Cosmologia

Cosmologia do Dorgon

Esta categoria inclui planeta e luas, sociedade e conceitos, organizações e cosmologia da série Dorgon.

A crônica da LONDON

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Por Jaaron Jargon (a partir das crônicas posteriores dos cosmocratas DORGON e MODROR).

LONDON1

LONDON era uma espaçonave de luxo da Liga Hanseática Cósmica. Ela foi projetada com a aparência de um navio marítimo. Com uma extensão de 1.600 metros, uma largura de 554 metros e uma altura de 787 metros, oferecia acomodações para mais de 15.000 passageiros e uma tripulação de 1.200 homens e mulheres. A LONDON foi a “visão” do porta-voz Hanseático Arno Gaton e foi financiada pela Liga Hanseática Cósmica para melhorar o seu prestígio no espaço.

A espaçonave de luxo realiza um voo de cruzeiro pelo grupo local e atraiu a elite da Via Láctea a bordo.

 

05 de outubro do ano 1285 NCG

No estaleiro espacial de SUSSIX, a LONDON é apresentada pela primeira vez na frente de 4.000 convidados.

 

06 de outubro do ano 1285 NCG

O voo inaugural e lançamento da LONDON aconteceram no Sistema Solar.

 

7 de outubro do ano 1285 NCG

O início da viagem através do grupo local com 15.022 passageiros e 1.200 tripulantes. O comando da LONDON ficou a cargo do plofosense James Holling de 175 anos. Entre os convidados estava a família influente de arcônidas, os Orbanashol, um somerense Sruel Allok Mok (Sam) e até mesmo Perry Rhodan que, incógnito, viaja com eles para ganhar Sam para Camelot.

 

08 de outubro do ano 1285 NCG

A LONDON atinge Gatas e pega passageiros adicionais.

Perry Rhodan é desmascarado pelo líder da seita Dannos. Rhodan torna-se conhecido e começa oficialmente as negociações com Sam.

 

12 outubro do ano 1285 NCG

Wyll Nordment dificulta na noite de 11 para 12 de Outubro, a desesperada tentativa de suicídio numa eclusa de Rosan Orbanashol. Ali, pela primeira vez, um comportamento defeituoso da sintrônica de bordo é registrado.

Pai Dannos assassina Martha Wobbish, quando ela não quer participar com ele do esquema cósmico dos filhos da fonte de matéria.

A LONDON chega ao meio-dia na Grande Nuvem de Magalhães.

Após uma grande briga entre Wyll Nordment e Attakus Orbanashol por Rosan, Nordment é dispensado de seu cargo de primeiro-oficial da LONDON.

 

13 de outubro do ano 1285 NCG

Rosan Orbanashol é assediada por Tett Chowfor, um filho da fonte de matéria. Ela se livra dele graças ao secretário particular dos Orbanashol que humilha Chowfor, empurrando-o numa piscina.

 

15 de outubro do ano 1285 NCG

Os filhos da fonte de matéria sequestram a LONDON. Os mercenários de Mordred ocupam o centro de comando e à casa de máquinas. Uma vez que uma bomba foi escondida a bordo, os oficiais da espaçonave não têm escolha a não ser aceitar às exigências do pai Dannos. Dannos quer que a LONDON viaje para uma fonte de matéria. Só a tripulação e poucos passageiros ficam sabendo do sequestro.

Enquanto Wyll e Rosan comemoram, Rosan é assediada novamente por Tett Chowfor. Quando Wyll vem ao seu resgate, Chowfor pega uma faca vibratória e ataca Nordment. Na luta Chowfor morre. Rosan e Wyll informam Holling e descobrem sobre o rapto. Mesmo Rhodan e Sam ficam sabendo.

 

16 de outubro do ano 1285 NCG

Em vingança pela morte de Tett Chowfor, Dannos ordena ao seu mercenário Craig Anbol que assassine 10 passageiros inocentes.

 

22 de outubro do ano 1285 NCG

O filho da fonte de matéria Dimytran informou a Liga Hanseática Cósmica sobre o sequestro da LONDON e promete provas.

 

24 de outubro do ano 1285 NCG

A LONDON ainda está nas mãos dos sequestradores e está perto do Triangulum.

 

25 de outubro do ano 1285 NCG

Dimytran exige uma nota de resgate no valor de 150 bilhões de galax para a Liga Hanseática Cósmica. Ele também fornece um ultimato de 24 horas.

O SLT é informado. O agente Stewart Landry faz contato com o cronista Jaaron Jargon em Camelot.

 

26 de outubro do ano 1285 NCG

A Liga Hanseática Cósmica concorda com o pedido de resgate.

