalmente ser feito, mas frotas de dumfries, a nova casta de soldados de M-87, chegam e forçam a fuga dos terranos.

Para ainda assim conseguir uma possibilidade de regresso, a CREST IV vai ao sistema solar dos okefenokees. Eles são chamados de “Filósofos de M-87”, devido à sua intelectual ocupação principal. Eles vivem em Pompeo Posar, no sistema Scintila. Estes anões humanoides com cerca de um metro de altura são teleportadores naturais, que fortalecem suas capacidades através do recurso dos discos paraport. As feras atacam o sistema Scintila, porém os terranos e okefenokees unidos conseguem resistir ao ataque. 32 okefenokees mortos começam pouco tempo depois uma viagem ao desconhecido e Atlan segue a frota de esquifes voadores com uma corveta. O destino desta viagem é o mundo sem sol Monol, próximo ao centro de M-87. O planeta é feito de neo-hovalgônio cristalino que há muito tempo desenvolveu hipno cristais com capacidades sugestivas próprias. Foi dali que há dezenas de milhares de anos os hipno cristais foram transportados para as Nuvens de Magalhães, onde eles se tornaram depois armas espirituais do Primeiro Poder Vibratório contra o Império Solar.

Sobre o planeta Monol localiza-se um artefato anelar com um brilho dourado, o transmissor de Ouro, que pode transportar objetos para a luz azul do centro. Monol é uma estação para a transformação de forças energéticas normais em formas de energia hiperenergéticas. Ali chegam, transportados pelo Movimento Absoluto, os recipientes semelhantes a caixões dos okefenokees biologicamente mortos, que sofrem uma hiperregeneração biofísica nas torres cristalinas de Monol. Através deste tipo de renascimento os okefenokees originam os construtores do centro, os senhores de M-87.

Os terranos conseguem pouco tempo depois dos pelewons, o povo principal das feras existentes em M-87, um convite para uma visita ao seu mundo central no sistema Dusty Queen, pois os pelewons estão interessados em novas informações de Rhodan. A CREST IV pousa no mundo central dos pelewons, mas, quando ocorre uma traição, os terranos destroem em legítima defesa a estação comutadora principal, que leva ao colapso da bolha de vida e à decadência do planeta Pauper. Antes que o sistema Dusty Queen soçobre completamente, os terranos voam para o primeiro planeta, Zootkohn. Lá também vivem pelewons que forçam cientistas prisioneiros dos okefenokees a desenvolverem novas feras e dolans dos ovos dos skoars. Os terranos libertam os escravos e descobrem importantes informações que levam ao mundo aquático Ednil, que para a surpresa de todos é o mundo natal dos perlians. Rhodan descobre em Ednil uma medusa gigante com excrescências em forma de verruga, que são idênticas aos olhos do tempo dos perlians.

Rhodan deseja finalmente estabelecer uma união com os CdC, para poder voltar à Via Láctea Ele sabe que os CdC são conduzidos por grandes anéis transmissores para a hiperregeneração biofísica na superfície de Monol e que de lá são transportados para a área central da luz azul do centro de M-87. A área central foi criada há muito tempo artificialmente pelos CdC de uma supernova no centro de M-87. A supernova alcança nesta altura incontáveis estrelas vizinhas, formando um gigantesco sol oco com um diâmetro de 6.620 anos-luz. Este sol oco contém o sistema Wheel e é responsável pela luz azul do centro. A luz do centro serve como uma arma de defesa contra um novo ataque das feras, pois toda nave não preparada tecnicamente que materialize em M-87 com a ajuda de um propulsor dimetrans é destruída pela luz do centro.