 

27 de outubro do ano 1285 NCG

O dinheiro é entregue a Dimytran e carregado no cruzador CERES. Gucky e Stewart Landry viajam no cruzador CERES que segue na direção de UGCA-092

 

Novembro do ano 1285 NCG

Os passageiros e tripulantes da LONDON devem ser entregues perto da UGCA-092 numa estação abandonada tefrodense. No entanto, a expedição saggittonense e o cruzador de batalha SAGRITON com o filho do chanceler saggittonense Aurec e o almirante Dolphus percebem a aproximação da LONDON. Quando a SAGRITON é bombardeada por mercenários de Dannos causando incêndios na SAGRITON eles retrocedem e paralisaram os galácticos. Eles deixam os galácticos num sono profundo e levam a espaçonave como presa e objeto de investigação por meio de um portal estelar a distante galáxia a 19 milhões de anos-luz, Saggittor (M-64).

 

14 de novembro do ano 1285 NCG

A SAGRITON alcança a galáxia Saggittor com a LONDON.

 

15 de novembro do ano 1285 NCG

Após Perry Rhodan conseguir conquistar a amizade de Aurec, os galácticos e saggittonenses podem resolver as suas diferenças iniciais. Os galácticos conhecem mais sobre o saggittonenses. No entanto, Rodrom — a encarnação da entidade MODROR – fica atento em relação a Perry Rhodan, numa viagem de inspeção em Saggittor a uma base secreta do povo auxiliar dos kjolles. Uma vez que os poderes de MODROR já operam no Grupo Local, Rodrom quer aproveitar a oportunidade e impedir uma aliança entre os galácticos e os saggittonenses e matar Perry Rhodan.

 

16 de novembro do ano 1285 NCG

Perry Rhodan e Aurec examinam a barreira misteriosa no centro da galáxia Saggittor.

Ao mesmo tempo, o cruzador CERES encontra-se com os filhos da fonte de matéria na pequena Galáxia de UGCA-092, onde se encontra com uma espaçonave da organização Mordred. No entanto, nenhum vestígio da LONDON é encontrado.

 

17 de novembro do ano 1285 NCG

Landry é desmascarado, mas graças a Gucky, duas espaçonaves conseguem se aproximar da espaçonave do inimigo, a FREYJA e a NORTH CAROLINA. Os sequestradores preferem cometer suicídio.

A operação de busca da LONDON começa.

 

18 de novembro do ano 1285 NCG

A família do chanceler Aurec é assassinada por mercenários de Rodrom. O almirante Dolphus é um dos conspiradores e os galácticos são culpados pelo assassinato.

Rodrom lança a LONDON através de uma dobra espaço-tempo, em 1998, numa Terra de um universo paralelo. Rhodan e seus companheiros são caçados pelos mercenários de Rodrom, no entanto, conseguem escapar graças a Sato Ambush e retornar ao universo normal. Sato Ambush que é, aparentemente, apoiado por um grande poder, encontra uma criatura chamada Alysker. A sua odisseia nas pararrealidades nos universos paralelos em busca do seu próprio universo parece ter acabado, mesmo que ele não consiga entrar em contato com Perry Rhodan.

 

19 de novembro do ano 1285 NCG

Aurec e Perry Rhodan provam a sua inocência perante o conselho de Saggittor. Aurec é agora oficialmente chanceler dos saggittonenses.

 

21 de novembro do ano 1285 NCG

A família do chanceler saggittonense é enterrada num grande funeral.

 

22 de novembro a 24 de novembro do ano 1285 NCG

O usurpador Dolphus morre durante uma tentativa fracassada de golpe contra Aurec.

A luta contra os kjolles no centro da barreira começa. Graças a Alysker e Ambush os saggittonenses obtêm as coordenadas de um Portal Estelar no centro de Saggittor. Os kjolles são batidos, as estações da barreira são destruídas. Rodrom foge e por vingança destrói o sistema natal dos kjolles.

 

29 de novembro do ano 1285 NCG

A LONDON deixa Saggittor e começa a sua viagem de regresso.

 

08 de dezembro do ano 1285 NCG

A LONDON ainda está a um pouco mais de três milhões anos-luz da Via Láctea.

 

09 de dezembro do ano 1285 NCG

Rodrom manipula através de um vírus da Mordred a sintrônica defeituosa a e liberta os filhos da fonte de matéria a fim de sabotarem as cápsulas espaciais e naves auxiliares de resgate.

A LONDON avança pelo hiperespaço e chega a um sistema estelar com um planeta aquático para recarregar o acumulador gravitraf. Esta parada é planejada por Rodrom. A WORDON espera no sistema e ataca a LONDON as 23h19min do tempo padrão. A espaçonave de luxo fica muito danificada pelos disparos da WORDON em órbita do mundo subaquático.

A LONDON cai no planeta, fazendo as 23h40min do tempo padrão um pouso de emergência na água. A inundação é interrompida após menos de 20 minutos, porém, ela mata cerca de 100 galácticos pelo impacto e pelas primeiras inundações.

 

10 de dezembro do ano 1285 NCG

As 00h50min do tempo padrão detonam várias cargas explosivas de Rodrom e a evacuação quase não têm lugar. Várias naves auxiliares são destruídas e as suas carcaças se tornam barcos anfíbios. A evacuação começa agora enfaticamente.

A inundação pode ser interrompida no hangar até cerca de 02h40min do tempo padrão. Mas quando a energia dos campos de força entra em colapso final e a sintrônica é destruída devido ao vírus, o naufrágio da LONDON já não pode ser interrompido.

A evacuação é executada de forma caótica. Nem todas as cápsulas ficam cheias e lentamente se entra em pânico. 04h00min do tempo padrão de manhã a LONDON começa a declinar rapidamente. Às 04h17min do tempo padrão, a água já atingiu o centro de comando. O capitão James Holling morre afogado.

As últimas cápsulas são reaproveitadas como barcos salva-vidas e são baixadas até a água, a LONDON agora submerge rapidamente.

As torres caem juntas e a espaçonave se quebra ao meio, porque a carga dos motores é muito grande.

A 04h28min do tempo padrão a LONDON está completamente perdida.

Centenas de sobreviventes devem suportar horas na água e são presas de criaturas similares a tubarões.

As 06h25min do tempo padrão a FREYJA e NORTH CAROLINA chegam ao planeta aquático, e resgatam os sobreviventes. Na água Perry Rhodan, Wyll Nordment, Rosan Orbanashol e Sam sobrevivem até serem resgatados.

No total 10.023 galácticos perdem as suas vidas no desastre.

Imprimir Email

Barreira do centro de M-64

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Um campo energético esférico com um diâmetro de 358 anos-luz. A barreira rodeia o buraco negro central de Saggittor e protege seu interior completamente. Foi criado pela entidade MODROR como um local para estacionar os exército de seu povo auxiliar kjolle.

A barreira é mantida com uma variedade de projetores em grandes plataformas, que obtém suas necessidades energéticas diretamente dos sóis próximos. É possível ganhar acesso por meio de um código, e também por vulnerabilidades estruturais, mas isso é muito raro.

Perto da sistema natal dos kjolles há um portal estelar. Este era usado principalmente para transportes até que os saggittonenses tomaram conhecimento dele através de SAGGITTORA em 1285 NCG.

A barreira é impenetrável por meios convencionais, tais como metagrav, propulsores lineares ou propulsores de transição. Na faixa da velocidade subluz, a barreira também é impenetrável. Suposições dos saggittonenses indicam que a barreira é um campo energético suportado com componentes hexadimensionais, semelhante ao campo flexível do Enxame, mas de uma estrutura diferente.

Com ajuda dos terranos, os saggittonenses finalmente conseguem superar essa barreira em 1285 NCG, tirando proveito do portal estelar, e destroem as centrais energéticas. A barreira do centro desaparece após todas as estações serem destruídas.

Imprimir Email

Cavaleiros das Profundezas de Shagor

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

Os Cavaleiros de Shagor parecem ser representantes da Ordem dos Cavaleiros das Profundezas que se rebelaram dos Cosmocratas liderados por Jedar Balarn 90 mil anos atrás. Desde aquela época, eles se limitam à proteção da galáxia Shagor, que está a cerca de 325 milhões de anos-luz da Via Láctea.

Na metade do 13º século NCG. O Cosmocrata SIPUSTOV aparece no Domo de Elaran e ordena o Mestre dos Cavaleiros Arib’Dar a viajar em nome dos Cosmocratas para a Via Láctea e prevenir por todos os meios o nascimento de um “Filho do Caos”. Se ele se recusar a realizar esta missão, o Cosmocrata ameaça com a destruição de toda a Ordem dos Cavaleiros de Shagor.

O Mestre dos Cavaleiros, com o coração pesado, viaja para a Via Láctea junto com seu ex-aluno Prot’Gar e dois orbiters. Mas os dois Cavaleiros das Profundezas não conseguem obter muita informação de SIPUSTOV. O filho do Caos Cau Thon mata Prot'Gar e os dois orbiters, mas deixa Arib'Dar vivo para ameaçá-lo e humilhar. Por fim Cau Thon diz que ele cuidaria da Ordem de Cavalaria de Shagor mais tarde.

Imprimir Email

Filhos da Fonte de Matéria

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Os “Filhos da Fonte de Matéria” — são uma associação religiosa de galácticos, fundada no ano 1267 NCG, sob a liderança do guru da seita “pai” Dannos. O objetivo da seita esotérica é ascender através da fusão mental dos indivíduos num cosmocrata. Eles se sentem um só com o cosmos e rejeitam a vida física. Eles querem ser parte do Universo e viajar em outras dimensões como um cosmocrata, a fim de experimentar as maravilhas do multiverso.