Acontecimentos de grande importância cósmica tornam-se claros para os terranos: há cerca de 70.000 anos atrás os construtores do centro iniciaram experiências biofísicas, cujo resultado deveria ser o surgimento de uma super-raça a partir do povo dos skoars. Os ovos fertilizados dos skoars foram submetidos a um peculiar processo de crescimento em Zootkohn, paralelamente com uma alteração orientada da massa resultante. O produto foram os protótipos das feras. Através de efeitos negativos no decorrer da influência genética, os seres educados para serem dominados desenvolveram qualidades de caráter negativas, e finalmente as feras se colocaram contra seus criadores. Começou uma devastadora guerra, que terminou com a derrota das feras, as quais contudo graças aos propulsores dimetrans conseguiram abandonar M-87 e estabelecer-se nas Nuvens de Magalhães. Ali se desenvolveram os ulebs, os condicionados em segundo grau e os halutenses.

Os CdC desenvolveram um trauma contra as feras e os povos aparentados. A luz azul do centro foi construída como uma arma de defesa, para tornar improvável a volta das feras.

Contudo além disso os descendentes das feras desenvolveram uma paranoia coletiva: os ulebs, também chamados de condicionados em primeiro grau e os verdadeiros senhores das Nuvens de Magalhães, sabem por um inútil ataque a M-87 que cientistas dos okefenokees trabalhavam no desenvolvimento de uma máquina do tempo. Assim eles temem que sua existência possa ser anulada através de uma manipulação temporal. A partir daí eles então tentam impedir qualquer experiência com o tempo. Isto explica a origem da Polícia do Tempo e também a ação dos agentes de cristal contra o Império Solar.

Depois que Rhodan conhece o segredo dos CdC, ele usa isto para conseguir um meio técnico de retornar à Via Láctea Os terranos recebem conversores paratron para as duas naves halutenses atuantes em M-87. As duas naves recebem toda a tripulação da Crest IV e alcançam realmente o centro da Via Láctea, porém neste momento eles precisam abandonar a nave, pois uma comutação de retorno dos CdC ativa os conversores paratron novamente e as naves partem para M-87, onde são destruídas pela luz do centro.

PRBR 0350Os terranos são salvos pouco depois por um comando de busca de dolans de Vivier Bontainer do mundo selvático no qual conseguiram pousar com muita sorte.

Quando os homens aguardam por ajuda dos halutenses em sua luta contra os dolans, eles começam uma expedição às profundezas de seu mundo natal no núcleo da Via Láctea Os halutenses, que há cerca de 50.000 anos dominaram toda a Via Láctea e expulsaram os lemurenses para Andrômeda, foram transformados em seres pacíficos por um aparelho irradiador dos lemurenses e limitam-se a partir daí a apenas observar os acontecimentos na Via Láctea. Porém a busca pela arma da paz termina com um fiasco. O aparelho irradiador não provoca nenhum efeito nos parceiros simboflex.

Com isso começa uma nova grande ofensiva dos dolans. O fim da Terra parece ter chegado, quando uma frota de vigilantes de vibrações penetra inexoravelmente no Sistema Solar. Porém, quando tudo parece perdido, OLD MAN revela uma comutação de sondagem. Para resistir ao ataque, o robô gigante utiliza uma nova arma, o radiador de contracampo, desenvolvido pelos lemurenses e capaz de romper um campo paratron. O cérebro de Rog Fanther, o verdadeiro comandante de OLD MAN, indica a Rhodan o caminho ao planeta Satyat. Lá se encontra o material hiperirradiador eclisse, necessário para a construção do radiador de contracampo. Um outro voo leva Rhodan ao planeta de metano Scorcher, onde se encontram ainda centenas de pesquisadores lemurenses conservados, que outrora lutaram contra maahks que pousaram naquele planeta. No planeta vizinho Scimor cientistas lemurenses desenvolveram após a destruição do império lemurense o radiador de contracampo. Depois os terranos chegaram com uma nave auxiliar da DINO III em Scimor, onde unidos a cientistas lemurenses construíram OLD MAN.

Scimor foi destruído por uma frota de maahks perdidos e os lemurenses fugitivos pousaram em Scorcher, onde certamente também pousou uma nave maahk, cuja tripulação depois aumentou rapidamente.