O grupo tem cerca de 150 seguidores e é composto de muitos membros diferentes. Mas todos acreditam nas profecias do pai Dannos e o seguiram de bom grado para a LONDON, sabendo muito bem que iriam sequestrá-la. Mas o “plano perfeito” da seita falhou, quando a LONDON foi sequestrada pela SAGRITON e levada para Saggittor.

 

Imprimir Email

Heyill

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O Heyill é uma droga de Mashratan. É destilada em um tubo. A fumaça em si tem o maior efeito alucinógeno. É ingerida de bom grado por agricultores e pastores de animais nas montanhas, oásis e desertos. Nas grandes cidades o uso é menor.

Imprimir Email

Kjolles

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Os kjolles são um povo do centro da galáxia Saggittor (M-64). Eles estão próximos à nebulosa escura que serviu de base para Rodrom por milênios. Os kjolles são um povo auxiliar de Rodrom ao qual foi dada a tarefa de controlar os sistemas solares habitados e de garantir que ninguém rompesse a barreira energética em torno do centro da galáxia.

Aparência

Um kjolle, independentemente do sexo, tem 1,40 m de altura, corpo magro e desengonçado, com dois braços e pernas. A cabeça tem forma de melão e é desproporcionalmente grande. O rosto dos kjolles é dominado por dois grandes olhos embaixo de uma testa alta e um nariz em forma de batata. A boca é estreita e pequena.

História

Os kjolles são um povo da galáxia Saggittor que foi recrutado dezenas de milhares de anos atrás por Rodrom. Eles também dominam os sistemas solares habitados na região de barreira e controlam seus habitantes como seus povos auxiliares, como os niders, semelhantes a peixes. Possíveis nações emergentes eram atacadas pelos kjolles sem piedade, até que os povos de Saggittor se opuseram a seus opressores. Dali em diante, os kjolles se limitaram a defesa e caíram no esquecimento, porque não interferiram mais ativamente nos assuntos da galáxia.

Em novembro de 1285 NCG os povos de Saggittor iniciaram uma invasão e vieram através de um portal estelar para dentro da barreira. Rodrom puniu os kjolles com uma ordem geral de autodestruição que destruiu todas as suas espaçonaves (naves disco geralmente com diâmetro de 100 metros). O principal sistema dos kjolles foi destruído por uma supernova iniciada por Rodrom. Os kjolles foram dizimados em sua maior parte e jogados tecnologicamente de volta para a era pré-estelar.

O chanceler saggittonense Aurec se esforçará no futuro por uma coexistência pacífica com os kjolles.

Imprimir Email

Kuhun

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O Kuhun tem origem nos primórdios da colonização de Mashratan e é um cruzamento genético entre uma vaca e uma galinha para a produção de leite e ovos. Os kuhuns foram libertados após a criação e proliferaram. Para os agricultores o kuhun é a pecuária mais importante.

Imprimir Email

M-64 — Saggittor

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

M64M-64 é a famosa galáxia “Olho Negro” — (também conhecida como Olho do Diabo). A estrutura escura é uma formação de poeira conhecida que encobria as estrelas por trás dela.

Principais raças: saggittonenses, holpigonenses, varnidernenses, troetternenses, multivonenses, kjolles, niders

Dados Astronômicos:

Ascensão reta: 12h 56m 44sec

Declinação: + 21 ° 41 '

Distância: 24 milhões de anos-luz

Magnitude Visual: 8,5 mag

Tamanho aparente: 10’ x 5.4'

Na galáxia giram dois discos de gás em direções diferentes, de modo que os gases das regiões periféricas se interpenetrem perdendo o momento angular e caiam no núcleo da galáxia. A causa deste efeito é o fato de que, no passado, foi a captura de uma galáxia anã elíptica, causada pela rotação contrária do disco interior empoeirado.

No âmbito do projeto, na região central de DORGON é caracterizada por extensas concentrações em massa de poeira cósmica e matéria escura, que serve aos povos auxiliares de MODROR como uma área de preparação. Para os demais povos de Saggittor esta área é inacessível, porque as vastas concentrações de massa causam efeitos hiperfísicos no núcleo, tornando impossível uma transição segura no continuum de nível superior.

 

Imprimir Email

Mashratan

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Mashratan é o quinto planeta da estrela binária Mashritun

Distância foco do centro de gravidade: 0,96 AE
Diâmetro: 13.678 quilômetros
Gravidade: 1,04 g (com base no padrão da Terra)
Temperatura: 19 °C
Luas: 2 (Hugin e Mugin)

Observações

Devido à peculiaridade dos sóis binários Mashritun A e B, a temperatura média é mais elevada do que na Terra. Além disso, há um forte efeito estufa com uma maior proporção de dióxido de carbono na atmosfera.

A mudança entre o dia e a noite segue um sistema complicado, que é devido às órbitas dos dois sóis ao redor do centro de gravidade comum e a inclinação do eixo do planeta em 29°. Devido ao impulso angular inferior em comparação com a Terra a duração do dia é de 28 horas. A proporção é de três para um, onde você realmente tem que falar de duas partes do dia diferentes. Enquanto a estrela amarela é elevada no céu, o espectro de luz amarela é predominante. Nas últimas horas do dia, No entanto, o espectro se torna cada vez mais determinado pela anão vermelho. A cor predominante do céu muda de laranja para um vermelho escuro, antes de ambos sóis se porem sucessivamente no horizonte do planeta.

Luas

Mashratan é cercado por duas luas cujas orbitas são compensadas por cerca de 90°. Munin parece, visto de Mashratan, ligeiramente maior do que a Lua enquanto Hugin parece ligeiramente menor. A topografia das duas luas é muito parecida com a Lua, ou seja, uma de crateras moldadas por antigos vulcões e crateras de impactos de meteoritos.

Condições de vida

O planeta é um mundo deserto, os recursos hídricos disponíveis são na sua maioria abaixo da superfície. Água de superfície livre é rara e é alimentado por mananciais subterrâneos. Apenas nas regiões polares existem mais recursos de água na forma de calotas menores sob extensas dunas de areia. De particular importância são os recursos minerais explorados em poços abertos muito mais amplos em comparação com a Terra. No centro das montanhas Sainah também se encontram extensos depósitos de hipercristais que compõem a principal fonte de renda do planeta.

Estrutura topográfica

A topografia de Mashratan é dominada por quatro grandes planaltos que se elevam acima do deserto arenoso em cerca de 200 a 500 m e abrangem todo o planeta. Os primeiros colonizadores se referiram esses planaltos, em memória de sua casa na Terra, como continentes, embora não exista oceanos em Mashratan. Os vastos desertos de areia, que enchiam os antigos oceanos são ainda largamente inexplorados. Na língua dos mashrates eles são referidos como o “vestíbulo do inferno”. Mesmo os habitantes adaptados ao clima quente, não podem sobreviver na vasta planície sem vestuário de proteção adequado, porque pode atingir temperaturas superiores a 60 °C. A sofisticado tecnologia do século 13 NCG esbarra em seus limites. Somente através do uso de campos protetores adequados se pode impedir o impacto da poeira microscópica, que é parada pela tecnologia. Assim, a ocupação humana sobre os planaltos de Mashratan é limitada às condições climáticas.

Encontram-se nos planaltos continentais vastas cadeias de montanhas que tem um clima comparável à Terra acima de um limite de 3.000 m. Mas também aqui afeta o ciclo de água, a precipitação é extremamente rara. Os picos acima de 7.000 metros tem geleiras extensas cujo degelo é a principal fonte de água de Mashratan. Nas vastas planícies domina uma paisagem que é semelhante ao dos semidesertos da Terra. No entanto, grandes áreas são dominadas por desertos de areia e cascalho. As únicas fontes de água estão nos oásis, cujas fontes de água são alimentadas a partir de águas continentais profundas.

Um papel topológico especial é desempenhado pelas montanhas Sainah, que formam uma espécie de parede da cratera gigantesca para a região polar norte. As montanhas rodeiam a região que é nomeada em memória da Terra como Ártico em um círculo de três quartos. Pesquisas geológicas mostraram que aqui um enorme corpo celeste deve ter atingido o planeta no passado. Uma das teorias atuais assume que deve ter havido uma terceira lua, ou mesmo um asteroide irregular que causou pelo seu impacto ao largo de Mashratan uma catástrofe climática. Estudos mineralógicos têm demonstrado que a extensa perda de água da superfície foi causada por esta catástrofe cósmica há cerca de 70 milhões de anos. A cordilheira é atravessada por amplas camadas de minério, que formam a base da indústria pesada mashratanse. Outra peculiaridade de Mashratan é como as placas tectônicas do planeta suportaram o impacto, o que é praticamente um impasse que não pode ser explicado pela ciência até agora.

No entanto, de particular importância para a ascensão econômica e do crescente peso político na cena galáctica de Mashratan são os extensos depósitos de vários hipercristais, que também foram descobertos nas montanhas Sainah.

Calendário

O calendário em Mashratan é terrano, ou seja é contado em minutos, horas, dias, semanas e meses. Os mashratenses não reconheceram o NCG e ainda vivem na era dC, porém, subordinada em “ tempo geral antes da nova era” e “tempo geral, após a hora da virada”. Havia também tribos que dataram de época de 1971 e tudo na frente dela designado como dPP (depois de Perry Rhodan). Mas esta forma de tempo não prevaleceu. Através dos seus laços com a Terra, eles tinham acordado com o tempo comum.