É encontrado um aparelho que é um tipo de máquina do tempo, e assim Rhodan vai involuntariamente com um grupo ao ano 7682 a.C. para evitar o pouso da nave maahk em Scorcher. A missão é bem-sucedida, sem que ocorra um paradoxo temporal. A herança lemurense pode ser salva, e finalmente os homens descobrem os dados do radiador de contracampo.

Roi Danton, o rei dos livre mercadores, que não é outro senão o filho de Rhodan desaparecido desde anos atrás, ocupa-se com o destino de oito naves exploradoras, que desapareceram sem deixar pistas na Pequena Nuvem de Magalhães. Porém ele voa para uma armadilha do desconhecido com sua nave FRANCIS DRAKE. A tripulação é aprisionada, mas alguns conseguem retornar com uma corveta à Via Láctea para pedir ajuda a Rhodan. Os prisioneiros são internados neste meio tempo no mundo prisão Prison II. Ali os chamados pseudogurrados conduzem perigosas experiências com eles, com o objetivo de modificar os prisioneiros sobreviventes. Os pseudogurrados são na realidade os verdadeiros senhores da Pequena Nuvem de Magalhães.

Rhodan segue a pista da FRANCIS DRAKE, chega com sua nova nave capitânia CREST V ao mundo prisão e consegue libertar os prisioneiros. Através de uma maior busca na pequena galáxia os terranos descobrem também dois sobreviventes de uma nave exploradora desaparecida. Isto os informa o caminho para os rebeldes da Pequena Nuvem de Magalhães, que lutam contra seu senhores. Os baramos vivem em Baykalob, um mundo onde existem grandes quantidades de cristais de neo-hovalgônio, que funcionam como catalisador de incubação dos ovos dos baramos. Os terranos descobrem que há cerca de 60.000 anos Baykalob foi conquistado pelo Primeiro Poder Vibratório, que desde então promove o amadurecimento dos ovos dos baramos, dos quais eles se apoderam de uma grande parte para utilizar seu neobilácio, um extrato muito importante para eles. Os ulebs precisam do material para sua capacidade de assumir outros corpos.

Um cruzador de patrulha da frota do Império encontra-se alguns dias depois com uma nave morta, com feras a bordo, na área da ponte de matéria entre as duas Nuvens de Magalhães. A nave é examinada e depois disto é colocada em condições de voo novamente, para chegar ao seu destino de viagem original. Um comando terrano chega ao mercado de escravos das feras. Isto provoca pouco depois a fuga, provocada por medo de serem vítimas da hiperepidemia trazida pela nave morta. Os terranos fazem uma perseguição e descobrem a residência do Primeiro Poder Vibratório. Através de um transmissor temporal eles chegam ao sistema Enemy, um sistema com 13 luas, que está em segurança no futuro relativo devido à manutenção de um campo temporal. A tripulação do space-jet consegue alertar a Frota Solar, e pouco tempo depois três milhões de terranos posicionam-se à frente da barreira energética. Porém o campo paratron dos ulebs resiste a todos os ataques.

PRBR 0399Entretanto a Polícia do Tempo começa um novo grande ataque contra a Terra. Apesar do radiador de contracampo, o fim do Sistema Solar é impedido unicamente por um enérgico ataque dos halutenses. Para o mal-estar geral surge inesperadamente uma frota de okefenokees e dumfries na Via Láctea e eles apresentam um ultimato à Humanidade. Os invasores exigem as coordenadas de Halut, porém Rhodan recusa-se a fornecê-las. Frotas dumfries destroem o para arsenal dos condicionados em segundo grau e finalmente transformam o sol Enemy numa nova. Os ulebs, os condicionados em primeiro grau, morrem. O filho de Rhodan mantém-se neste momento no sistema Enemy e não retorna de sua ação, sendo dado como morto.

Rhodan deseja conclamar os okefenokees à razão e destrói uma nave dos dumfries. Porém uma ação do hiperinmestron traz a virada. Pouco tempo depois os senhores de M-87 retornam à sua galáxia.

Veja abaixo os detalhes em nossos resumos!

Não há artigos nesta categoria. Se há subcategorias mostradas nesta página, elas podem conter artigos.

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.