Imprimir Email

Munin / Hugin

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Mashratan é cercado por duas luas cujas orbitas são compensadas por cerca de 90°. Munin parece, visto de Mashratan, ligeiramente maior do que a Lua enquanto Hugin parece ligeiramente menor. A topografia das duas luas é muito parecida com a Lua, ou seja, uma de crateras moldadas por antigos vulcões e crateras de impactos de meteoritos.

Munin / Hugin

Diâmetro médio: 3.247 km / 3.821 km
Semieixo maior: 234.128 km / 392.983 km
Tempo de circulação: 19 dias / 39 dias

Pela relativa proximidade das luas, há uma forte amplitude das marés que são exercidas; no entanto, condicionalmente exercida pela falta de água aberta, apenas no manto do planeta. As consequências são terremotos regulares que pertencentes a vida diária de Mashratan.

Em Munin há um estaleiro espacial, que pode produzir naves até o tamanho de cruzadores de batalha. Na lua há também extensa posições defensivas em construção, que são controladas centralmente.

Hugin é área absolutamente restrita, a qual somente pessoas legitimamente habilitadas pelo coronel têm acesso. Há rumores de que há extensas construções sob sigilo absoluto sendo realizadas. Sabe-se também que o Império Solar mantinha uma base da frota na lua, que caiu no esquecimento durante os “anos de escuridão”. Se está ainda existe é desconhecido.

Imprimir Email

Portal estelar

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O portal estelar é um túnel dimensional ou transmissor gigante que irradia instantaneamente espaçonaves a uma distância de milhões de anos-luz. Não se sabe quem construiu os portais estelares e nem por quem essa tecnologia é explorada.

Até agora há somente três portais estelares conhecidos. Um a cerca de 5 milhões de anos-luz da Via Láctea, fora da extremidade do Grupo local. Um segundo em uma ramificação da galáxia Saggittor, M-64. Um terceiro está localizado perto do centro de M-64.

O portal estelar consiste em quatro estações espaciais dispostas circularmente. É necessário transmitir a estes, numa frequência específica, as coordenadas para permitir que as estações sejam ativadas e seja criada uma ligação para outro portal.

As tentativas de investigar as estações espaciais falharam até agora, porque, em seguida, elas fogem para o hiperespaço. Aparentemente também é necessária uma contraestação. Coordenadas arbitrárias não são aceitas.

Os saggittonenses descobriram a existência de tais portais através de uma mensagem misteriosa da igualmente misteriosa e taciturna superinteligência SAGGITTORA. Os terranos descobriram, através dos saggittonenses, no final de 1285 NCG a existência de um portal no Grupo Local.

Imprimir Email

Rabmulla

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Rabmulla é o nome de um clérigo da religião do “Deus Trino” em Mashratan. Rabmullas se mudam de aldeia para aldeia e são um tipo de monges ambulantes e são a mais alta autoridade religiosa para com a população rural. Com a idade eles sossegam e se estabelecem em uma vila de sua escolha. A população rural é obrigado a sustentar os “sacerdotes”. Em troca, eles ensinam aos jovens do sexo masculino da aldeia a doutrina do “Deus Trino”.

Imprimir Email

Refry

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O Refry é uma criatura semelhante a ovelha com seis pernas. Refrys podem ser usados para a produção de lã, a carne não é nenhuma iguaria, mas, se espalhou como alimento em Mashratan.

Imprimir Email

Saggittonenses

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Os saggittonenses são um povo humanoide da galáxia Saggittor (designação terrana: M-64 — Olho Negro). Os saggittonenses são muito semelhantes aos terranos, exceto por pequenos arranjos diferentes na estrutura orgânica. A cor da pele varia de bronzeada a escura. Seu cabelo vai do marrom ao preto; a cor dos olhos varia entre verde, marrom e quase preto.

Características

Os saggittonenses são orgulhosos e sedentos por aventura. Embora sejam considerados pacíficos e justos, também têm temperamento explosivo. Seu orgulho pode — em particular devido à sua posição política e militar na galáxia M-64 — às vezes se transformar em arrogância e sentimento de superioridade.

São conhecidos em Saggitton como especialmente honrados, artisticamente dotados e bons guerreiros. Eles honram tudo o que faça Saggittor avançar. Ações egoístas são consideradas desonrosas. Elas também são execradas em público.

Sociedade

A igualdade de gênero, a liberdade religiosa e o direito à autorrealização são altamente considerados em Saggittor. As pessoas devem ser equilibradas. O indivíduo deve ser guiado por seus pontos fortes e fracos.

O senso de família é forte nos saggittonenses. O divórcio é um cenário apocalíptico, mas permitido sob condições estritas (maus-tratos, várias traições). As crianças são altamente valorizadas e se dedica um monte de tempo e esforço à educação dos filhos, quer por meio do estímulo dos pais ou por um sofisticado sistema de educação.

Um saggittonense adolescente deve aprender ética para viver com decência e honra, a arriscar sua vida para o bem da comunidade e a proteger os fracos. Ele deve ser formado e, posteriormente, treinado na arte da guerra. Após a conclusão deste treinamento básico, ele pode escolher sua carreira de acordo com seus anseios (mas, às vezes, sob pressão da família).

Embora haja igualdade de oportunidades entre homens e mulheres, não há nenhuma igualdade formal entre ambos os sexos. A emoção da diferença e o amor são importantes. Como o conceito de honra e hombridade possuem forte influência na vida, também é normal um homem cortejar a mulher ou vê-la como o sexo fraco. As mulheres saggittonense pouco interferem na sociedade e deixam para os homens pensarem que são fortes, pois sabem que elas são bastante superiores.

Economia

A economia tem um papel pequeno na galáxia. Ela é considerada um meio para garantir a prosperidade e o poder da população. Provou-se há séculos que os saggittonenses trabalham para o progresso e a preservação e não para o ganho pessoal. Embora usem dinheiro, não existe na maioria dos mundos nenhuma subclasse social ou uma elite rica. O resultado é o equilibrado, que é regulado por legislação apropriada.

Alimentação dos saggittonenses

Os saggittonenses — como os terranos — comem carne e vegetais. Eles cozinham e gostam de comer e apreciam comida saudável e picante.

Comida

Carnaroosa = ensopado de carne (Carna = carne, Roosa = guisado)

Aeticua = uma iguaria espacial. Concentrado aquecível que, de acordo com o tipo, se transforma em mingau com legumes, guisado, carnaroosa ou algo similar.

Bebida

Os saggittonenses dão grande importância a um bom vinho para o jantar. A combinação de comida picante e cerveja para saciar a sede é intencional, mesmo que isso signifique que se fique solidamente bêbado depois. Portanto, a principal refeição só é servida após o pôr do sol.

Vino = Vinho doce

Ebi-Vino Scil = vinho meio-seco

Ebi-Vino = vinho seco

Sorfa = cerveja

Qeuca = água

Fruta-Queca = suco de fruta

Aljada = Vitamina de frutas

Bisca = café preto feita com grãos da grande floresta tropical

Unidades

O reto constitui a base do sistema de medição. Comprimentos abaixo de um reto são conhecidos como peqa-reto, dimensões maiores são chamadas de alto-reto.

1 reto = 1,25 metro

1 peqa-reto = 0,25 centímetro

500 peqa-reto = 1,25 metro = 1 reto

500 reto (625 metros) = 1 alto-reto

Exemplo: O diâmetro da discoide SAGRITON é de 5.000 metros ou 8 alto-reto.

Unidades Astronômicas

Assim como os terranos, os saggittonenses medem em anos-luz a distância entre os corpos celestes.

Tempo

Os saggittonenses combinaram com outros povos uma cronologia unificada dentro da galáxia. O cálculo do tempo era diferente do NCG da Via Láctea. Ali nenhuma adaptação fora feita para uma determinada época de um povo, mas foi introduzido um cálculo que era uma mistura dos cálculos usuais da comunidade.

O ano (anor) é a unidade de tempo mais elevada. Ele contem 25 semors (semanas). Cada semor tem 50 diats (dias). Assim, um ano saggittonense tem 1250 dias (diats). Um diat tem 10 horas (horar). Um horar é formado por 25 minutos (nutos). Um nuto é composto por 50 peq-nutos que (exceto em ciências e esportes) é a menor unidade de tempo em uso normal.

No cômputo terrano, um peq-nuto corresponde a meio segundo. Cinquenta peq-nutos, portanto, são 25 segundos terranos. Somi é um minuto saggittonense, 25 segundos terranos. A hora saggittonense (horar), portanto, tem 12 ½ minutos terranos. Um dia saggittonense tem apenas 125 minutos terranos. Uma semana saggittonense é a principal unidade de tempo saggittonense — mas não dos outros povos (os holpigonidas preferem os anors enquanto os varnides preferem o diat). Uma semor (semana), portanto, tem 50 dias, com 125 minutos cada. Assim uma semana saggittonense tem 6250 minutos. Isso corresponde a 104 horas terranas, ou seja, 4,3 dias. Assim, o ano saggittonense, 25 ½ semors, tem 108 dias terranos.

Unidades de tempo

Anor (ano) — 108 ½ dias

Semor (semana) — 4 1/3 dias

Diat (dia) — 2,08 horas

Horar (hora) — 12 ½ minutos

Nuto (Minuto) — 25 segundos

O tempo regional é adaptado aos ciclos de duração de rotação / dia e de noite. Para esses momentos especiais os saggittonenses usam o termo “netar”, que significa algo como planeta. Um netar-diat no mundo Saggitton corresponde a 10 diats normais.

Imprimir Email

Sistema Mashritun

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

dorgon2 1Sistema estelar binário com uma anã marrom como um companheiro planetário.
Localização dentro da Via Láctea: quadrante Southwest, região externa do braço de Perseu.
Distância do Sol: 32.119 anos-luz.

Dados Astrofísicos

Mashritun-A / Mashritun-B
Tipo espectral: G8V (amarelo) / M6V (vermelho laranja escuro)
Massa (sol = 1): 0,98 / 0,09
Diâmetro (sol = 1): 0,97 / 0,37
Temperatura: 5.620 °C / 2.945 °C
Luminosidade (sol = 1): 0,92 / 0,01

Planetas
6 (incluindo uma “anã marrom”)

Características

  • Mashritun-1 é um planeta rochoso e, em relação a Terra, com diâmetro de 0,85, gravidade de 0,79 g, distância foco do centro de gravidade de 0,42 AE e temperatura média de 112 ° C.
  • Mashritun-2 é um assim chamado “Júpiter quente” ou seja, um planeta gasoso que caminhou após a formação em regiões exteriores, através de migração, para o interior do sistema e é aquecido pelo sol (n). Luas não são possíveis neste tipo de planeta.
  • Os planetas 3 e 4 não têm atmosfera considerável à disposição, de modo que nenhum efeito estufa ocorre e, assim, se justificam as baixas temperaturas.
  • O planeta 5 é o mundo Mashratan.
  • O “planeta” 6 é na verdade uma “anã marrom” que assume o papel do Júpiter solar dentro do sistema e estabiliza as órbitas dos “planetas internos”. Ao mesmo tempo, ele evitou que mais planetas “externos” pudessem surgir. Ele tem um extenso sistema de 26 luas e forma sua própria zona habitável através do seu espectro de luz infravermelha. Dentro desta zona, existem duas grandes luas aproximadamente grandes como Marte com uma fina atmosfera, onde a vida vegetal primitiva é possível.

Imprimir Email

Tuffa-Jab Jab

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O Tuffa-Jab Jab é a tradicional festa de Mashraten, que tem suas origens nos tempos arcaicos da Terra. No período da Tuffa-Jab Jab só os homens estão autorizados a celebrar. As mulheres não são autorizados a participar. Os homens celebrantes nessa ocasião estão autorizados a tomar medicamentos (mas sem álcool). Os rapazes dançam nessa ocasião e também podem ser explicitamente seduzido. Em modificações, há também uma variedade para as moças. A puberdade pode ainda não ter sido alcançado em ambos os sexos. O festival Tuffa-Jab também é considerado como um exame de maturidade para meninos e meninas e a possibilidade de mudar o sexo em silêncio a determinar posteriormente, o que eles querem ser, junto as famílias. No entanto, este exame final por sua vez, não é reconhecido pelos teólogos e conservadores. Porque, se um homem decide se tornar uma mulher – ele é para sempre tratado como um impuro. Por outro lado se uma mulher quer viver como homem, ela é considerado como o Demônio Preto de Mirona e excluída da sociedade.

Imprimir Email

Yekjab

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O Yekjab é um bastão elétrico usado em Mashratan, que gera no topo de uma pequena caixa eletrônico que produz rajadas não mortais, mas, dolorosas de energia. Usado como medida de correção de animais, crianças e mulheres.

Imprimir Email

Yeshi-Jil

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O Yeshi-Jil é a cerimônia de casamento em Mashratan. A noiva é vestida com um brilhante campo defletor (o Yeshi-Hihab), hologramas de estrelas podem girar em torno dele. Os clímax da cerimônia é a entrega do dote simbólico do pai da família do noivo e, em seguida, o pagamento para a família da noiva do preço acordado. No círculo familiar, o Yeshi-Hihab é então liberado e é chamada para dançar. Isto é seguido pela comida. Em seguida, o marido e a esposa são abençoados para a noite de núpcias. Esta é talvez a parte mais importante do Yeshi-Jil — porque aqui o marido ainda pode revogar tudo, se a mulher for impura. Eles serão examinados sob observação dos testadores da família (pai e sogro). Se tudo está como deveria ser, ela e aceita pelo homem e recebe sua marca no ombro, de modo que todo mundo sabe que ela é membro da família e da propriedade do marido. Isto é seguido pela parte religiosa, que é uma mistura de um casamento muçulmano, judeu e cristão.

Se a mulher estiver porém manchada, o homem pode rejeitá-la e Yeshi-Jil é anulado. O dote e os bens adquiridos são devolvidos. O custo da comida e da celebração deve ser pago pela família da noiva.

Imprimir Email

Login

A Chave secreta é necessária somente se você habilitou o Google Autenticador em seu perfil.